Não é nenhum especificamente, e são muitos. Os magistrados não admitem a possibilidade de cumprir metas individuais, usando até bons argumentos: cada caso é um caso, a possibilidade de recursos é infinita, quase, e até os “Correios andam ariscos”.

Mas que desserviço prestam à instituição e quanto ajudam a levar ao descrédito o poder público, de forma geral!

Em entrevista recente, o corregedor-geral de Justiça e seu antecessor foram unânimes: a maior parte das reclamações contra juízes – em todo o país – é a morosidade no julgamento das ações que lhes caem nas mãos.

Algumas mãos, em especial, seja por zelo, seja por lerdeza deliberada, seriam capazes de deixar uma tartaruga fugir – se a elas coubesse a responsabilidade de guardar o nada célere animal.

Por essas bandas, muito se lamenta o caso dos Taturanas, ainda aguardando que o juiz Gustavo Lima lhe dê um destino, seja ele qual for. Mas não só este, é verdade.

É no cenário que em nada engrandece o Judiciário – não só pelo narrado –, que a 17ª Vara Criminal da Capital aparece como uma vela no fim de um túnel cujo começo é, também, desconhecido. 

O presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Recife, costumava – ou costuma – dizer que um juiz deve possuir três qualidades, nenhuma delas dispensável: conhecimento jurídico, honestidade, e disposição para trabalhar. 

Finalizava: na ausência de uma delas, o magistrado deveria mudar de profissão – ou deixar a outro o trabalho de guardar a tartaruga.

Na boca do mar
Procuradora da República investiga contrato da Prefeitura com a Tocqueville
  • OSCLÉPYO

    Ricardo! Você esqueçeu de mencionar que é mister informar as pessoas que litigam no judiciário as datas de seus processos – Isto não está ocorrendo fomentando, portanto o prejuízo daqueles que buscam suas solução inerentes. Habitantes de Arapiraca que o digam.

  • João

    Qualquer profissional, para ser bom, deve conhecer a técnica do que faz, ser honesto e trabalhador.Não só os juízes.Grande descoberta…

  • henrique correia pinheiro

    Ricardo…engraçado vc falar de 3 qualidades, eu falo que a justiça brasileira só é celere para os 3 Ps, como pretos, putas e pobres.

  • fernando marcio

    Brilhante materia meu caro jornalista, pois todas essa qualidades fazem parte do dia a dia do Dr. Ygor Figueiredo na camarca de Uniao dos Palmares e aida tem + humildade e honestidade sao suas maiores virtudes, um abraco amigo.

  • Cabano Quilombola Caeté

    A culpa é do TJ ou da sua sua Corregedoria. Se há motivo para não sentenciar, o TJ deveria explicar à Sociedade, pela sua assessoria de comunicação. Se não há, a corregedoria deveria tomar alguma providência.

  • J.Fernandes

    Realmente um pré-requisito indispensável p/um juíz é honestidade,tão rara aqui nesse estado.E outra qualidade indispensável é ter coragem,li uma reportagem,onde no Mato Grosso um juíz,prendeu os Mega-Tarficantes,pura coragem,pois o que vemos hoje em dia se prendem os pequenos e colocam como se fosse os mais perigosos,é como esse juíz falou por trás do pequenos,sempre há o mega,prendendo o mega acaba o tráfico,se prender o pequeno,ele arruma outros e continua.Só que a vida dele é ameaçada,foi oferecido até uma grande quantia p/eliminá-lo e esse juíz dormi e vive no fórum,e nas raras vezes que sae do fórum é escoltado,ele arriscou sua própria vida e disse que não sae de lá enquanto não prender todos.Agora pergunto qual é o juíz nesse estado que tem coragem de fazer isso? é difícil.

  • RICARDO ALEXANDRE MELO DE AMORIM

    ALEM DA NECESSIDADE DE AMPLIAR O Nº DE JUÍZES, O QUE OCORRE NA VERDADE! É A NECESSIDADE URGENTE DE SE REFORMAR O NOSSO CPC! POIS EM SE TRATANDO DE “PROCESSO” E SUA INFINIDADE DE CARIMBOS, JUNTADAS E PUBLICAÇÕES, TÃO COMUNS A ATIVIDADE CARTORÁRIA, ALIADOS A FUNCIONÁRIOS ASSOBERBADOS COM TANTOS PROCESSOS, CABE AO JUIZ E SEU ESCRIVÃO, NO POPULAR “TOCAR” A LOGÍSTICA DE SUA VARA, ATUANDO COMO VERDADEIRO GESTOR DESTE SISTEMA (MOROSO E DESATUALIZADO)

    UM MODELO DE CELERIDADE QUE DEVE SER SEGUIDO É O DA JUSTIÇA DO TRABALHO!

    SOMENTE COM A REFORMA DE NOSSOS CÓDIGOS DE PROCESSO, PODEREMOS DIMINUIR OS MEIOS “LEGAIS” POSTERGATÓRIOS DE NOSSO SISTEMA PROCESSUAL. POIS PERMANECENDO ASSIM, LOGO LOGO TEREMOS QUE ASSOCIAR A JUSTIÇA A IMAGEM DE UM OUTRO BICHO (MAIS LENTO QUE A TARTARUGA)

  • pedro

    É isso aí! todavia devemos observar que juiz não é o Deus da sabedoria, existem processos que demandam conhecimento de contabilidade, auditoria, ciências da computação e por aí vai, o que necessita de perícias confiável para que o juiz possa entender e julgar, será que a coisa na prática é fácial.

  • HEYDER PEREIRA CAMPOS

    MESTRE, PODER JUDICIÁRIO,HUMMMMMMMM ! ESTOU EM MINAS MESTRE,MATANDO TODAS AS SAUDADES DAS COISAS DAQUI. MEU DEUS, QUE BOM !!!

  • Ricardo

    Ricardo, tinha um juiz que tomava conta de uma preguiça, mas ela fugiu. E depois ficou a dúvida: seria a preguiça que tomava conta do juiz? Enfim, grande mestre, se juiz ganhasse por produção, a realidade era outra. Tem juiz em Alagoas que, se ganhasse por produção, ainda estava na casa dos pais.

  • eva

    o TJ tenta tampar o sol com a peneira fazendo mutiroes. Basta o juiz deixar o trabalho atrasado e pedir um mutirao…. isso nao é solução!!! A corregedoria pouco funciona

  • Joana alencar

    kkk. Juiz que deixa tartaruga fugir significa que consegue ser mais lento do que ela.

    Qdo for desembargador certamente vai integrar uma “Câmara lenta”. Kkk

    KKK . Muito boa Ricardo, mas o pior é que não é brincadeira.

  • Eduarda Brandão

    Quem tem algum processo com esse doutor sabe muito bem a verdade que vc está falando meu caro Ricardo.

    Essa foi a mais inteligente da suas críticas.
    Parabens.

    Obs. Será que Corregedoria vai ler? Dizem que a Justiça é cega.

  • marcelo

    Afinal, são funcionários públicos, passivo de lerdeza.

  • Matheus

    Infelizmente, o que podemos perceber, ultimamente, no Poder Judiciário é a falta de consenso para solucionar alguma coisa que esteja pendente.
    Sou vitima deste funcionamento e fico sem saber onde pedir socorro.

  • DALICE

    O internauta Márcio tem razão quando se refere ao Dr. Igor. Apenas para realçar é de se enaltecer no douto magistrado a coragem extrema de que é possuidor, fato por demais conhecido daqueles que privam da sua intimidade e que acostumaram-se a guarnecer sua retaguarda.

  • SERVIDOR PUBLICO MUNICIPAL

    RICARDO QUE OTIMA MATERIA , O JUDICIARIO E MESMO LERDO , QUASE PARANDO

  • Luiz Carlos

    Isto é uma violência, pois a violência juridica ela não deixa cicratizes aparente, ela mata aos poucos, fere o homem mortalmente em sua dignidade, esse tipo de violencia não leva ninguem a cadeia nem ao juri pois, não ha criminoso aparente.
    Eu que o diga que estou com uma pendencia a mais de 2 anos sem se quer ter uma audiencia, pq?
    Bela matéria

  • Lívia Souza

    Isso sem falar da ingerência que o executivo tem sobre o judiciário alagoano. Vide a decisão de suspensão de ação transitada em julgado pelo presidente do TJ, Sebastião filho, obedecendo as ordens do governador Teotônio Vilela.

  • sergio

    É incrível, mas no nosso país os três poderes são as instituições mais desacreditadas. Não dá para confiar no Judiciário (juizes e promotores) e nos políticos nem se fala. Salvo raríssimas exceções tudo depende do R$ que esteja envolvido. Quando a mídia está em cima eles deixam o caso esfriar, depois o processo vai para a gaveta. Não acho que seja lerdeza, é desonestidade mesmo. Os taturanas serão julgados quando a galinha ciscar pra frente e cobra ter pés.
    A impunidade no Brasil é uma coisa normal, nós cidadãos nem mais nos indignamos, sempre dizemos que é assim mesmo. Do Pallocci aos gaturanos do Ministério dos Transportes, quem está sendo processado? O Judiciário ficará quieto, nós esquecemos, e logo, logo estarão em mais um empreguinho rentável no governo, vejam o Genoíno, João Paulo, Mercadante e outros. Vocês lembram que o Lula já foi pobre? Ele nem se lembra mais desse tempo que quer esquecer.
    É uma vergonha o Judiciário e os políticos em todas as esferas.

  • antonino

    Depois de alguns wysques e charutos cubanos fica tudo certo. Os juizes querem mais é isso. Trabalhar para quê? Dá muito trabalho.

  • Despreparo

    Os maiores culpados pela morosidade da Justiça, é só ler as ações aforadas,são os “bichuréis em direito” forjados nas faculdades apinhadas de professores despreparados, cujas petições não possuem a mínima condição de serem acatadas pelos julgadores, servindo unicamente para abarrotar as prateleiras forenses.É de estarrecer os argumentos nelas inseridos, Uma afronta aos verdadeiros operadores do direito

  • Prometheus

    O cargo de juiz devia ser eletivo.
    A constituição precisa ter um dispositivo que de direito a população solicitar o exoneração de um magistrado por incompetência , morosidade dentre outros , através de um plesbicito , e não apenas pelo julgamento por sues pares.
    Os magistrados em todos os níveis são funcionários públicos, e devem satisfações a sociedade.
    Precisamos nos livrar desses preguiçosos que ganhão para prestarem um má serviço.
    Justiça lenta é uma injustiça!

  • JOBSON, DO SINDIMETAL

    Ricardo, parabens pela matéria. Porém, permita-me dizer que apesar da lentidão da tartaruga, mesmo assim, ela anda e chega ao seu destino. Já no caso da justiça, tem processo que mesmo andando a lentidão é tão exagerada que as partes terminam morrendo antes de vêm o resultado. Com outras palavras, a tartaruga está muito mais ligeira.

  • FERNANDO AMORIM

    CASO TATURANAS – Dr. GUSTAVO LIMA, huummm!!! Afinal, o que é que ele faz mesmo?

  • Ismar Porfirio

    Luiz Eduardo Costa

    25/07/2011 10:30:33
    AS ROSAS DO TRIBUNO FAUSTO CARDOSO

    Depois de assassinado o tribuno Fausto Cardoso pelas tropas federais que vieram a Sergipe recolocar no poder as oligarquias que dele haviam sido expulsas pela revolução faustista, uma forma de demonstrar repúdio aos vitoriosos era a exibição de uma rosa vermelha. Os homens a colocavam desafiadores na lapela, as mulheres no cabelo ou na blusa, algumas, mais ousadas, empunhavam rosas e iam passear pela frente do palácio onde Fausto caíra crivado pelas balas da tropa assassina. Não eram numerosos aqueles que se dispunham a afrontar os oligarcas que não escondiam o rancor por terem sido, durante um curto espaço de tempo, alijados do poder onde envelheciam sem contestações. Exibir uma rosa vermelha era gesto atrevido, quase sempre punido atrabiliariamente com a cadeia. Os tempos eram de vinditas, ódios e truculências sem limites. Com medo, muitos arrancaram dos seus jardins as roseiras transformadas em símbolos da resistência.
    Passaram os anos, os filhos de Fausto, vingadores, abateram a tiros no Rio de Janeiro o senador monsenhor Olímpio Campos a quem atribuíam a culpa pelo assassinato do pai. As paixões políticas tão radicalizadas se foram dissipando, amainaram. Vinte, trinta anos depois da tragédia de 1906 começou a aparecer nos jardins de Aracaju uma vistosa rosa vermelha que recebeu o nome de Fausto Cardoso. A rosa tornou-se muito popular na cidade, mas, àquela altura, o tempo apagara quase inteiramente a simbologia da flor. Todavia, uma boa parte dos que cuidadosamente a cultivavam, o faziam como reverencial homenagem ao político que, com a sua oratória flamante, liderara os sergipanos num movimento armado que prenunciava transformações sociais difusamente caracterizadas.
    Dizia-se então, que aquela rosa tão difundida em Aracaju, seria uma criação de Joaquim Martins Fontes da Silva, um ilustre sergipano que fora residir no interior paulista e lá dedicou-se à poesia e às rosas , uma redundância, ser ao mesmo tempo vate e rodólogo. Martins Fontes fazia experiências no seu jardim, produzia novas espécies de rosas e, a uma delas deu o nome de Fausto Cardoso. Tomando posse na ASL, Amaral Cavalcante fez uma síntese da vida de Martins Fontes, patrono da sua cadeira, mais conhecido, aliás, como cultivador de rosas do que como poeta.
    A rosa Fausto Cardoso foi desaparecendo, o tempo tornou-a esquecida, da mesma forma como os episódios históricos que deram origem ao nome.
    Agora, o incansável remexedor da História sergipana, Gil Francisco, instigado por este escriba, quer descobrir o roteiro da rosa, tentar, se possível, localizá-la em algum jardim. Há quase vinte anos passados quando o escrevinhador também cultivava rosas em Canindé do São Francisco, num catálogo da Roselandia, empresa paulista, constava o nome da rosa que agora procuramos, mas não estava disponível. A Roselandia encerrou suas atividades há algum tempo. Gil Francisco pede que quem tiver alguma informação onde possam ainda sobreviver roseirais faustistas, ou uma pista que seja daquelas rosa, então, faça a gentileza de satisfazer sua curiosidade, informando para: e-mail- [email protected], ou telefone (79) 32484239.
    Se um dia a rosa for encontrada, será solicitado ao prefeito Edvaldo Nogueira a construção de um jardim em torno da estátua de Fausto Cardoso, na praça do mesmo nome, para que nele sejam plantadas muitas delas, a rosa vermelha que está indelevelmente ligada à nossa história. Ajudem-nos a encontrá-la. Não será tão difícil, ate porque, já sabemos o nome da rosa.

    EM ALAGOAS – NINGUÉM QUER USAR UMA ROSA…

  • eduardo

    Todo mundo jurídico ( até as pedras da calçada do TJ ) sabe quem são as tartarugas do judiciário alagoano. Um santúario deles está localizado no Barro Duro. Nas festas e confratenizações de advogados e serventuários da justiça os seus nomes são citados e piadas correm sobre eles. A torcida é que se aposentem ou subam para o TJ ou ainda que morram, se não travam a Vara. A corregedoria não tá nem aí. Se denunciar, o advogado fica queimado na Vara. Se falar nos colegas, pois a famiglia tem braços longos. A promessa era o CNJ, mas acho que até ela já se acomodou a realidade e suas campanhas não tem resultado.

  • eduardo

    Alguns pulam para o TJ, mas lá quem faz o serviço são os assessores e a tartaruga desencata. Mas o ninho fica no Barro Duro. Sem falar nos interiores que são frequentados pelos magistrados duas ou três vezes por semana. Com direito a acompanhamento da corte: chofer e segurança, nas visitas. E o povo? O povo que se dane….

  • observador

    ESSES LENTÍSSIMOS SENHORES JUÍZES DO NOSSO ESTADO.

  • João Carvalho

    Ricardo, será que o adjetivo excelentíssimo vem justamente da palavra lentíssimo?
    Nesse caso pelo menos combina, né não?

  • João de Lima

    Kkk, perder tartaruga é duro, hein?

    Lento assim só lá na escuderia do Barrichello!

  • Joao Lins

    Ricardo,
    Quero psarabenizá-lo pela grande matéria! O poder judiciário está desacreditado! Age normalmente sem imparcialidade e para as classes mais favorecedidas. É um grande responsável pela manutençao da criminalidade e corrupção, devido ao constante marasmo e impunidade, jugamento justo e rápido é apenas para os menos favorecidos!!!

  • Araujo

    Os três poderes da República:
    O Executivo – executa a liberação da propina e fica com 1/3;
    O Legislativo – legaliza a liberação da imoralidade e tb fica com 1/3; e
    finalmente o Judiciário – deixa comigo que por aqui ninguém vai preso, sabemos o caminho tortuoso para filigramar a Lei, e fica com o saldo.

  • Paulo da Nobrega

    Prezado Ricardo,

    Inicialmente quero parabenizá-lo pela brilhante crítica.
    Que ela sirva para abrir os olhos dos senhores do Tribunal de Justiça sobre uma realidade:
    Não é só o processo taturana que está atrasado. Não é só esta tartaruga que se perde diariamente ali.
    E olhe que neste caso vc e a sociedade estão atentos.
    Agora, imagine os homens simples, sem proteção, sem influencia, que todos os dias imploram por justiça naquela vara e suas vozes sequer são levadas em conta ou mesmo ouvidas.
    A oportunidade criada por vc não pode ser desprezada. É o momento de se apelar para a sensibilidade e responsabilidade dos desembargadores para com a população.
    É hora de rever a vara.
    Se possível, remover o juiz para uma que exija menos trabalho.
    A situação é tão grave que o próprio Tribunal já designou um juiz auxiliar para a vara, mas mesmo assim não resolveu o problema.
    O vício de não decidir permanece.
    A população não pode mais ficar a merce dessa inércia.

  • Josias Acreano

    Ricardo……botando pressão no Dr. Gustavo né!!! rsrs Ele é uma pessoa boníssima, e um dos poucos juízes sérios e competentes do TJ-AL.Fui seu aluno numa especialização e todos atestavam isso ipsis literis. Talvez o problema seja a bomba que o caso representa.
    Por outro lado, faltou vc dizer um dos principais motivos na demora toda dos juízes estaduais julgarem a contento as demandas judiciais Ricardo: muitos simplesmente não sabem!!! Como entraram pela janela, simplesmente não sabem descer a pena de maneira coerente e juridicamente correta, fugindo estes até mesmo de darem uma simples entrevista. Muitos juízes rezam para a coisa ir pro júri popular, pois assim eles se livram da “dificuldade” de fazerem a aplicação da pena segundo seus princípios corretos, como determina o art. 59 e seguintes do nosso CP.
    A coisa é por aí Ricardo!!!!

  • DEVIS KLINGER

    não é bem assim…MUITOS TRABALHAM…99,9%

  • Joana Bezerra

    Advogar no Brasil é difícil, mas em Alagoas é tortuoso. Se cada juiz trabalhasse os 05 dias da semana como qualquer mortal, os mutirões não seriam necessários. O pior de tudo é que, aqueles que vc mais ouve e ver discursar em favor disso, pode ir atrás, é só discurso. Até alguns em quem eu tinha uma certa esperança, cuidaram de destrui-la no convívio diário. Aproveitam para se valer da pouca quantidade. Conheço juízes que viajam sempre durante o período de trabalho e ninguém tá nem aí. Não tem fiscalização, não tem ninguém que tenha coragem de denunciar. Infelizmente, eu sou a primeira, pois senão teria que transferir minha OAB para outro Estado.

  • Ronaldo Cardoso de Azevedo

    Redudante falar do acerto e da inteligência com que foi construída a crítica.
    Basta lê-la.
    Mas a grande virtude da matéria não está na inteligência de sua construção, mas na coragem de expor uma realidade que o Tribunal insiste em pôr embaixo do tapete.
    Qualquer pessoa que tem um processo naquela vara sabe, e sente, exatamente o que vc disse.
    No atual estágio da sociedade comportamentos como esse não podem ser mais admitidos. O Juiz deve absoluto respeito à sociedade e aos jurisdicionados. E dele, que tão caro custa a sociedade, espera-se tão pouco. Apenas atenção àqueles três predicados citados pelo presidente do TRF.
    A OAB, as instituições, a sociedade civil organizada, os movimentos, têm que perder o medo e exigir mudanças.
    Já que nossos representantes são reféns da vara, a própria sociedade é que terá que sair em sua autodefesa antes que seja tarde e a prática vire lugar comum.

  • Mauro Luiz Aguiar

    Remoção compulsória da vara. Sem mais rodeios, esta é a única medida que poderá resultar em efeitos concretos.
    E para que não se premie a inércia, que a remoção seja para uma comarca do interior.
    Até as pedras do foro sabem dos problemas com andamentos de processo na vara.
    Simplesmente não se julga e ninguém toma providências.

  • Alberto King Costa

    Ricardo, bom dia!
    Seu texto contribuiu, no mínimo, para que o assunto fosse pautado. Inegável que o TJ e todo Judiciário alagoano conhece a preguiça de um dos magistrados mais prestigiado internamente. Não se sabe porque.
    Porém, temos que fazer justiça a grande maioria dos magistrados alagoanos, que trabalham diuturnamente na busca de uma célere e boa prestação jurisdicional. Sou testemunha viva, opero o Direito no dia a dia. Parabéns.

  • jobson

    Os que entraram pela janela não tem competência para o trabalho, é ai que sobrecarrega os competentes, como é uma casa de parentes,amigos e influentes então fica como estar.

  • Paulo Lima

    Tenho um processo da 11ª Vara Cível da capital que está em julgamento há mais de 10 anos. Pra piorar as ação ficam sob responsabilidade de assesssores despreparados e apadrinhados. Dá a impressão de que se “segura” a ação deliberadamente e não se faz o processo andar, muitas vezes nem dando acesso a falar com o juiz. Já cheguei até a ouvir naquela Vara que “na mão do juiz o processo pode ficar de uma semana a um ano”. É brincadeira?! Olho na escolha dos assessores Excelências!!E a Corregedoria, por sua vez, deveria punir exemplarmente os juízes que não cumprem seus prazos, ainda que impróprios.

  • marcia gabriela tavares

    TENHO UM PROCESSO QUE ESTA A QUASE DOIS ANOS PARA SER JULGADO A APELAÇAO MAIS ELE ESTA ESQUECIDO;TALVEZ SE EU FOSSE UMA PESSOA DESONESTA JA TERIA SIDO JULGADO MAS COMO PRECISO DO IMOVEL PARA MORAR TENHO QUE ESPERAR E FICAR PAGANDO ALUGUEL ESTA E A NOSSA JUSTIÇA.LERDA COMO UMA LESMA PORQUE TARTARUGA GANHAESTA CORRIDA.