Por determinação do procurador-geral de Justiça, Eduardo Tavares Mendes, o Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado – Gecoc – vai investigar o assassinato de moradores de rua em Maceió. Ele atendeu ao pedido do secretário Pedro Monetenegro, da Cidadania, Direitos Humanos e Segurança Comunitária, com quem se reuniu hoje pela manhã. Também esteve presente ao encontro o secretário de Asistência Social do Município, Francisco Araújo.

Para Montenegro há indícios de que o crime organizado pode estar por trás das nove mortes de moradores de rua acontecidas na capital desde fevereiro deste ano. Os crimes em série apresentam requintes de crueldade. É possível que haja uma relação direta com o tráfico de drogas, que, ao contrário do que muita pensa, não é controlado por moradores da periferia.

Prisão? 

Há uma grande expectativa de que a delegada Ana Luísa Nogueira, que preside o inquérito sobre o escândalo do desvio dos donativos no Corpo de Bombeiros, venha a pedir a prisão preventiva dos dois oficiais acusados. 

Como eles são um capitão e um tenente, esta é a avaliação, poderiam atrapalhar as investigações internas.

Folha de São Paulo: pesquisa do PMDB diz que Lula apoia em Alagoas Collor, Lessa e Vilela - pela ordem
Além de R$ 9 mil de Verba, cada vereador vai ganhar 1.300 litros de combustível/mês - e ainda tem mais
  • Arlindo José de Lira

    Letras de músicas de Bezerra da Silva nos dão a noção exata de onde são os grandes traficantes, os grandes ladrões, os grandes assassinos aqui em Maceió. A Polícia não precisa subir aos bairros mais altos da cidade, os bandidos estão aqui na Ponta Verde, morando em riquíssimos prédios da orla maravilhosa e saem muito nas colunas sociais dos jornais, sites e tv”s. Quê hipocrisia procurar na periferia quando eles estão à vista de todos bebendo nas barracas da praia de Ponta Verde.

  • CONCIENTE

    Tenho conciência q esses não são policiais, e sim bandidos transvestidos de PMs. Se for investigar mais a fundo vai descobrir poudres q até o cão duvida.

  • Eu acho é tome

    Quanto aos grupos de extermínio, se o MP de Alagoas não investigou suficientemente os indiciados na CPI, certamente a sensação de impunidade terminou incentivando a prática desses criminosos. Depois de matarem moradores de rua, eles se sentirão muito à vontade para assassinar e perseguir as pessoas “de bem”.

    Arlindo, concordo com você! Não adianta prender os pé rapados, se alguns filhinhos de papai da Ponta Verde (e seus papaizinhos “superprotetores”) continuarem a financiar o tráfico de drogas.