A Ordem dos Advogados do Brasil vai formalizar, hoje, o pedido para que o Conselho Nacional de Justiça venha a Alagoas. Objetivo: investigar três denúncias importantes. São elas: 

-A suposta venda se sentenças por magistrados alagoanos;

-As denúncias contidas na Operação Muleta, sobre fraudes no DPVAT – o seguro obrigatório de veículos – em Arapiraca, principalmente, que envolveria juízes;

-A atuação da 17ª Vara Criminal da Capital, que tem sido alvo de vários advogados, que reclamam que não teriam acesso aos processos contra os seus clientes.

CNJ já vem 

Mas, independentemente da solicitação da OAB, representantes do CNJ devem chegar a Alagoas até o final do mês – a data inicial, ainda não confirmada, seria o próximo dia 26, segunda-feira. 

Mas, a visita, afirmou um desembargador com quem conversei hoje pela manhã, seria de rotina. Ou melhor: os integrantes do Conselho viriam fazer avaliar os resultados da inspeção feita no ano passado, quando houve, inclusive, várias audiências públicas.

O pedido apresentado pela Ordem pode dar uma nova missão ao CNJ, que já vem acompanhando a investigação sobre o DPVAT e as denúncias do suposto esquema de venda de sentenças no Judiciário alagoano.

Continua

Mesmo com o depoimento prestado por Flávio Baltar Maia, o Bozó, o processo administrativo no TJ tem prosseguimento normal. O relator, inclusive, já foi escolhido: o desembargador José Carlos Malta, atual corregedor-geral de Justiça.

TJ julga juiz

Na sessão de hoje, o pleno do Tribunal de Justiça deve julgar um dos processos administrativos conta o juiz Carlos Remígio, de São Miguel dos Campos.

No caso a ser apreciado logo mais, o magistrado responde à acusação de tentativa de agressão à ex-esposa – dentro de uma das dependências da própria Justiça.

A expectativa é de que a punição a ele, se acontecer, não deve ser das mais radicais – ele ainda reponde a outros dois processos considerados mais graves: atropelamento de um motociclista e agressão à namorada dele (chegou a ser preso por determinação da presidenta do TJ, Elisabeth Carvalho Nascimento).

Corregedoria

Desde que assumiu a Corregedoria-Geral de Justiça, o desembargador José Carlos Malta já determinou a abertura de mais de 20 processos contra magistrados estaduais – só um não foi acatado pelo TJ.

DPVAT 

Nos primeiros dias de maio, ele receberá o relatório da comissão que apura as denúncias de fraude no DPVAT, em Arapiraca, principalmente.

A comissão, coordenada pelo juiz Diógenes Tenório, está na fase de elaboração do documento final com as conclusões sobre tudo que foi apurado. A expectativa dentro do TJ é de um relatório contundente, envolvendo, inclusive, integrantes do Judiciário.

Licitação de ônibus em Maceió só acontecerá depois da eleição
TJ decide hoje "suspeição" do juiz Gustavo Lima no caso dos taturanas
  • Anibal Barros de Oliveira

    Em 1996, estava na Auditoria Geral do Estado (hoje CGE), lembro que fizemos um trabalho junto ao IML, relacionado a problemas com DPVAT. É interessante a comissão ter acesso ao relatório. Lembro que pegamos depoimento de varias pessoas que relatarem coisas absurdas, até de pessoas que teve morte que não foi de acidente e no IML colocaram como sendo. ETC.. ETC. que foram lezadas por advogados e outros tipos de gente.

  • noemia

    CNJ QUEREMOS QUE NOS SOCORRA VAMOS FAZER JUSTIÇA EM PRO DO POVO ALAGOANO. A PF,OAB,TJ,TRE,MP QUEREM ACABAR COM A CORRUPSSÃO EM NOSSO ESTADO ELES TEM UMA CHANCE DE TIRA DE CIRCULAÇÃO UM DOS MAIORES CORRUPTOS DA POLITICA ALAGOANA AGORA NO DIA 22/04/2010 SERA O JULGAMENTO DO PREFEITO ELEITO PELA JUSTIÇA E DERROTADO PELA VONTADE DO POVO O CICERO CAVALCANTE VULGO CICVERRO DA CACHORRAS ELES AGORA SÓ NÃO TIRA SE NÃO QUISEREM OU SERA QUE O PODER POLITICO TEM MAIS PODER QUER A JUSTIÇA. OP JULGAMENTO PORQUER O CIÇO DAS CACHORRAS JA ESTA PERTO DE SE APOSETAR COMO PREFEITO OITO ANOS EM MATRIOS E OITO EM SÃO LUIZ.

  • OTONIEL PESSOA DE SOUSA

    o CNJ DEVIA MONTAR O PLANTÃO AQUI EM ALAGOAS PARA ACOMPANHAR TODO O TRABALHO DA JUSTIÇA ALAGOANA.

  • ROBERTO OLIVEIRA

    Intervenção neles! É muita corrupção.

  • ivone moura

    Eu só acredito vendo…se não fosse ano eleitoral talves ouvesse barulho aqui, mais agora com um ano eleitoral cheio de cachorro grande querendo morder para não ir para a cadeia ou não perder o poder em seus currais… eu não sei não… mas só acredito veeeeeeeeeeeendo!

  • kaka

    Acho que o cnj vem para autorizar a construção de um novo presidio aqui na cidade. Já tem até nome: Presidio dos Togados

  • UIRA

    R.M. GOSTARIA QUE FIZESSE UMA MATERIA SOBRE SE EXISTE POSSIBILIDADE DOS FUNCIONARIOS DO ESTADO DA EDUCAÇÃO,ADERIREM A UM NOVO PDV,POIS JA SE TORNOU INSUPORTAVEL VIVER COM RENDA INFERIOR A UM SALARIO MINIMO.SE PEGAR UM CONTRA CHEQUE DE QUALQUER FUNCIONARIO ADMINISTRATIVO E APOIO DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO,LOTADO EM QUALQUER ESCOLA O SALARIO É 540,00 BRUTO, MENOS 11% DE CONTRIBUIÇÃO QUE LHE SOBRA 486,00 PRA PAGAR ALUGUEL,AGUA,ENERGIA,COMIDA, JA FAZ DEZ ANOS COM ESSA TORMENTA, E O SINTEAL É UM PAU MANDADO,ANTRO DE POLITIQUEIRO E OS GOVERNANTES NÃO TÃO NEM AI.POR FAVOR DÊR-NOS O DIREITO DE ESCOLHER ENTRE FICAR NESSA TORTURA OU ADERIR A UM NOVO PDV.

  • Reginaldo santos

    E o concurso de Maribondo? O prefeitO Zé Marcio ao invés de convocar os professores, contrata-os e nao cumpre o que diz o concurso que ele mesmo realizou., E o pior está devendo há 3 meses!!! E o Ministerio Publico e o juiz????! CNJ NELES!!!

  • Catia Maria–FUNCIONARIA

    O Prefeito Zé marcio está querendo ficar o dinheiro do nosso FGTS, busca de toda forma não individualizar para não nos pagar! Cadê a justiça? CNJ NELES!!!!

  • edy

    Se caso vierem mesmo, manda dá uma passadinha em Marechal Deodoro!!

  • alencar borges menezes

    Toda punição deve ser aplicada em consonância com o delito e todo delito deve ser qualificado em consonância com seu grau de malignidade e do agente que o praticou. O homem público, em qualquer esfera de poder, corrupto, deve ser apenado com a severidade devida, mas, se o agente for magistrado, representante e aplicador da justiça, a pena, inevitavelmente, deve ser maior. O Poder Judiciário é o bastião da sociedade e sob esse aspecto é maior que o Executivo e o Legislativo. O magistrado que vende sentença deve ser banido da vida pública “ad aeternum”, sem direito algum.

  • Roberto

    FICO PENSANDO SE NÃO FOSSE A OAB COMO ESSAS COISAS ESTARIAM SENDO TRATADAS, JÁ QUE BOZO NUNCA SOUBE DE NADA E NADA FEZ.