O ministro Gilmar Mendes, presidente do Conselho Nacional de Justiça – e também do STF -, já recebeu o relatório preliminar da comissão de magistrados que investiga as fraudes no DPVAT, em Arapiraca e São Sebastião, inicialmente.

O documento foi entregue pela presidenta do Tribunal de Justiça, Elisabeth Carvalho do Nascimento, de forma reservada. A apuração prossegue hoje com o interrogatório de várias pessoas que teriam sido lesadas pelo esquema fraudulento, que contaria com a participação de integrantes do Judiciário alagoano. 

Há casos, por exemplo, de pessoas que foram vítimas do esquema desvendado pela Operação Muleta, da Polícia Civil – tiveram seus nomes usados em processos, posteriormente quitados, sem que recebessem a indenização a que tinham direito. 

Outro ponto que chamou a atenção dos magistrados foi o fato de que boa parte das ações tiveram origem fora da comarca em que tramitaram, o que não é normal.

Juiz manda Estado contratar, "de imediato", aprovados no concurso da UNEAL
O Rei Negro e a Rainha do Iê Iê Iê
  • Hagá

    Essa investigação deve ser aprofundada. Naturalmente, com respeito e discrição, para evitar injustiça contra os acusados.

  • DE OLHO

    GILMAR MENDES NÃO ESTÁ NEM AIR COM O QUE ACONTECE EM ALAGOAS. VEJA UM EXEMPLO; CADER O PEDIDO, DE INTERVENÇÃO NA ALE.

  • De olho

    Num tô intendendo mais nada. o CNJ num quer uma justiça célere. o 1º Juízado é um exemplo de celeridade a se copiada pelas outros outros. kkkkkkkkkkk

  • Analista Judidiciário indignado

    Enquanto isso os servidores que relamente trabalham e são pessoas honestas, vevem em estado de miséria salarial, falta de plano de saúde, e sem nenhuma esperança de melhoria e um sindicato subserviente!