Dirigentes e representantes de 34 empresas comerciais e prestadoras de serviço se reuniram hoje pela manhã para acionar, conjuntamente, a Construtora Everest e, em conseqüência, o grupo Wall Mart.

As empresas se queixam de um calote que já supera R$ 2,2 milhões. Desde o mês de julho deixaram de receber o pagamento dos materiais de construção fornecidos e dos serviços prestados à empreiteira na construção de um Supermercado – Maxxi, do poderoso Wall Mart.

A Everest, segundo explicou o advogado Marcos Lacet, que representa as empresas alagoanas, foi contratada pelo importante e poderoso grupo empresarial para a construção de uma unidade localizada no Tabuleiro do Martins. Os trabalhos foram iniciados em abril, mas, menos de três meses depois, os problemas começaram.

Na longa reunião de hoje de manhã, eles decidiram registrar um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Plantão. O passo seguinte é a atuação conjunta na Justiça, disse o advogado Marcos Lacet. Ele entende que o Grupo Wall Mart deve responder “solidariamente” pela dívida para com os fornecedores.

Segundo Lacet, isso já aconteceu em Arapiraca com o mesmo grupo e pelo mesmo problema. Mas tudo foi resolvido.

Entre os credores, agora, estão empresas de porte como a Carajás, o Grupo Gerdau, a Paragominas e tantas outras bastante conhecidas no mercado local.

Collor propõe Ada Mello para vice de Lessa
Ricardo Valença não é mais secretário de Educação de Maceió
Atualmente não há comentários.