O secretário de Infra-Estrutura do Estado, Marcos Fireman, disse ao blog que não sabe explicar porque o nome da empresa do qual é sócio – a Fireman & Peixoto – foi convocada pelo Tesouro Estadual via Diário Oficial, na semana passada. Por telefone, ele manifestou “surpresa” com o motivo apresentado na publicação – a empresa foi considerada em endereço incerto e não sabido (conforme nota publicada aqui no Tudo na Hora). -Estamos há onze anos no mesmo endereço e com o mesmo telefone comercial. Apesar de estar oficialmente afastado da administração, pelo cargo público que ocupo, sei que a empresa está em dia com suas obrigações com o Tesouro Estadual. Continuo sócio da Fireman & Peixoto e todos sabem onde me encontrar. Ele afirmou que pretende publicar nota oficial explicando a situação que o deixou “constrangido.” Marco Fireman passou toda a semana passada em viagem de trabalho, só retornando a Maceió no final de semana.

Violência pode crescer com "aquartelamento branco" na PM
FPE de março cai 11,56% - Estado recebeu R$ 13 milhões a menos do que em 2008
  • Ricardo

    Essa coisa de afastado todos sabem que é balela, é só no papel é claro. Agora um secretário de estado está sendo procurado oficialmente pelo próprio estado, pra acertar suas contas com a fazenda estadual, é brincadeira, só em Alagoas mesmo, isso é que é governo sério.

  • marcelo

    A conversinha é essa!

  • bmw

    homem de bem.serio.

  • Eduardo

    Na formação de seu secretariado, o presidente Obama teve que desistir dedois nomes por esta devendo imposto ao tesouro americano. Aqui é capaz de ganhar isenção da dívida. Pobre Alagoas…

  • Tito

    Caros, boa noite. Quero compartilhar com vocês o relato de um morador da cidade de Cajueiro, Estado de Alagoas, que tem seu filho estudando na rede municipal de ensino. Trata-se de trabalhador rural de pouca instrução, que se sente impotente em combater os demandos cometidos nessa cidade.

  • Tito

    falta de medicamentos nos postos de saúde; e assistência social deficiente. Diante do exposto, acredito que a situação não seja rara no quadro de municípios alagoanos, nos quais a população carente é totalmente desprezada pelo poder público.

  • Tito

    Registro aqui minha indignação e convoco às instituições fiscalizadoras a averiguação da situação, especialmente, no município de Cajueiro, pois é inadmissível o quadro relatado.

  • Neto

    Tem um ditado que diz: Quando a gente quer, acha.

  • ITAMAR DE OLIVEIRA SIMOES

    Conheço muito bem o quanto é digno o sócio do Sr. Marcos,com certeza ele näo compactua com falcatruas,deve haver algum engano.