O governador Teotônio Vilela sancionou os dois projetos que objetivam destinar mais recursos para a Secretaria de Defesa Social em 2009 – aqueles que criaram o Fundo Especial de Segurança Pública e o ICMS Segurança. No primeiro caso, os recursos que sairão dos cofres do Detran  – R$ 700 mil, pelo menos, no próximo ano –,  serão administrados pelo Conselho Estadual de Segurança, que vai decidir que projetos serão prioritários. É possível que a Fazenda Estadual dê início ao Fundo com uma importante injeção inicial de recursos – o que ainda vai ser decidido pelo governador Téo Vilela. O ICMS Segurança, por sua vez, destinará algo em torno deR$ 20 milhões para as prefeituras de todo o Estado – sempre em projetos voltados à prevenção e ao combate à violência.  São duas novas fontes de renda para a Defesa Social, mas ainda não são o suficiente para as necessidades da pasta. As duas polícias precisam aumentar seus efetivos e qualificar seus quadros, principalmente no trabalho de inteligência, fundamental para a prevenção à crescente criminalidade. O delegado Paulo Rubim está no limite das suas possibilidades e já caminha celeremente para um desgaste no cargo. Tem sido alvo constante de críticas de parlamentares, imprensa, e vários outros setores – e isso já chega ao cidadão comum, em função da violência generalizada.  O secretário de Defesa Social sabe que sempre foi um incômodo para os setores ligados ao crime organizado em Alagoas, que se aproveitam do momento delicado para investir contra ele e sua equipe. A Segurança Pública hoje – considerando-se todas as ações preventivas nas áreas de Educação, Cultura e Esporte para a juventude, principalmente – deve se tornar a prioridade zero do governo do Estado.

Justiça bloqueia contas das prefeituras de Marechal e Barra de São Miguel
Polícia já trabalha com um nome suspeito no crime de Satuba
  • Crise Hoje

    Infelizmente, Ricardo, o ICMS Segurança é inconstitucional. Gritantemente. Imposto nenhum pode ser antecipadamente vinculado a fins, por mais nobres que sejam. Essa matéria deveria ter sido resolvida na lei orçamentária.

  • Crise Hoje

    Outra coisa: Rubim é um homem sério e competente. Não é Deus. É fogo trabalhar sem estrutura. Se há desgaste, é porque há setores que querem desgastá-lo. Nenhum homem de bem pode ser crítico do trabalho dele e da sua equipe.

  • Reinaldo

    Ñ conheso o Dr Rubim, mais acho que se ñ tiver recursos ñ adianta, ñ se faz milagres, com o pouco q tem esta incomodando imaginen os senhores se o Dr Rubim tiver recursos, derem condições ao homem e deixe o homem trabalhar???????????

  • Maria

    Se realmente esse dinheiro for usado devidamente para a segurança, acredito que irá melhorar muito, porém tem que mudar o secretário (que tem que ser alagoano) e o desastroso comando da PMAL.

  • Cb José

    Concordo com voçê Maria, o secretário tem que conecer tudo nos mínimos detalhes e nada mais correto que seja daqui. E o comando da PMAL também, que só pensam em leis de promoção, lógico depois que o comandante e o sub foram escolhidos pelo dedo do Téo Vilela.

  • Valdemir

    Paulo Rubim é um homem de inteligência e tem um histórico que deve ser bem respeitado. Não podemos acreditar nestes deputados que o criticam, pois o Secretário vem, na sua discrição, desenvolvendo ações que certamente incomodam o crime organizado que é financiado por deputados.

  • Rodrigues

    O Dr. Paulo Rubim está realizando um belo trabalho frente a Segurança pública, mas não pode fazer milagres, quando os recursos chegarem aí veremos os resultados.

  • Rodrigues

    Nesse estado de Alagoas, quando apenas ladrões pé-de-chinelos são presos, aí a segurança está funcionando, agora quando vemos pessoas importantes sendo presas, incomuda a elite e a certos segmentos da imprensa finaciados pela roubalheira

  • Crise Hoje

    Ricardo, faltou dizer uma coisa: espero que esse dinheiro novo não seja para folha de pessoal. Seria um absurdo! A segurança precisa é de estrutura e equipamentos.

  • RICARDO

    Quem conhece um pouco de gestão e administração sabe que não necessariamente o secretário tem que ser alagoano. Quem defende essa tese é porque sempre viveu de favores e na ilegalidade e agora está muito incomodado com a atuação isenta do Dr. Rubim, um homem de bem.

  • Alberto Limeira

    A gente observa claramente que as pessoas que fazem os comentários são pessoas ligadas a cúpula da segurança, pois a violência cada dia mais aumentando: assaltos, homicídios e tráfico de drogas. I

  • joão

    Concordo com as palavras de Alberto Limeira,são todos farinha do mesmo saco e puxadores do mesmo saco, e sinceramente digo honestamente nunca se matou tanto em Alagoas….

  • João Paulo

    Rubim não leve em consideração essas críticas fabricadas… a sociedade alagoana confia e adimira seu trabalho. Continue no comando da pasta, nóis agradecemos e os políticos assasinos lamentam….

  • marcelo

    Todos (TODOS) os Deputados que fizeram críticas ao secretário Rubim, não tem moral de fazê-las, pois tem um históricos de desvio de conduta.

  • machado II

    a coisa está mudando e isso incomoda aos poderosos – principalmente aos marginais. Uma parte da imprensa ainda não se desvinculou desses “poderosos” e fazem campanha contra, não são jornalistas, são oportunistas, bajuladores, sem compromisso com a profissão, tão digna

  • machado III

    e que você tanto honra, principalmente com sua isenção. Esse negócio de dizer que o Secretario tem que ser daqui é provincianismo ou alguma manobra interesseira. Nosso país é o BRASIL e o secretário é brasileiro. Qual o erro? Uma Constituição só para Alagoas. Acorde!!!Vote correto.

  • Sylvio De Bonis Almeida Simões

    O Governador do Estado poderia aproveitar a esperança de um tempo novo, que se inícia amanhã, e trocar a cúpula da segurança pública, que ainda não mostrou à sociedade a que veio.

  • Geralda

    Ricardo, por favor voce é a única pessoas sincera e dígna que diz a verdade no Estado. Procure saber que o inquérito da delegada e dos advogados terminou. Procure saber e divulgue por favor. Pois essas pessoas estão pagando sem ter feito nada e a imprensa sa divulga na hora da acusação.