Há dois meses que a Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Hélvio Auto – que trata pacientes de doenças infecciosas – está fechada por falta de médicos. Segundo a direção do hospital, só há hoje três intensivistas prestando serviço naquela unidade, número insuficiente para manter a UTI funcionando durante 24 horas – como deve acontecer. Pior, não há profissionais disponíveis no Estado para completar o quadro necessário – mais quatro médicos. A UTI passou por problemas técnicos há mais de 60 dias, mas estes foram sanados.

Permanece, porém, a situação mais grave: a a falta de médicos especialistas. A diretora do Hélvio Auto, Luciana Pacheco explicou ao blog que no caso dos pacientes que passam pelo hospital, a dificuldade de se conseguir vagas nas UTIs existentes na cidade são ainda maiores. "São pacientes que estão em tratamento de doenças que são transmissíveis, exigindo um cuidado especial. Então, a direção dos hospitais privados tendem negar o atendimento, evitando um risco maior para os seus próprios pacientes".

Na quinta-feira da semana passada, uma criança vinda do interior com sintomas de dengue foi salva graças ao empenho pessoal dos médidoc que a atenderam. Ela é, também, diabética, e apresentou complicações que quase a levaram à morte. Com a UTI do Hélvio Auto fechada, eles se envolveram em uma maratona para conseguir uma vaga numa unidade pediátrica em Maceió. Conseguiram, graças às relações pessoias e profissionais, na Santa Casa de Misericórdia. A criança sobreviveu.

Luna diz que PF vai fazer operação contra pedófilos em Alagoas
Coronel Damo Sena assume nesta quarta comando da PM
  • João

    Não há médicos porque não há bons salários para eles. Se o Estado não tivesse tantos comissionados que nada fazem e usasse o dinheiro que gasta com esses apadrinhados para pagar bem aos médicos, a realidade poderia ser outra e a população lucraria com isso.

  • Avelar

    Isto é fruto do “descaso e desrespeito ao ser humano”. No dia que ocorrer uma tragédia com um “grandola” que precise do Hélvio Auto com UTI, então tomar-se-á as devidas providências.

  • APARECIDA

    O QUE ACONTECE É QUE OS MÉDICOS NÃO CUMPREM A CARGA HORÁRIA DETERMINADA NO CONCURSO PÚBLICO. DEVERIAM TRABALHAR 24H, MAS SÓ QUEREM TRABALHAR 18H. ISTO OCORRE EM TODA UNCISAL.

  • ALINE

    ISTO É UM DESCASO. OS MÉDICOS SÓ PENSAM EM CIFRÃO. SE FOSSE EM HOSPITAL PARTICULAR ELES TRABALHARIAM SEM RECLAMAR

  • Ricardo Fonseca

    O que ocorre é que esta UTI foi colocada em funcionamento às pressas, apenas para atender aos interesses do REItor da Uncisal. Pressionado pelo governo do Estado, ele tomou essa medida irresponsável, de colocar em funcionamento uma UTI sem condições adequadas.