O inusitado encontro está sendo, ainda, tratado como segredo absoluto. Ontem, pela primeira vez desde que tomou posse, o governador Teó Vilela recebeu a visita do senador Fernando Collor, no Palácio República dos Palmares. Foi uma conversa de mais de uma hora, sem testemunhas, no Gabinete do governador. Nem Euclides Mello, que acompanhou o senador – e solicitou a inesperada audiência -, pôde participar do encontro. O que os dois conversaram? Por enquanto ninguém quer falar nada. Euclides Mello, ouvido pelo blog, disse que nada ouviu, nem viu. O secretário Álvaro Machado, do Gabinete Civil? Não teve, desde então, oportunidade de conversar com o governador – que viajou às pressas, depois da conversa, para São Paulo (o encontro demorou mais do que o previsto. A viagem, ressalte-se, já estava programada). Claro, quem procura quer ajuda ou propor acordo – esta é a regra em política. O encontro pode ter relação com as eleições de Rio Largo – onde disputa o filho de Collor – e Marechal, onde Euclides é o candidato do senador. 

O histórico entre Vilela e Collor não é dos melhores. Os dois praticamente nunca se falam, e o ex-presidente é sempre muito crítico em relação a Vilela, seja qual for o posto que o governador ocupe. O "Teozinho", como se refere a ele ironicamente o senador, está longe de ser um aliado potencial de Collor.

Operação Tamaron prende delegado Cícero Torres
Governador assina promoção de Dalmo Sena a coronel
  • matuto doido

    DEVE SER PARA O ENGRANDECIMENTO DE ALAGOAS… E OS RESTANTES? NAVALHA ,TATURANA,GABIRÚ,REI DO GADO,GUATAMA. TANTA OPERAÇÃO E NÃO DA EM NADA, CONTINUAM MANDANDO. É PARA DIVIZÃO DOS LOTES POLÍTICOS. VENDA VOTO OU TROQUE POR FOLHA 108, SÓ DÁ ISSO.

  • Guilherme

    Da vontade de chorar……., mas uma vez perdemos o bonde da esperança.Encontros como este nos deixam a sensação que tudo esta como antes no castelo de Alagoas.Pobre Alagoas!!!!

  • Frederico Farias

    Como se tratam de duas raposas, eu recorro a Guiseppe Tomasi di Lampedusa, em IL GATTOPARDO:”é preciso que alguma coisa mude para que tudo fique na mesma”. Trata-se da velha e conhecida manha dos políticos – sobretudo os brasileiros -, políticos sabida e consabidamente corsários.

  • M Almeida

    Amo meu Estado: aqui político manda matar o outro pra fazer o bem ao povo sozinho, as raposas convivem com ratos e o povo tem tanta fé em Deus, que deve estar esperando a morte pra viver melhor lá no céu… Acordem, seus bananas!!! Mudem tudo com a força do voto!!!

  • eleitor decepcionado

    M.Almeida,sua frase: “…morte pra viver melhor lá no céu…,me fez lembrar uma frase viculada na TV nas eleição pp, para Governador em Alagoas: “uma mãe falou a um dos candidatos q seu filho havia dito q queria morrer pois lá no céu havia muita comida…”

  • Jarbas Agostinho dos Santos

    Ricardo Mota, gostaria que você fizesse comentário sobre nepotismo, quem pode ou não ser contratado (nomeado)