CRB: uma grande atuação, a vitória insuficiente para o resultado pretendido e o respeito que fica como legado
Sebrae promove a “2ª edição do Fórum de Negócios Novas Fronteiras” nesta terça-feira

 

Apesar do aparente compromisso com o governo petista, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), na prática tem tido tratamento de oposicionista.

É que suas emendas orçamentárias, prerrogativa de todos os parlamentares, continuam à espera de liberação do Palácio do Planalto, tanto quanto as demais emendas de deputados da oposição.

Para observadores, o presidente Lula (PT) está aguardando que o presidente da Câmara lhe peça para liberar as suas emendas e a partir daí estabelecer a regra da contrapartida, na base do “é dando que se recebe”.

No meio dessas eventuais tratativas ainda tem a questão da definição do sucessor na presidência da Casa, que Lira articula mas o governo faz questão de também participar das negociações, visando um eventual controle do Legislativo.

É mais capítulo na relação de permanente desconfiança entre Arthur Lira e Lula, pelo fato de o presidente da Câmara dos Deputados ter sido aliado e personagem de proa na campanha frustrada de reeleição de Jair Bolsonaro.

Outro indicativo da tensão nesse relacionamento: o PP, partido de Arthur Lira, entrou com ação no Supremo Tribunal Federal contra uma medida provisória do governo que altera regras de dedução do PIS/Cofins  – a intenção do governo com a MP é compensar a perda de receita com a desoneração da folha de pagamento de 17 setores, inclusive agronegócio e exportações.

Atualmente não há comentários.