"Dois pesos, duas medidas": por saúde o STF mandou políticos para casa, mas não réu doente do 8/1
Rodrigo Cunha justifica voto a favor das limitações de atos do STF: "Equilibra o sistema democrático"

Moradores das praias de Guaxuma, Riacho Doce e Garça Torta, no Litoral Norte de Maceió, criaram o movimento Observatório Ambiental, reunindo grupos, coletivos e associações, visando defender a região da especulação imobiliária.

No último final de semana alguns deles distribuíram panfletos com condutores de veículos que transitavam na AL-101 Norte, principal via de acesso a essas localidades, alertando para a implantação de prédios residenciais.

“Maceió cresce. As construções estão cada vez mais próximas no litoral Norte da cidade e esta parte da capital alagoana tornou-se ‘sonho de consumo’ de muita gente, sendo vista como nova área de ocupação e expansão. Mas a que custo?”, diz o texto distribuído, logo na sua abertura.

E prossegue, questionando?

“Sendo esse um dos espaços mais bonitos de Maceió – e esquecido pelos governantes – cabe perguntar: essa nova Guaxuma, essa nova Garça Torta, esse novo Riacho Doce que eles planejam, nos inclui? E que Garça, em que Riacho a população quer ver ou viver?”

Sobre as edificações planejadas, segue o alerta:

“Em projetos desrespeitosos com a natureza e as pessoas, muitas empreiteiras desejam construir aqui espigões à beira-mar, querem apenas lucrar com a beleza existente, expulsando aos poucos os habitantes do lugar e descaracterizando o espaço.”

O panfleto, que tem outras considerações em seu texto, é subscrito pelas entidades e movimentos Abrace a Garça, Limpeza de Praia Beija Flor, Associação de Moradores de Guaxuma, Capoeira Lua de São Jorge, Guerreiros dos Oceanos Mangue Vive, Casa de Arte Edna Constant, CUFA da Pescaria, Comerciantes da Praia da Sereia e Ipioca Praia Limpa.

 

Atualmente não há comentários.