CRB manda recado para Série B: ‘estamos na briga’ – Blog do Marlon
O Renascimento Tático: O Papel dos Volantes na Reviravolta do CRB com Daniel Paulista
Gols, Assistências e Performance : A Magia de Anselmo Ramon e Renato no CRB

 

 

A vitória do CRB sobre o Vila Nova em Goiânia apresentou vários aspectos importantes. Entre eles, o fato de chegar aos sete jogos de invencibilidade ( sendo 4 vitórias e 3 empates), chegar de forma mais consistente no G10 da tabela de classificação e principalmente conseguir diminuir a diferença para o G4 da Série B.

A diferença que já foi de 12 pontos caiu para apenas cinco. Além da diminuição da diferença de pontos, o CRB também conseguiu diminuir a quantidade de equipes que estão a sua frente . Durante algumas rodadas, o CRB tinha sete equipes e agora o número foi reduzido para cinco.

Apesar de todos os números favoráveis, a situação do CRB ainda é difícil e a cada passo de aproximação do G4, o caminho ficará mais difícil. Isso é explicado de maneira muito simples: ao chegar a zona de classificação para a Série A, o desempenho precisará ser ainda superior para se manter entre os melhores.

Mas o CRB e principalmente o seu torcedor não pode sofrer por antecedência. Também não deveria transformar esta expectativa de entrar na briga como uma pressão .

Com jogadores experientes em acesso, o CRB precisará estar leve nesta briga, levando em consideração que os resultados sigam acontecendo. A luta a ser travada pelo CRB é preciso ser avaliada de rodada em rodada. E com um detalhe primordial: o CRB precisará estar no G4 na 38ª rodada da Série B.

O jogo tático

Equilíbrio foi a palavra que definiu o primeiro tempo de Vila Nova e CRB. Times com posse de bola praticamente idênticas, iguais na quantidade de finalizações (cinco para cada), apenas uma finalização certa para cada um e o CRB discutindo o jogo e tendo a posse no campo do adversário.

No entanto logo aos dois minutos, o Igor Henrique acertou um tostão na coxa do Anselmo Ramon, que ficou minado e já aos 26 minutos, pediu substituição. O jogo tinha uma disputa muito interessante e Falcão e Lucas Lima ganhavam os duelos no corredor central. O CRB também acionava muito o Léo Pereira em busca de cruzamentos.

O segundo tempo começou com o Vila Nova tentando decidir o jogo. O técnico Marquinhos Santos promoveu uma mudança de peça, uma mudança tática e com o time apresentando uma nova atitude. Juan Cristian foi a peça que veio para o jogo buscando causar um desequilíbrio. Extremo muito rápido e com apenas 22 anos. Também deixou o Igor Henrique como camisa 10, dando mais peso a área, pois também tinha um jogador com mais estatura junto com Caio Dantas. Com dez minutos, o Vila já havia montado uma blitz. Juan com 22 anos vencia os duelos com Edimar que tem 37 e o Vila só parou graças ao grande jogo que Diogo Silva fez.

O primeiro grande milagre veio após após Juan vencer a marcação regatiana, ir ao fundo e cruzar para a área, Diogo Silva fez uma defesa parcial, Igor Henrique pegou a bola próximo da marca penal, Diogo cresceu e evitou o gol.

Daniel Paulista tirou a carta na manga quando trouxe Bruno Silva, Longuine e Auremir. O time ficou modelado para aproveitar os espaços dados pelo Vila em virtude de necessidade de vencer o jogo. E isso aconteceu aos 45 minutos. Longuine acionou Romulo, que devolveu a bola e o camisa 10 do CRB acionou Bruno Silva, que gira e solta a perna, canto baixo esquerdo de Denis Junior e o CRB chegava ao gol que lhe garantiria a vitória.

 

 

Atualmente não há comentários.