Ingratidão, uma pitada de falta de entendimento e um clube que desconsidera até seu slogan – Blog do Marlon
Clássico não empolga e o 0x0 foi apenas constatação do quanto precisa evoluir ofensivamente CSA e CRB
CSA compete com o Vasco mas perde o jogo em erros de tomada de decisão

Rafael Tenório: personagem de históricas vitórias no clube, vive momento de magoa com o CSA

Novamente o CSA vive um momento de efervescência. Os problemas são originados a partir de ruídos envolvendo o presidente do Conselho Deliberativo, Rafael Tenório e alguns conselheiros azulinos.
Conversei com Rafael Tenório após um longo intervalo sem contato com o ex-presidente azulino e percebi uma magoa do ex-mandatário. Tenório transparece estar magoado, fala de dificuldades enfrentadas , de ingratidão e até mesmo pensa em se desligar do CSA.
Rafael não aceita a forma como é tratado, elege a ingratidão como um fator decisivo para o desgosto com o time que presidiu e cita desrespeitos, xingamentos e até agressões verbais em grupos com conselheiros.
Depreendo que Rafael Tenório merece ser considerado por tudo que fez pelo clube. Como presidente do Conselho Deliberativo é necessário ser ouvido em suas ideais, principalmente no assunto SAF, pois este será um caminho sem volta para os clubes do futebol brasileiro.
Os problemas não são apenas da parte dos conselheiros, Rafael também teve desgaste e desentendimento com o próprio presidente executivo Omar Coelho e começou a ter dificuldades no clube a partir do seu desentendimento com Raimundo Tavares.
O ex-presidente azulino sempre foi executivo, sempre mandou, sempre teve a última palavra encaminhando as tomadas de decisões. O cargo deliberativo não trás o poder de mando, a decisão única e isto é uma imensa dificuldade para quem sempre teve o poder. No deliberativo, Rafael não conseguiu fazer sequer reuniões e lhe falta articulação para lhe dar com um grupo menor mas questionador. Rafael foi eleito com a maioria do conselho e não mostrou ainda o peso e o prestigio conquistados ao longo de anos vitoriosos de administrações que tiraram o CSA da lama para ocupar um lugar de destaque no cenário nacional.
Da parte dos conselheiros vem uma impressão de perseguição com o ex-presidente e em alguns casos um desrespeito e uma clara ingratidão a um personagem do clube que apresenta muitos méritos e um trabalho marcante na história recente do clube.
Por fim as divergências, as diferenças e a magoa demonstrada por Rafael com o tratamento que recebe só atingem em cheio o CSA. O clube que deveria ter em voga o slogan ‘União e Força’ tem demonstrado um clube partido e desconsiderando uma pessoa que tão importante foi para o clube. Isto tende a piorar depois dos últimos acontecimentos e até mesmo do afastamento das obras do CT da arquiteta Bianca Tenório, filha de Rafael, e que está renunciando também ao cargo que foi eleita como conselheira do clube. Pode ser um indicativo que o pai também esteja neste caminho? É preciso ativar na memória que desentendimentos entre instâncias de poder causaram estragos consideráveis até hoje e mesmo com o que aconteceu no relacionamento entre Rafael Tenório e Raimundo Tavares, o clube não apendeu nada e voltará a ativar novas divergências com poder ainda mais destrutivos para pessoas e instâncias de poder no CSA.

Atualmente não há comentários.