Afinada, ‘Orquestra Azulina’ é regida com precisão e toca a ‘nota’ G4 como ‘grand finale’ – Blog do Marlon
A vitória da convicção sobre a desconfiança
CRB vence Avaí com futebol sólido e destacado trabalho de Roberto Fernandes

Yago (25) marca um gol e dá uma assistência na virada azulina sobre o Samapaio – Foto: Augusto Oliveira – ASCOM CSA

Expectativa foi confirmada com um grande duelo, era uma decisão e sabe-se que em uma decisão tem as nuances, as alternativas com uma equipe melhor do que a outra, depois o cenário se inverte. Com o jogo iniciado, o Sampaio começou melhor, marcando melhor e a partir do estudo de jogo, o técnico Léo Condé povoou o seu campo e com a posse de bola jogava em velocidade nas costas de Diego Renan para surpreender o momento defensivo do CSA e até os 26 minutos, o time maranhense conseguiu finalizar três vezes no alvo, sendo a principal delas aos 20 minutos, quando Geovanne não dominou bem e a bola sobrou para o Rony, que chutou a queima-roupa para Matheus Mendes fazer a defesa.

Aos 30 minutos, o Mozart tomou a decisão de trocar Pimpão e Bilu de corredores. Bilu foi para o corredor direito e Pimpão veio para o corredor esquerdo. O CSA voltou para o jogo e retomou o controle da partida. Nadson bateu de fora mas poderia ter servido Paulo Sérgio que estava sozinho. Depois foi Geovanne que cabeceou com força e o goleiro Gustavo fez a defesa e aos 42 minutos, Pimpão encontrou Norberto, que passou para Paulo Sérgio e de sem pulo, finalizou com a bola passando por cima do gol.

No comentário para o 2º tempo, falava que esperava que o CSA voltasse como ele foi no intervalo entre os 30 até os 47 minutos, envolvente, criando chances de finalizar e não permitindo que o adversário finalizasse.

Veio o segundo tempo e as equipes voltaram com as mesmas formações. Logo no começo do 2º tempo, O CSA teve a finalização de Pimpão de fora da área, mas que mostrava uma precipitação. O CSA roubava a bola, iniciava uma transição muito rápida e a tomada de decisão mostrava a precipitação da equipe.

Até que chegou ao momento do Mozart trazer para o jogo Yago e Andrigo. O Andrigo veio jogar pelo lado direito no lugar de Rafael Bilu, pois em nenhum momento do 2º tempo Pimpão saiu do lado esquerdo. Yago veio jogar com Gabriel e Geovani. Eu esperava que o Gabriel viesse jogar mais a frente, como um meia, mas foi Yago que foi empurrado um pouco mais para frente, fazendo de posse de bola , um segundo atacante ao lado do Paulo Sérgio.

Logo aos 20 minutos, Marcinho domina de fora da área, Geovanne não apertou a marcação e Marcinho soltou a perna, bola explodiu no travessão, morreu noo fundo do gol. Era uma ducha fria para o CSA. Mas o time azulino não deixou nem se ‘molhar’ com ducha fria, três minutos depois, Paaulo Sérgio sai da posição centralizada entre os zagueiros, vem buscar a bola fora da área, levanta a cabeça e dar uma assistência sensacional para Yago que faz o gesto técnico perfeito, dando força na cabeçada , a bola bate no solo , gol do CSA, empate em uma reação imediata.

O CSA voltou para o jogo sem deixar que o time da Bolívia Querida pudesse pelo menos aproveitar a vantagem construída. Logo depois do empate, Mozart ainda fez mais substituições, trazendo Pedro Lucas, Rone e Cedric. Não demorou e surge o gol da virada. Novamente Paulo Sérgio recebe na função como meia, aciona o corredor direito, Yago recebe, levanta a cabeça, cruza no lado contrário, Joazi escorrega e no que comete este erro, Rone bate de primeira e faz o gol da virada, o gol de chegar ao G4.

Azulinos comemoram gol da virada sensacional sobre o Sampaio: G4 assegurado – Foto: Augusto Oliveira – ASCOM CSA

Logo depois tem a expulsão do atacante Pimentinha e mesmo assim, o CSA abdica de ter a bola. O CSA tinha aquilo que todo o time deseja ter superioridade numérica, mas Léo Conde fez mudanças, montou uma linha de quatro, dois volantes e três atacantes, com isso jogou o time para cima. Ainda houve um lance de bola parada que Matheus Mendes fez a defesa em cima da linha, assegurando a vitória do CSA.

Destaque para a participação do artilheiro, Paulo Sérgio, que qualificou o jogo. Foi escolhido como garçom. Foi o maestro que regeu a orquestra azulina. Fora de campo, o treinador Mozart cada dia mostra o seu talento, mais uma vez trouxe o Yago para ser o craque do jogo, com um gol e uma assistência, vindo do banco para decidir o jogo em mais uma leitura perfeita do treinador azulino.

  • Bruno

    Agora é manter o ritmo. São 6 finais. Cada jogo uma decisão.

  • Interiorano

    Repito o que já comentei várias vezes : Têm alguns times que apesar da pandemia (times com desfalques e jogos sem torcidas) conseguiram se acertar e a torcida não fez falta alguma! Foi o caso do América Mineiro, do Atlético Goianense, da Chapecoense, do CSA, do Ceará, do Corinthians, do Fluminense, do Grêmio, do São Paulo, etc.! E têm times que a torcida fez falta e não conseguiram se acertar de maneira alguma! É o caso do Botafogo, do Coritiba, do Goiás, do Sport, do Vasco, etc.! Sorte de quem se acertou, pois, se em 2021 as torcidas voltarem, irão encontrar seus times uma Série acima! E quem não se acertou, é uma pena e infelizmente vai cair e as torcidas não devem culpar nenhum técnico e nenhum jogador, pois, a realidade é que 2020 foi um ano em que o futebol ficou em segundo plano e ainda vai entrar em 2021 em segundo plano! Em primeiro plano, a saúde da população em geral, a qual, ainda está aguardando ansiosa, a tão sonhada vacina!

  • Luiz R S Filho

    A campanha do CSA nesta Série B de 2020 está equiparada em pontuação à de 2018 ao fim desta 32a. rodada. O detalhe é que tem um número maior de vitórias 15 x 14(2018) e melhor saldo de gols, o que é muito bom pois são os principais itens de desempate na classificação.

    O Sampaio Correia é um time aguerrido e exigiu do CSA . Abriu o placar e poderia ter complicado. Mas o Galego do Veneno fez as substituições que mudaram a dinâmica e conseguimos a vitória….sofrida. Mas azulinos estão acostumados, normal.

    A luta continua acirrada e não pode bobear. O acesso cada rodada vai ficando mais possível, entretanto, sem acomodação. É jogo à jogo.

    Vamos Simbora!!!!

  • Matheus

    Excelente comen´tário. detalhe é que muitos torcedores pedem para que o Yago seja titular, porém ele não consegue entregar os 90 minutos. Com isso, na minha visão, o Mozart tomou a decisão acertada de trazê-lo no 2tp, causando assim o DESEQUILÍBRIO na partida. Hoje em dia vc não pode entrar no jogo com ‘ força máxima’, precisa ter uma bola leitura e ter coragem para ‘ abdicar de alguns jogadores’ no 1tp. Isso serve também para o Andrigo.

  • JOSE EDNALDO MONTEIRO LISBOA

    Foi mais um jogo muito difícil, fiquei tenso o tempo inteiro com o placar em branco que parecia ser o resultado final, o CSA não conseguia levar perigo ao Sampaio, veio o segundo tempo e com as mudanças do nosso treinador veio a melhora do jogo, mas o Sampaio continuava tentando abrir o placar até que veio o gol numa jogada quase impossível, aí saí da sala e a pressão subiu, foi quando de imediato aconteceu o empate e as esperanças voltaram e logo depois a virada, e, mesmo com a pressão do Sampaio acreditamos na vitória sofrida até o final. Parabéns ao CSA, seu treinador e aos jogadores.

  • Azulino 2021

    Temos chances óbvias de subir, porém a receita é o treinador fazer o simples, portanto, evitar surpresas na escalação, por exemplo, entrar com o Bilu como titular!
    Os adversários já o conhecem e dão o jogo para o csa começar sempre pelo lado dele, pois sabe que não vai fluir!
    Foi assim no primeiro tempo do jogo, o Bilu ia da esquerda para direita e vice – versa e nada de produção!
    É a mesma coisa que entrar com menos um!
    Ele é Paraíba são dois jogadores que no momento deveriam ser até preservados numa série B!
    Poderíamos ter saído derrotados no primeiro tempo, pois o Sampaio jogou mais!
    Sendo assim, é melhor não corrermos mais esse risco!
    Vamos jogar o simples e sem invenção na escalação que alcançaremos o acesso à série A!