CRB soma ponto precioso em jogo com tempos distintos – Blog do Marlon
CRB vence , chega ao G4 e reafirma a #GamalhoDependência e CSA patina nos erros individuais
Sem jogar bem, CRB consegue vitória importante

Duelo entre Erick (33) e Hugo: um dos destaques do jogo entre Náutico e CRB – Foto: Caio Falcão / CNC

Pelo segundo jogo consecutivo, o CRB pontuou. Isso faz com que a equipe consiga ocupar um lugar na parte de cima da tabela. O empate em 1 a 1 com o Náutico mostrou um CRB sendo mais efetivo no tempo final mas sendo amassado pelo Náutico na etapa inicial.
Léo Gamalho vive um momento feliz na temporada, assegurando os três gols que o CRB marcou até agora na sua conta. Gostaria de citar outros dois jogadores que o time regatiano começa a ganhar. Um é Luidy, que tem entrado e feito aquilo que o jogo pede. Contra o Oeste foi assim e isto se repetiu contra o Timbu. Além dele, Reginaldo também deixou uma ótima impressão e se colocou na titularidade da equipe em comparação ao que vinha fazendo Lucas Mendes.
Marcelo Cabo tem dosado bem a utilização do elenco e aproveitado de maneira inteligente o uso das cinco substituições, fazendo a equipe crescer a partir das alterações feitas ao longo do iogo.

O jogo tático

Muito criticado, Xandão fez bom jogo e não comprometeu contra o Timbu – Foto: Caio Falcão / CNC

A partida entre Náutico e CRB apresentou dois tempos bastante distintos. Em cada tempo, domínio de uma equipe sobre a outra. No primeiro tempo domínio do Náutico e no tempo final domínio do CRB.
O time pernambucano começou o jogo surpreendendo na formação tática. Com Dalpozo, demitido ao longo da semana, o Timbu atuava com dois volantes, mas Dudu Capixaba, técnico interino, trouxe a equipe com dois meias (Jorge Henrique e Jean Carlos) apenas um volante e dois extremos. A diferença era que o Náutico jogava com muita intensidade fazendo um jogo como se fosse uma verdadeira decisão.
Ao longo de quase todo o primeiro tempo, o Náutico usou seu corredor direito para minar o sistema defensivo do Galo. Erik, o do Crb, não conseguia retornar, acompanhar o lateral Hereda que fazia dois contra um em cima do Hugo e por este corredor foram criadas as principais situações de gol do Timbu. O trio formado por Jean Carlos, Erik e Jorge Henrique ditaram o ritmo do Náutico até que no escanteio, Carlos Jatobá, que fez um primeiro tempo muito abaixo da média que ele possuí – deixa a marcação do zagueiro Camutanga, ele não sobe, não disputa a bola e o zagueiro do Náutico faz 1 a 0.
Praticamente o primeiro tempo foi inteiro de um duelo do sistema ofensivo do Náutico contra o goleiro Victor Souza, fazendo pelo menos três defesas difíceis, isso garantiu ao Náutico a vantagem mínima e permitiu ao CRB não sair com uma significativa desvantagem na partida.
Durante a transmissão chamava a atenção da intensidade com que o Náutico atuava, trazendo uma dúvida se a equipe conseguiria manter o ritmo ao longo de todo o jogo.
Ficou visível no 2ºtempo que o Náutico sentiu o desgaste, sentiu aquela intensidade aplicada no primeiro tempo e com isso, o CRB recuperou terreno no jogo. As modificações feitas pelo técnico Marcelo Cabo proporcionaram ao CRB mais intensidade, principalmente com a entrada de Reginaldo, que fez sua estreia pela lateral direita e deu uma clara mostra que deverá ser o titular do time na sequência da temporada.
CRB mudou a atitude, começou a fazer o jogo apoiado que o time gosta de fazer, fazendo trocas de passes e dando mais intensidade. Cabo visualizou isso e trouxe Magno Cruz pela extrema direita e com a entrada dele, o CRB ganhou a flutuação por dentro, por trás dos volantes, recebendo esta bola e fazendo ‘um, dois com o centroavante. Com isso, o CRB teve 73% de posse de bola, mas era uma posse com circulação, que terminava com Bill e ele não fazia o que se pede dele, levantar a cabeça, acionar o Léo Gamalho. Bill quando recebia a primeira tomada de decisão era fazer o um contra um e o Hereda ganhava o duelo. Diego Torres veio para o jogo e apesar de demorar a entra na partida, quando entrou o CRB cresceu.
Mas para mim a substituição que decidiu o empate foi a vinda do Luidy, justamente pelo corredor esquerdo e Luidy fez o que se pede do ponta, do extremo, ele ia ao fundo e cruzava. A primeira bola que ele pegou foi ao fundo e alçou na área, Léo Gamalho não alcançou mas Magno Cruz finalizou, a bola no gol e o zagueiro Rafael Ribeiro salvou em cima da linha. Mas no outro lance, o CRB foi premiado pelo volume, pela circulação, por imprensar o Náutico no seu campo defensivo. Lance de lateral ofensivo na área, característica de Marcelo Cabo, Diego Torres disputa a bola, Luidy finaliza e o goleiro Jefferson faz a defesa, ela volta para Luidy que faz uma ação coletiva, chutando cruzado e procurando o centroavante, Léo Gamalho desvia e empata o jogo. O camisa 9 mostra que está na fase.
Craque do jogo: Erick (camisa 33 do Nautico)
Garçom da partida: Jean Carlos (camisa 10 – Náutico)
Melhor treinador: Marcelo Cabo (CRB)

  • Jadilson Marques

    Aqui é Galo Malucoooooooooooooo, Vamos pra cima do vitória, é Léo Neles…………………

  • pablo

    Vamos galooooooooooo!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta Jadilson Marques
Cancelar reply