Empate caberia, mas vitória do CSA foi um prêmio a eficiência – Blog do Marlon
Crônica de um dia anormal
CRB vence, classifica e assume liderança; CSA perde para o ASA e entra em modo pressão

O clássico das multidões foi um jogo de dois tempos claramente distintos. Primeiro tempo, CSA tomou conta das ações ofensivas, imprimiu uma marcação bastante agressiva trouxe uma leitura de jogo do CRB perfeita.
De maneira inteligente, Eduardo Baptista posicionou os volantes para jogarem lado a lado afim de evitar que os extremos do CRB pudessem jogar nas costas, fez os dois zagueiros ficarem atentos para evitar flutuação e o CRB ficou sem ter como jogar.
As mudanças que o Marcelo Cabo promoveu para a partida acabou tirando a saída de jogo que a equipe tinha com o Carlos Jatoba. Diego Torrres ficou isolado na armação para atacar, o time acabou abusando da ligação direta. O time não teve sucesso e Thiago Rodrigues não fez nenhuma defesa . A principal chance foi em um erro de saída de bola com Yago, que Erik chutou pra fora.
O CSA tinha volume, tinha posse mas também tinha muita movimentação com constantes trocas de posição na linha de três com Pimpão, Alano e Bilu. Esta movimentação era coadjuvada pelos laterais Norberto e Igor Fernandes. O CSA criou uma chance logo na primeira parte do tempo inicial quando após um lateral ofensivo, a boa bola sobrou para Márcio Araújo, que chutou forte na entrada da área para Victor Souza defender. Até que aos 25 minutos, o CSA chegou ao gol em uma jogada de bola parada, jogada esta, bastante interessante. Diego Torres não consegue marcar o primeiro toque de Luciano Castán, no segundo toque, Alan Costa cabeceou forte e conseguiu marcar.
No segundo tempo, Marcelo Cabo mexeu no posicionamento da equipe voltando com uma postura diferente. Entendo que o CSA contribuiu com esta mudança, isso porque o CSA baixou as linhas , muito em função da forte e agressiva marcação realizada pelo CSA. É praticamente impossível agredir como o CSA agrediu no primeiro tempo e não precisar de um refresco. O time azulino trabalhava de forma reativa mas não conseguia encaixar jogada nenhuma.
OS treinadores começaram as trocas. O CRB adotou a postura de qualificar seu terço final do campo e trouxe Magno Cruz, que conseguia dar um ritmo e criar de maneira interessante. Bill também foi uma opção para agredir ou usar o ‘um contra um’, mas martelou, fez Thiago Rodrigues trabalhar, mas não chegou ao gol de empate. Thiago Rodrigues que havia feito apenas uma defesa no prmieiro tempo, fez , pelo menos, duas importantes defesas no tempo final defendendo uma ótima cabeçada do Igor e depois uma finalização do João Carlo após uma tabela com Magno Cruz. Foi só.
Fianl de um jogo sofrível tecnicamente e com muitos erros nos gestos técnicos do passe. Mas deu para perceber Márcio Araújo que dominou o corredor central, deu para perceber uma consistência maior da linha de quatro azulna. Yago ficou abaixo do que jogou contra o ABC, Alano e Bilú se restringiram muita movimentação e trocas de passe
Árbitragem tranquila do Márcio dos Santos Oliveira com dois assistentes experientes
Craque do jogo: Allan Costa não perdeu nenhuma bola aérea e ainda decidiu o jogo
Garçom: Luciano Castan
Melhor treinador: Eduardo Baptista

  • Antônio Cláudio

    Bom dia! A título de informação quero saber sobre o narrador Cesar Pitta. Está bem ou doente? Ou não faz parte da emissora? Aguardo a resposta.

    • Marlon Araújo

      Aguardando o resultado dos exames para retornar se Deus quiser na final 👍 obrigado pelo carinho e preocupação com o nosso amigão da galera ✅

  • Luiz R S Filho

    Marlon, estamos vivendo uma carência muito grande, de qualidade técnica, nos elencos de CSA e CRB. Esse clássico mostrou isso. Somado ao fato de não ter público – que em algumas oportunidades empolga e anima – os jogadores que em lampejos salvam uma pobre partida de futebol. O CSA aproveitou uma oportunidade e venceu.

  • José A de Oliveira

    Marlon, se CRB não contratar substituto na altura do Rafael Longuine, se não contratar um zagueiro e um bom centroavante esse ano será uma decepção. CRB está contratando muitos garotos sem experiência nenhuma, eles podem até serem grandes jogadores daqui dois ou três anos, mas para agora eles não tem determinação dos jogadores que decidem, fica um time com muitos jogadores, inchado e resultados pífio. Outra coisa, Marcelo Cabo está demorando demais para substituir jogadores que não estão rendendo.

Deixe uma resposta Antônio Cláudio
Cancelar reply