Athletico conquista título calçado na convicção de ideias. Isso serve para nós? – Blog do Marlon
Semente do acesso já foi plantada! Agora é regar e esperar os frutos
Segurança defensiva e disciplina tática: os efeitos do trabalho de Argel

Athletico é campeão da Copa do Brasil: gestão com convicção e ausência de ‘perus’ – Foto: Miguel Locatelli/Site Oficial

 

O título do Athletico tem na palavra convicção um dos seus pilares. O time paranaense toma decisões e segue seu direcionamento.

O rubro negro paranaense inicia seu trabalho na temporada com a base jogando o campeonato estadual. A primeira competição do time profissional é a Libertadores.

Transporte isto para a nossa realidade. O CSA chegou a ter duas equipes no começo da temporada para jogar a Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Alagoano. Na primeira derrota para o Dimensão, o mundo caiu. Marcelo Cabo foi bombardeado, a diretoria cobrada, jogadores não prestavam.

O Athletico investe na base R$ 1,5 milhão por mês. E isto é investimento real. Renan Lodi já foi vendido. Diversos jogadores que atuaram – e conquistaram o título paranaense – estão no grupo, jogando e prontos para o mercado.

Novamente transportando para a nossa realidade, vemos nossas principais equipes jogando apenas no período de competições, além de faltar investimentos até mesmo para equipes seguirem para competições como a Copa São Paulo. O CRB chegou a viajar de ônibus para São Paulo.

O Furacão deu uma guinada repaginando escudo, hino e até a grafia do nome. Tem um estádio com grama sintética e com reconhecimento biométrico para os torcedores. A visão da direção é internacionalizar a marca e transformar o clube em uma potência internacional.

Na terrinha somos resistente a mudança, resistente a estudo, a descobrir avaliações, traduzir pesquisas. O CSA está ingressando em um processo de transformar o clube em sociedade anônima e receber investimentos. O CRB precisou se desfazer do seu patrimônio na Pajuçara montando seu CT na Barra de São Miguel e até hoje o torcedor não aceita e ainda reclama.

O time paranaense tem um dono. Mario Sérgio Petraglia preside com ‘mão de ferro’, peitou a Globo, tem decisões muitas vezes polêmicas.  Aqui Rafael Tenório – em maior proporção – e Marcos Barbosa são questionados como donos e principalmente quando não vem os resultados são xingados e transferido para os mesmos, toda a carga do insucesso.

O Athletico trocou de treinador. Na saída de Fernando Diniz apostou na sequência do trabalho de Tiago Nunes. Ele estava sendo trabalhado e formado no próprio clube. Aqui até pensamos em treinadores do clube que façam parte da comissão técnica, mas quase nunca são aproveitados, não recebem investimentos para qualificação para que possam um dia conseguir chegar a efetivação no comando técnico.

Por fim por lá também existem os cornetas mas a palavra ‘convicção’ impede que os perus tenha voz mais ativa. Na nossa realidade, os perus, principalmente os digitais, seguem norteando decisões dos nossos dirigentes.

O caminho que o Athletico está seguindo é baseado em gestão. Os perus estão perdendo espaço, por mais que façam glu-glu, o barulho não ecoa. É possível copiarmos alguns destes conceitos?

  • Interiorano

    A base! Vejam que assim como o Santos, o Atlético Paranaense investe muito na base! Eis aí, o motivo de eu já vir criticando a muito tempo, a fórmula do campeonato alagoano! Com essa “invenção” de tal 2ª divisão no campeonato alagoano, onde, o time que é rebaixado fica quase 2 anos sem jogar, não há time pequeno que tenha estrutura para se manter parado por tanto tempo e/ou até se reerguer! E aí, a tendência é desaparecer ou, quase desaparecer do cenário esportivo alagoano, prejudicando a Cidade (deixando de elevar o nome da mesma), prejudicando o torcedor (que fica sem torcer por 2 anos ou mais, pelo time do coração), prejudicando a garotada ( onde, poderia surgir um futuro craque de futebol) e prejudicando até os técnicos de futebol (que poderiam estar empregados em algum clube do Interior)! Já que o campeonato alagoano é realizado de janeiro a abril, por que a tal 2ª divisão não é disputada nos meses de setembro e outubro do mesmo ano? Como a tendência é que CRB e CSA nunca serão rebaixados, o time pequeno do Interior que for rebaixado só ficaria sem jogar por 2, ou 4, ou 8, ou, no máximo por 10 meses! Aí sim, os times pequenos do Interior teriam a condição mínima para sobreviver! Palmas para o Atlético Paranaense!

  • Luiz R S Filho

    Marlon…discordo completamente de sua comparação do CSA do inicio do ano com o trabalho de anos do ATHLETICO PARANAENSE. Diretoria do CSA errou feio na manutenção do Treinador CIDADÃO HONORÁRIO DE MACEIÓ, que foi ao programa BEM AMIGOS, dizer em alto e bom som que contava com três camisas 10 no elenco e não tinha nenhum. Um deles o tal LUCCA MOTTA só saiu na foto do BI CAMPEONATO ganho pelo goleiro João Carlos. Blefou ao dizer que teria dois times e não teve nenhum . Os jogadores pelo CIDADÃO indicados no inicio da temporada nunca iriam vingar, pois não tinham qualidade, à exceção do Mateus Sávio, que jogou o tempo todo fora de sua posição e o estrago que ele fez com o DIDIRA, utilizando o tempo todo deslocado.

    o Presidente Rafael Tenório, ainda que discretamente, reconheceu tardiamente o erro do planejamento. Que comparo à história de se guardar todos os ovos num cesto só. A Torcida o tempo todo cobrando, alertando sobre o trabalho enganoso, time não treinando , preparo físico calamitoso, DM parecendo o HGE, e a Diretoria chamando de agitadores, anti-azulinos.

    Uma certa vez vi uma entrevista do Adriano Gabiru, falando sobre a estrutura do Clube Paranaense, isso acredito que 10 anos atrás ou mais.

    Trabalho de base é sério e demora. Aqui tanto CSA como CRB, enxergam como gastos e não custos, por isso não revelam ninguém….Jovens saem daqui e tornam-se base dos Clubes do Centro Sul.

  • Nego do Táxi

    Bom dia! Modernizar a gestão do futebol se faz necessário, todo bom exemplo deve ser seguido, porém temos nossas particularidades . A principal delas é um começo de temporada muito deficitário, tanto no aspecto técnico, com um campeonato muito pouco competitivo, quanto no aspecto financeiro. Com essas dificuldades ficamos muitos degraus abaixo dos times de maior expressão e por consequência compromete qualquer tipo de gestão.
    Só pra lembrar hoje é 20 Setembro esperava um post parabenizando o CRB, afinal também somos alagoanos. Obrigado!

  • Edson Corado

    EDSON CORADO
    A CONCORRÊNCIA DO CRB E CSA COM OUTROS CLUBES PARA CONTRATAR JOGADORES ESTÁ FICANDO CADA VEZ MAIS DIFÍCIL NO MERCADO NACIONA, POR ISSO É NECESSÁRIO INVESTIR NAS DIVISÕES DE BASE PARA FORMAR JOVENS TALENTOS DENTRO DO CLUBE, PRA ISSO TAMBÉM É PRECISO OS CLUBES TEREM BOAS ESTRURAS FÍSICA E UM BOM DEPARTAMENTO DE FUTIBOL, DEVO DIZER QUE O JOGADOR JÓVEM FORMADO NO CLUBE ELE TEM INTRESSE EM CRESCER DE SE DESTACAR NO CENÁRIO FUTEBOLÍSTICO, ENQUANTO ESSES MARMANJOS JÁ ROLDADOS E FINS DE CARREIRA SÓ VEM PRÁ ONERAR A FOLHA DE PAGAMENTO DO CLUBE.
    CONCORDO PLENAMENTE COM O SEU COMENTÁRIO.