A proximidade com o título e a necessidade de uma grande organização – Blog do Marlon
Repetir é uma palavra chave neste momento
Bom resultado na Curuzu e o pacto que precisa ser repetido

CSA vence primeiro jogo em grande espetáculo na Arena Castelão: titulo da Série C mais próximo – Foto: Caio Lorena – ASCOM CSA

O CSA conseguiu uma vitória muito importante na briga pelo título de campeão brasileiro da Série C. Ao derrotar o Fortaleza em plena Arena Castelão, na capital cearense, por 2 a 1, o time azulino deu um passo muito importante para buscar o título.

Como vale o gol fora de casa, o CSA será campeão com qualquer nova vitória, com um empate e se perder por 1 a 0. Se o Fortaleza vencer, repetindo o placar do 1º jogo, disputa nas cobranças de tiros livres diretos e qualquer outra vitória do time cearense que não seja por 1 a 0 ou 2 a 1, título para o Leão.

Tão importante quando a proximidade de conquista do título será a capacidade de organização que FAF, CSA e Governo do Estado precisarão mostrar. O jogo será mostrado e chamará a atenção de todo o Brasil. Precisaremos ofertar uma condição de logística para o torcedor, ter a capacidade de evitar qualquer invasão de campo em caso de conquista, receber bem e com segurança o torcedor visitante e fazer com que todos os aspectos do jogo fora de campo possam fluir de maneira positiva.

O Jogo

Foi uma atuação digna de um grande finalista. O CSA foi inteligente, estratégico e soube jogar a decisão aplicando todos os conceitos que o futebol exige. A equipe azulina jogou, marcou, fez uma marcação forte, conseguiu transições em velocidade, teve um maestro para comandar, ditar o ritmo, descobrir as jogadas certas, apresentou atletas se infiltrando como ‘homem surpresa’, jogadores mostraram maturidade.

Logo no começo ficou evidente que o CSA precisaria travar os lados do Fortaleza, pois neste setor, o time cearense apresentava suas maiores qualidades. Neste aspecto, os extremas azulinos (Marcos Antonio (11) e Edinho (7)) teriam um papel fundamental e até mesmo seriam sacrificados para fazerem o balanço defensivo. Não se contava com Rafinha (6) tomando um cartão muito cedo (15 minutos), fato que fez o lateral diminuir a agressividade na marcação. Com isso Pablo, de maneira inteligente, começou a infiltrar pelo lado esquerdo e criar os principais riscos para o Azulão no jogo.

Por alguns momentos no primeiro tempo, Dick errou o posicionamento pelo lado direito, mas foi corrigido, ofertando ao sistema defensivo, uma característica de ter mais um homem alto, com capacidade de corte na bola área, que o Fortaleza também usou com insistência.

Mas o CSA também mostrou ousadia e soube atacar com qualidade e na hora certa. O primeiro gol azulino é uma jogada para usar em um manual de criação ofensiva. O homem da bola (Daniel Costa,10) tem o domínio com diversas opções, a jogada lateral, de fundo com Edinho (7), o cruzamento direto para o homem referência (Michel 9) ou a infiltração de um homem surpresa, Dawhan (5), participando do momento ofensivo com qualidade. A última opção aconteceu, a marcação do Leão foi quebrada e Michel voltou a marcar em jogos decisivos.

No segundo tempo, o Fortaleza se atirou para pressionar o CSA. Mas veio na força, na pressão do torcedor, sem a organização necessária. Mesmo com o volume, com as tentativas de finalização e até mesmo com as finalizações que conseguiu, o Fortaleza não conseguiu a confiança que igualaria o jogo. Em um outro contra-ataque, com uma nova jogada de transição, o CSA voltou a fazer uma jogada clássica. Daniel Costa começou a jogada, encontrou o veloz Edinho sem marcação e na área dois homens fechavam. Um era Michel, nas costas da marcação. O outro era Dick, que surgiu como homem surpresa. Pablo (22 Fortaleza) acabou tentando afastar e jogou contra as próprias redes: CSA 2 a 0. No final, o Fortaleza encontrou uma jogada lateral, Gabriel Pereira tentou o toque, a bola bateu em Cristiano e foi para as redes, recolocando o Fortaleza na decisão.

A torcida do Fortaleza fez uma linda festa na Arena Castelão com mais de 40 mil torcedores. Ressaltar que é preciso por parte daqueles que organizam o jogo, mais respeito com a crônica alagoana. Fomos colocados em um local em que ficamos expostos aos torcedores do Fortaleza. Alguns mais exaltados vieram encarar e ameaçar o nosso trabalho, reagimos e depois surgiu a turma do deixa disso. A Polícia Militar do Ceará acabou nos dando garantia após o incidente.

No CSA vários jogadores se destacaram. Leandro Souza, Cristiano que não sentiu a pressão e fez um grande jogo, Dawhan, participando do momento ofensivo, Edinho, Michel, Daniel Costa sendo o garçom com duas assistências nos dois gols, mas o craque do jogo foi o goleiro Mota, frio, preciso e cirúrgico em lances capitais. O árbitro Wagner Reway fez uma arbitragem padrão FIFA e teve uma ótima atuação.

  • José Ernesto Perciano Costa

    O CSA saiu do marasmo de muitos anos patrocinado por administradores incompetentes. O Sr. Rafael Tenório mostrou como se administra um clube de massa e sem dúvida, logo voltará a ser grande no cenário nacional. Fica a pergunta: O Estado de ALAGOAS está preparado para participar da elite do futebol Brasileiro? Tem estádio para isso? Tem uma federação capacitada para defender os clubes em ascensão? O Governo do Estado está preparado ou tem interesse em apoiar estes clubes? Será que já não está na hora de Alagoas que já forneceu grandes atletas para o futebol Brasileiro, mostrar o seu valor?

  • Mário Almeida

    Boa Marlon 👏🏻
    Sempre nos presenteia com uma análise técnica e muito didática pra nós q amamos o futebol mas não temos( falo por mim e outros amigos) essa capacidade de entender como um time é armado taticamente.

  • Glorioso

    CASA rumo a série A.

  • Rodrigo Lins

    Perfeita observação e parabéns para os 200 anos de alagoas esta festa no Rei Pelé que completa 47 anos.

  • SIMPSONS

    RODRIGO LINS CONHECIDO COMO SIMPSONS! CSA precisa manter cabeça no lugar pra evitar uma derrota inesperada em pleno Rei Pelé aguardar os primeiros minutos do jogo pra matar o placar fazendo o gol de misericórdia !

    • Luiz R S Filho

      Tenho mais preocupação com uma arbitragem ruim……porque no futebol, somos bem superiores ao Fortaleza….CSA hoje tem um plantel onde os jogadores estão focados….conscientes do ultimo passo ainda a ser dado. Não existe o “já ganhou” dentro de campo…..e sim dedicação, luta, garra e raça, em busca da taça.

  • Luiz Gustavo

    É Marlon o C S A Tá vivendo novos tempos, com planejamento e organização estamos chegando ao objetivo maior. O título brasileiro da série C.
    fruto desta diretoria e esse elenco que entendeu o desejo e necessidade desta fantástica Nação Azulina.Esse grito tá preso a muito tempo amigo.

  • Henrique

    Se houvesse um manual pra jogar uma final de campeonato, diria que o CSA jogou com ele embaixo do braço. Foi um jogão!
    No jogo da volta precisa de “pés no chão” e uma estratégia inteligente.
    Aliás, gostaria de salientar aqui a decisão inteligente do treinador que, logo após fazer o segundo gol, retirou Daniel Costa e Edinho, mostrando sua capacidade de gerir a situação, sabendo que os dois são fundamentais para o jogo de volta e que, aquela altura, a vantagem construída já era muito importante, mas, que o jogo da volta é o que, por fim, decide o campeonato. Achei inteligente, mostrou capacidade que um técnico deve ter nessas situações.

Deixe uma resposta José Ernesto Perciano Costa
Cancelar reply