O futebol reativo é o motivo de sucesso para CSA e CRB? – Blog do Marlon
Performance, confiança em alta e jogadores crescendo na hora certa
CSA foi modelado para empatar, consegue o objetivo e sai da Arena classificado

Em meio a competições diferentes, CRB e CSA, disputando respectivamente, Séries B e C mostram seguir uma tendência de igualdade com o que o futebol atual está propondo: times reativos.
O conceito reativo no futebol está ligado a equipe que consegue uma estratégia de jogo com compactação e mesmo sem a posse de bola são atacados e reagem com uma marcação agressiva, o roubo da bola para definir a partida no contra-ataque.
Fazendo boas campanhas nas competições nacionais, CSA classificado para 2ª fase e em condições de brigar pelo acesso e CRB brigando na parte de cima da tabela e sonhando com o acesso para Série A, tem na forma reativa de jogar, o sucesso deste momento?
CRB e CSA estão moldados para este tipo de jogo. Quando as equipes apresentam a dificuldade por enfrentar equipes que não propoem o jogo e que também jogam de maneira reativa, tanto CRB, quanto CSA apresentam imensas dificuldades. Ao encarar estas dificuldades, os dois em alguns momentos foram times ativos. O CSA por exemplo, fez dois dos seus melhores jogos, sendo ativo, notadamente contra Fortaleza e Remo. O CRB também teve momentos ativos de muita intensidade, principalmente contra Internacional e América (MG).
A maioria dos torcedores, principalmente para jogos em casa, não veem com bons olhos o seu time jogar de maneira reativa. Neste momento, o conceito moderno, a forma eficiente de buscar o resultado e o posicionamento em campo, muitas vezes interpretado como retranqueiro, leva o torcedor a criticas a postura do treinador, seja ele o Dado Cavalcanti ou o Ney da Mata.
O momento do futebol brasileiro, independente da divisão, mostra que os times reativos estão levando vantagem e conseguindo resultados expressivos dentro desta estratégia, onde mesmo sem ter a posse de bola, a equipe consegue no seu plano de jogo superar uma equipe tecnicamente bem superior.
Dentro apenas do senso comum, o torcedor abomina a forma reativa quando sua equipe joga em casa, mas entende que fora de casa a forma reativa garante bons resultados.
O equilibrio entre o jogo ativo e o reativo é o ideal para o clube levando em consideração, o material humano que o técnico tem na mão. O Leicester ganhou a Premier League desta maneira. O Botafogo de Jair Ventura faz uma campanha que assombrou a América do Sul na Libertadores sendo reativo, o Corinthians, lider da Série A joga, mas controla o jogo sem a bola ao seu modo e mostrou isso de forma clara no jogo em Porto Alegre contra o Grêmio.
A verdade é que vivemos um novo momento diferente no futebol brasileiro e no futebol alagoano com equipes mostrando eficiência na maneira de apresentar suas estratégias para os jogos. É preciso somente dizer que muito das campanhas de CSA e CRB tem base do sucesso obtido na forma reativa de se apresentar mesmo que a voz das arquibancadas empurre o time para cima e não aceitem seu time sendo reativo ao jogar em casa.

  • everaldo

    Perfeito Marlon a sua interpretação dos nossos times alagoanos, no caso CSA e CRB, pena que o ASA não tenha seguido essa mesma receita.

  • Wyle

    Exemplos formidáveis para justificar seu argumento. Ótima postagem Marlon!