Que pesadelo que o torcedor do CRB viveu! – Blog do Marlon
Final de semana para esquecer; futebol de Alagoas muito mal
CSA parou no Confiança e ausência de finalização é o maior problema

Beluzo, grande nome da partida, passeio do Londrina no Rei Pelé – Foto: Pein Fon – TNH1

Foram poucos torcedores no Estádio Rei Pelé. Mas estes poucos tomaram um susto como há muito não experimentavam. O CRB foi massacrado pelo Londrina por 3 a 0. O pior é que foi pouco. Se o Tubarão mantem no segundo tempo o mesmo ritmo do primeiro, o Galo sofre uma goleada histórica no Rei Pelé.

O time assustou pela passividade. Foi um time apático, frio e parecia um time sem compromisso, sem alma, sem coração. Parecia um jogo de um time profissional contra um time amador. O resultado foi drástico.

Não dá para você levantar qualquer teoria, mas algo a mais está acontecendo pois não é possível que o grupo do CRB faça um jogo de maneira tão apática.

O jogo

O CRB veio para enfrentar o Londrina com mudanças pontuais. Troca de um zagueiro por outro e a entrada de Rodolfo que havia aumentado a intensidade com que o time tinha jogado. Desde o início do jogo, que o CRB não conseguiu encontrar dois jogadores: Celsinho e Jardel. Os dois ganharam o meio campo, dominaram as ações e dificultaram qualquer tipo de reação do CRB.

O resultado foi um imenso volume de jogo do Londrina, intensidade, jogadas em profundidade e três gols com direito a olé ainda no tempo inicial. No segundo tempo, o Londrina não quis mais o jogo ofensivo e passou a controlar o jogo e a vantagem estabelecida no 1º tempo. A pá da cal no time do CRB deu-se com a entrada de Neto Baiano pois o time definitivamente escancarou e ficou ainda mais exposto. Mesmo sem ter pretensões ofensivas o Londrina ainda chegou e quase  ampliou.

Foi humilhante ver o CRB nestas condições e deixou uma preocupação gigantesca para a sequência. O torcedor não estava acostumado com o nó tático tomado. Foi um chocolate, com sabor totalmente amargo.  O craque do jogo foi o atacante Jonatas Belusso, autor de três gols. O árbitro gaúcho Daniel Nobre Bins teve uma atuação comum. Errou como todos erram, mas não interferiu na partida.

  • José oliveira

    Marlon, você disse tudo, pareceu o jogo de um time profissional contra um time amador, realmente o Londrina só não fez mais gols no segundo tempo, para não provocar paralização ambulância teria que sair com torcedor infartado como ocorrido no intervalo. Uma zaga dessa, Gabriel falhou nos três gols o primeiro não deu cobertura, o segundo entrou com pé de mocinha e o terceiro errou o tempo da bola, esses erros já tinha acontecido contra o Vila Nova,ele ficava longe do marcador olhando pra cima feito um pangaré. Juliano, se quiserem que ele volte a atuar bem quando precisar, tem que ir para a reserva, quando está saindo na bola fica parado no caminho facilitando para o atacante. Pior de tudo, os jogadores estão levando o resultado de uma partida para a próxima partida e cometendo os mesmos erros. Se fossem espertos esqueceriam o resultado passado, porque tudo passa, os momentos bons e os ruins também passam, é só corrigir os erros e esquecer o resultado anterior. Melhor momento de reagir seria agora, porque os outros clubes passaram a ver o CRB um saco de pancadas, um time de grossos que eles tem obrigação de vencer, se esses times não fizerem gol no início vão deixar espaço, com inteligência, tranquilidade e um jogo coletivo poderá ser explorado e vencer. Não podem jogar como o Xico que está querendo resolver tudo sozinho, pelo amor de Deus, esses chuverinhos na área não resolve nada, eles podem acontecer mais não em todas as jogadas, se movimentem, é preciso treinar lógico, os movimentos criam espaços e só ter tranquidade no momento do passe. Boa sorte ao novo treinador, estamos precisando.

  • Aderaldo

    O plantel tecnicamente é fraco para Série C temos que contratar zagueiro lateral direito volantes meias os demais muito limitados no mínimo 07 contratações para chegar e jogar como titular com o que está aí não chega em lugar algum.

  • Cristiano

    Rapaz, desde 2008, quando terminamos em último na Série B e desde aquele time que conseguiu perder o título pro Coruripe em 2014 que não via uma time tão ruim, contratações precisam ser feitas urgentes e pra serem titulares, ou então é rebaixamento certo.

  • ivo

    Nas dua primeiras derrotas, ficou evidente a condição do CRB, o problema não era o tecnico, o problema é tecnica. Quando você Marlon , fala em jogo previsível, vc esta sendo bondoso, previsível e a condição do elenco, um dos piores formado pelo CRB, parece-me que o presidente esta conciente que vai ser rebaixado esse ano. Tudo bem, contrataram um tecnico, oiproblema esta resolvido? o tecinico vai jogar na defesa, vai armar jogada no meio de campo, se não, vai continuar o mesmo sofrimento, ou seja um time previsível. No ano passado tinha dois jogadores que faziam a diferença, magrão e o galdezani, esse ano, ano Adriano, Iuri e quem? O tecnico Leo Condé, entrou numa fria com esse elenco, e o que esta chegando também, se alguém duvida, veremos….

  • LimaJr

    Essa é a realidade do CRB, um time foi formado para o primeiro semestre e outro para o segundo semestre, algumas contratações infelizes levaram a essa vergonha.

    O CRB teve avanços fora de campo, mas pouco para um time que quer chegar a série A. É preciso profissionalizar a direção de futebol, uma pessoa que tenha condições e liberdade para formar uma equipe sem a interferência dos seus conselheiros e presidente.

    Uma dica para o senhor Marcos Babosa. O Presidente é responsável pela administração, solvência e probidade administrativa e não deve interferir na formação da equipe. Entre suas atribuições temos a de prestação de contas, destaca-se a apresentação dos planos orçamentários, e zelo pelo patrimônio do clube, etc.

    O torcedor que não se iluda com o CRB que é um time limitado dentro e fora de campo. Seu mandatário, senhor Marcos Barbosa, age pela emoção e não é um profissional formado para administrar um clube e nem se quer contrata alguém com tal experiência.

    Esse é o grande mal dos times de alagoas, a falta de profissionalismo dos seus administradores, presidentes, gerentes e diretores.

    No mundo, o futebol é considerado um grande negócio, que apresenta crescimento contínuo e valores vultosos de receitas com patrocínio, salários de atletas e rendas de jogos divulgados amplamente nos meios de comunicação.

  • Libio Pimentel

    Excelente resultado. Como bem salientado na postagem, poderia ter sido muito pior. O time vermelho é muito limitado e custo a acreditar que seus torcedores apoiem a contratação e a escalação de um jogador com mais de 130kg no ataque. Se apoiam, corroboram a mentalidade “Pão e circo” de seu presidente e assinam seus próprios atestados de tolos. No mais, desejo mais partidas como a de sábado. E disso a pior, sempre.

  • José oliveira

    Já pensou se o CRB for rebaixado e pra piorar o CSA subir, aí lascou tudo. Condições tem para os dois estarem na série B. Mas se tiver que ficar um, seja o papai, lógico.

Deixe uma resposta Libio Pimentel
Cancelar reply