Assim como o time, a saída de Léo Condé era previsível – Blog do Marlon
CSA parou no Confiança e ausência de finalização é o maior problema
Hoje o importante é vencer

 

Léo Condé não é mais o técnico do CRB. A direção do CRB definiu a demissão do treinador e quando foi comunicar, ele também definiu por sua saída. Era previsível a demissão do treinador.

As quatro derrotas consecutivas em tese são insustentáveis. Mas a decisão cabe a direção do clube até porque não acompanhamos os treinamentos e não conseguimos ver se existe possibilidade de evolução.

O time do CRB chegou a encontrar o equilíbrio no hexagonal do Alagoano e nos primeiros três jogos na Série B, mas mesmo na condição de equilíbrio, o time apresentava dificuldades na concepção no princípio de jogo de transição ofensiva, na construção do jogo.

Sem os volantes participarem da construção do jogo, o CRB fica extremamente previsível e não consegue sair da marcação imposta pelo adversário.

É preciso encontrar o ajuste e reencontrar o equilíbrio para o time regatiano buscar uma condição competitiva dentro da Série B.

O Jogo tático

Enfrentar o Vila Nova no Rei Pelé apresentava uma necessidade proeminente: vencer o jogo. Léo Condé montou o time com o melhor que ele tinha. Um time técnico, com jogadores que sabem jogar, mas que não tinham velocidade. O CRB era um time mais lento.

No primeiro minuto de jogo observou-se a ansiedade e a necessidade do CRB em buscar a vitória. Com um minuto de bola rolando, o Galo já estava desarrumado e proporcionou ao Vila Nova um contra-ataque que quase abriu o marcador.

Aos poucos o time do CRB começou a se enganchar na partida. Não tinha transição ofensiva e apresentava uma enorme dificuldade na criação. Durante todo o primeiro tempo, o CRB não chutou uma bola em gol.  Enquanto o Vila Nova buscava uma transição rápida e com dois ou três toques criavam a possibilidade de finalização.

Sem a participação dos volantes, o time não conseguia andar. No segundo tempo, o time veio com uma mudança: a saída de Elvis e a entrada de Rodolfo. Chico também foi deslocado para o lado esquerdo, melhorando o rendimento.

Em dois minutos, o CRB chegou ao empate. Novamente em uma assistência de Marcos Martins e uma finalização de Ytalo. Em determinado momento, o CRB optou por ter na equipe Neto Baiano e Zé Carlos. Isso fez com que o Vila Nova voltasse para o jogo. Pouco depois Condé voltou a mudar a característica e colocou Clebinho, mas o Hemerson Maria, técnico do Vila Nova, já havia travado os laterais do CRB e Marcos Martins e Diego já não participavam do jogo ofensivo.

A ‘pá de cal’ veio no final do jogo. Alan Mineiro deu a assistência para o volante Geovane, na entrada da área, fuzilar o goleiro Juliano e assegurar a vitória ao Vila Nova por 2 a 1.

  • José oliveira

    Marlon, sei que você é uma pessoa muito ocupado, mas você precisa atualizar seu blog o melhor do estado. Mas o que me leva a fazer esse comentário não é bem a situação do CRB, mas a situação do gramado do estádio Rei Pelé, parece que ele não está recebendo muita atenção dos órgãos competentes do estado, o gramado sempre foi orgulho para os que gostam de futebol em Alagoas, devido sequência de jogos de CSA e CRB e últimas chuvas e não cuidado dos órgãos competentes, talvez também até liberação para treinos de equipes que não possui campo que preste, tem local do campo que já está aparecendo até a terra, gramado do maior praça de futebol de Alagoas está ficando horrível. Isso não é nada bom, pelos jogos que CSA e CRB ainda precisa fazer até o final do ano.

    • Luiz Ribeiro

      José Oliveira, muito bem colocado. O estado do gramado do Trapichão está comprometendo a melhor prática do futebol. A atual gestão do Estadio deixa a desejar neste aspecto.

  • Jorge Fernando

    Na verdade o Rei Pelé a muito tempo precisa de cuidado já foram liberadas várias verbas para reforma mais os caras fazem uma meia sola comem o dinheiro e com poco tempo os mesmos problemas voltam a aparecerem. O gramado sempre foi bem cuidado era elogiado por todos mais até isso agora está esquecido.

Deixe uma resposta Jorge Fernando
Cancelar reply