Preocupação e alívio após nova vitória qualificada – Blog do Marlon
O maior desafio já enfrentado
Quando é preciso valorizar empate com o lanterna
Com 8 desfalques , Givanildo montou o modelo de jogo no 5-4-1 sem posse e alternando para um 3-4-3 com posse de bola.

Com 8 desfalques , Givanildo montou o modelo de jogo no 5-4-1 sem posse e alternando para um 3-4-3 com posse de bola.

O CRB venceu o América. E só Deus sabe como. Não faltou entrega, não faltou acreditar, não faltou transpiração. Mas em meio a tanta festa pela vitória sobre um dos grandes da Série B, levanto uma preocupação e um alívio.

Me preocupa a ineficácia do time do CRB sem atacantes do porte de Zé Carlos e de Isac. O time não chuta, não tem uma jogada sequer, não criar situações para finalizar –e, nas poucas oportunidades, desperdiça. Falta tranquilidade e confiança.

Mas também tem algo muito positivo. A rodada foi maravilhosa para o Galo e agora as chances de afastar-se definitivamente desta zona de degola é muito importante. Dentro deste raciocínio, o CRB abriu oito pontos para não ver inimigos pelo lado.

Hoje é um dia especial, pois a Pajuçara FM chegou aos 16 anos de vida. Parabéns!!!

Na 2ª etapa voltou ao tradicional 4- 2- 3 - 1 sem posse e com posse de bola para um 4 -3 - 3 , dominou até ficar com inferioridade numérica.

Na 2ª etapa voltou ao tradicional 4- 2- 3 – 1 sem posse e com posse de bola para um 4 -3 – 3 , dominou até ficar com inferioridade numérica.

Jogo tático

O CRB iniciou o jogo com dificuldades para infiltrar visto que o América de Givanildo Oliveira veio com verdadeiro ” ferrolho ” com uma 1ªlinha de 5 jogadores , sendo 3 zagueiros e 2 alas , uma 2ª linha com 4 jogadores sendo dois volantes e 1 meia ofensivo e 1 atacante , e apenas Richarlison 9 na referência.

Todos marcando no seu campo, preenchendo os espaços. A estratégia era permitir a posse da bola ao CRB e quando roubar a bola , transformar no 3 – 4 – 3 , avançando os alas a 2ª linha com os 2 volantes e avançando os extremas da segunda linha à frente fazendo companhia a Richarlison 9,o coelho.

A forma do América atuar funcionou no aspecto , defensivamente funcionou , mas a transição era deficiente e para quem precisava vencer o América – MG finalizou apenas 2 vezes , contra 8 do CRB . O galo construiu duas chances claras de gol, Clebinho saiu cara a cara com o goleiro americano, que fez a defesa com o rosto. Logo depois, foi Maxwell que efetuou uma cabeçada que passou muito próximo da trave esquerda.

No segundo tempo, Givanildo mudou o 5-4-1 para o tradicional 4-2-3-1 com a entrada de Pablo, no lugar Michel, o América-MG muito mais solto passou a comandar as ações. Com quatro minutos, o Coelho teve sua melhor chance na partida . Após cruzamento da esquerda, Pablo cabeceou e Júlio César fez uma belíssima defesa salvando o que seria o gol do Coelho.

O CRB visivelmente dominado , sem conseguir articular jogadas ,não chegava mais ao gol de João Ricardo, até que aos 27 minutos, quando o time mineiro era melhor em campo, Rodrigo Souza 5 foi expulso, após agredir o meia Clebinho. Com superioridade numérica o galo voltou a comandar as ações da partida e logo aos 32, Bocão cruzou na área, e Ricardinho cabeceou na trave direita do América-MG. O futebol reservava um final emocionante e dois atletas que falharam nas derrotas para o bragantino ( Bocão)e Ceará ( Audalio ) decidiriam o jogo aos 48 minutos, Audálio após uma linda assistência no cruzamento de Bocão e subiu como um ” centroavante ” para marcar o gol da vitória. Antes do apito final, ainda teve tempo de Leandro Guerreiro ser expulso e deixar o Coelho com dois a menos.

Craque do jogo – O lateral-direito Jonathan BOCÃO, fez uma excelente partida.
Arbitragem – Rafael Traci foi muito confuso , deixou de expulsar Canēte e Henrique Santos e muito atrapalhado nas decisões em campo.

  • ANTONIO MARTINS

    Mais uma vez a arbitragem ajudou o CRB. Quem deveria ter sido expulso era o Clebinho e não o jogador do América. Clebinho foi quem primeiro acertou uma cotovelada no adversário. Infelizmente, nossa imprensa esportiva ôba-ôba não enfatizou esse fato.

  • Jonas Torres

    Marlon Bom Dia, concordo com vc quanto a dependência de um atacante no nível de Zé Carlos, é continuar tentando para podermos pelo menos continuar na serie B.