O gigante cansou – Blog do Marlon
“Pressãozinha” tornou-se um problemão
Derrota sofrida e pontos que farão falta
Eninho cansou, rescindiu com clube coreano e está voltando para o Brasil

Eninho cansou, rescindiu com clube coreano e está voltando para o Brasil

Eninho cansou. Um gigante do futebol resolveu dar um tempo na bola. Ele precisava realmente. Eninho vive o futebol desde os cinco anos de idade. Sonhos, esperanças, frustrações, vitória, derrotas, conquistas, perdas, ganhos, idolatria, cobrança, dedicação. Estas palavras fazem parte da vida de Eninho há quase 30 anos e era preciso descansar.

Ele encarna o espirito competitivo, a vitória a todo custo, a busca pela perfeição. Mas quando isso passa a ser um fardo é o alerta que chegou a hora de descansar. Vale a pena ressaltar que a carreira construída fora do Brasil proporcionou um padrão de vida satisfatório, contratos muito bons e um reconhecimento que Eninho não imaginou vivenciar fora do país. Mas ele tem um sentimento diferente e nesta reta final na hora de decidir sua vida, abriu mão de dinheiro, abriu mão – por incrível que pareça – de novos contratos, quer apenas descansar.

Nestes quase 30 anos correndo, fazendo arte, se machucando, vencendo, perdendo, Eninho transformou-se. A transformação foi como pessoa, como ser humano. O menino transformou-se em homem. Ele construiu uma família. Ele amadureceu. Era um menino cheio de sonhos e a dureza das derrotas, da vida, lhe fez se transformar em um homem maduro, ciente de suas responsabilidades, de sua importância.

Conquistas e felicidade na carreira: Eninho repensa se foi um "adeus" ou um "até logo"

Conquistas e felicidade na carreira: Eninho repensa se foi um “adeus” ou um “até logo”

O cara que valoriza a família, os amigos, as pessoas mais próximas. O cara que passou a auxiliar pessoas sem nem precisar aparecer. Ele construiu relações de amizades que são confirmadas ao final do ano com a presença de diversos jogadores no jogo de amigos do final de ano em Murici.

Distante e sozinho – mesmo quando está acompanhado de sua esposa e filhas, Eninho cansou do ritmo de países diferentes do Brasil, da forma de viver e se comportar, dos treinos com temperaturas abaixo de zero, da rotina. Ele está voltando para casa.

Acredito que o descanso necessário perto dos seus irá energiza-lo para jogar mais um ou dois anos e ai sim, pendurar as chuteiras e ter muitas, muitas histórias para contar. Retorne ao seu país, retorne para o carinho, o ombro, o colo dos seus pais, retorne para a resenha dos seus parentes e amigos, retorne para o seu cantinho na Barra, o aconchego de Murici, para momentos pequenos nos últimos anos que sempre ocuparam sua cabeça e seu coração. Sou testemunha do quanto você se sentia feliz durante o mês de férias no Brasil, em casa, perto de todos nós.

Estamos de braços abertos – e, me incluo, para lhe esperar, te dar o apoio neste momento de cansaço, energiza-lo e voltar a ver sua arte em campo no próximo ano. Bom retorno. Vamos te esperar, meu amigo, gigante.

  • Eduardo Nunes

    Excelente jogador !!
    Parabéns pelo resto Marlon !!!

  • Arthur Loureiro

    Marlon, bota esse homem no CSA pro ano que vem rapaz!!!!

    kkkkkkkkk

  • Walney Gomes de Barros

    Eninho tem futebol de sobra pra jogas em clubes de todo o Brasil, queria ve-lo novamente com a camisa do CRB e espero que isso se torne realidade. Caso não ocorra, desejo sucesso seja lá em qual clube for.

  • Caio Sutareli

    Prezado Marlon, sempre leio seus comentários (maneira simples e direta de escrever), descreves muito bem a realidade do nosso futebol, e, em particular, os nossos fantásticos boleiros. Vamos abrir os braços e esperar o menino Eninho, ôpa, o Eninho Homem, com Agá maiúsculo. Abraços.
    Valeu Marlon!

  • Fernando Almeida

    Taí um jogador que tem espaço em todos os times da série B do Campeonato Brasileiro, e em alguns da Série A.

    Meio campo de encher os olhos, tem: passe refinado, lançamentos precisos, bola parada beirando a perfeição e muita habilidade.

    CRB poderia fazer esse “enorme favor” e presentear a nação regatiana, realizando uma proposta ao Eninho e o contratando para comandar o meio campo do time na série B do brasileiro.

    Jogadores como Clebinho, Leandro Brasília e Fernando só estão no clube para inflacionar a folha de pagamento.

    Clebinho (somente se destacou em campeonatos de baixo nível técnico, até mesmo na série C ano passado teve altos e baixos, apenas atingiu destaque nos últimos jogos do clube, e em Campeonato Alagoano, onde foi Rei, mas série B é outro nível, e percebe-se a falta de qualidade técnica, de aplicação tática e de vontade neste jogador, por isso o ABC desistiu logo de tê-lo no elenco).

    Fernando (jogador sonolento, não tem condições técnicas de jogar a série B, inclusive disputou essa divisão ano passado pelo Luverdense e não chegou a jogar nem ao menos 10 partidas ano passado, daí verifica-se a “qualidade” do jogador, que não é unanimidade aqui, deixa muito a desejar desde o passe à finalização).

    Leandro Brasília (teve bom início, mas após a saída do Barroso caiu de produção, está cansado e sem disposição “gana” para jogar, um peso morto, é volante de origem, mas está fazendo função de meia, dispensável).

    Com essas dispensas, poderiam custear os salários do Eninho, que ao meu ver é bem mais rentável do que ter 03 “come e dorme” no elenco.

    No mais, mesmo que esse “sonho” desse torcedor do galo não se realize: Boa sorte Eninho, você é um baita jogador e ainda tem muita lenha para queimar e redes para estufar com suas magistrais cobranças de faltas e chutes de longa distância.

    Quando se fala em Eninho somente me vem a memória belíssimos gols que ele fez com a camisa do galo em 2006: 1) Contra o América RN em Natal no Machadão (falta quase na linha divisória do meio campo); 2) Contra o Ituano no Rei Pelé (falta de longa distância e bola no ângulo); 3) Contra o Remo no Rei Pelé (gol da virada e da permanência do galo na série B, chute cruzado).

Deixe uma resposta Fernando Almeida
Cancelar reply