O silêncio do CRB e a ausência de respostas – Blog do Marlon
Entre ASA e CRB, quem classifica?
Um artilheiro diferente em situações repetidas no ASA

 

Alberto Oliveira: jornalista dos mais éticos e qualificados que conheço

Alberto Oliveira: jornalista dos mais éticos e qualificados que conheço

 

 

Até agora não havia me posicionado no caso de censura do CRB com o jornalista e radialista Alberto Oliveira, integrante do Timaço da Gazeta, porque sinceramente esperava ou melhor acreditava que o caso seria resolvido da melhor maneira possível.

 

E isso ainda não aconteceu. No último domingo não trabalhei na partida pelas Rádio Pajuçara FM, mas com responsabilidade profissional assisti ao jogo, ouvi outras emissoras e acompanhei o trabalho de praticamente todos os companheiros.

 

Estranhei que desde o início dos trabalhos de outras emissoras, o assunto premiação a jogadores do CRB fosse tratado, o que claramente indica que o assunto estava forte nos bastidores. Deixando claro que o assunto não veio a público através do jornalista Alberto Oliveira.

 

Após o jogo, o clima de frustração do torcedor, de nós que gostaríamos de uma vitória, mas principalmente da direção do clube, eram visíveis.

 

No vestiário houve uma conversa com todo o elenco e não se tratou de premiação. O assunto foi a cobrança pelo resultado, mas acima de qualquer outra coisa, ofertar apoio aos jogadores, tanto que o presidente licenciado convocou atletas, comissão técnica e até alguns amigos da imprensa para um jantar em seu apartamento.

 

Todos da imprensa não tiveram acesso a discussão do vestiário. O CRB não veio oficialmente falar algo sobre isso e gerou-se alguns questionamentos sobre que assunto teria sido tratado. Durante a entrevista coletiva com Ademir Fonseca, técnico do CRB, o assunto premiação foi tocado e a primeira pergunta sobre o assunto veio de outro companheiro de imprensa, Luiz Alfredo, setorista da Rádio Difusora. Na sequencia Alberto Oliveira também tocou no assunto. Ademir respondeu normalmente. Nenhum jogador, nem nenhum dirigente sequer ouviram o que foi perguntado.

 

A informação foi repassada ao presidente por algum fofoqueiro de plantão e distorcida. Com a distorção e o que ganhou de proporção nas redes sociais, o assunto teve outra conotação. Me estranha, o CRB estar se balizando pelas redes sociais. Uma das alegações do clube é que os jogadores foram jogados contra a torcida. Ora um grupo experiente como este já foi acusado de absolutamente tudo nas redes sociais. Alguém esquece que se criaram teorias da conspiração até que o CRB havia vendido o resultado da final do alagoano? Alguém foi punido? Os jogadores se sentiram ofendidos com isso? Os dirigentes envolvidos no boato cobraram explicação? Não, não houve cobrança.

 

Historiei a situação porque com o começo dos trabalhos da semana, Alberto Oliveira foi cerceado de levar seu trabalho no dia-a-dia sob a justificativa que os jogadores estavam descontentes. Pura balela. Os jogadores não ouviram e foram orientados a não ouvirem a entrevista, pois o próprio Alberto conversou com alguns e eles até se colocaram a disposição para discutir e esclarecer o assunto. Mas receberam da direção a orientação de cumprirem uma determinação que veio de cima e se calaram. Já passei por esta situação quando estava na Jovem Pan, onde a rádio foi impedida de ter entrevistas dos jogadores do CSA.

 

A censura não cabe mais no momento democrático que vivemos. Não cabe para o presidente licenciado que tem nas suas maiores conquistas no CRB, um trato produtivo com a imprensa.  É hora de ter todo mundo próximo do clube nesta reta tão importante e decisiva. Ele é um homem acostumado ao ambiente de democracia.

Não cabe para Alarcon Pacheco. Um jovem que assim como eu, experimenta a democracia, o contraditório e a possibilidade do dialogo. Alberto exibiu a gravação – que Alarcon não tinha ouvido – e mesmo assim, atitudes diferentes não foram tomadas.

 

Por fim não cabe a Ednilton Lins, presidente em exercício do CRB e que não poderá jamais ter no seu currículo, uma mancha como esta. Ednilton sempre teve um trato cortês com todos da imprensa e com o embate de ideias. Já enfrentou situações complicadas com outros profissionais e teve a elegância e a habilidade de resolver os assuntos com sabedoria.

 

O CRB, como instituição centenária que é, não poderá permanecer com esta posição unilateral. Sem responder a tantas perguntas. Por que o Alberto Oliveira, quando o assunto foi tratado por toda a imprensa? Por que não discutir o assunto? Por que se balizar por algo que sequer foi ouvido? Por que não assumir de onde vem a proibição? Por que?

 

Nós como segmento estamos atentos e cobramos a resolução. O CRB e o caso não precisa que tudo tome outra dimensão e que as entidades como Sindicato dos Jornalistas, Sindicato dos Radialistas, Associação dos Cronistas Esportivos, tomem á frente do assunto e façam questionamentos, notas e tornem o caso maior do que o necessário. É hora de resolver para o bem do futebol, das pessoas envolvidas e do próprio CRB.

 

Ao companheiro Alberto Oliveira, jornalista sério, honrado e dos mais competentes que conheço, minha solidariedade e os votos de que isso passe rápido.

  • Gonçalo Duarte

    Olha Marlon ! Tinha minhas reservas aos elogios que ouvia a seu respeito , mas vim através deste reconhecer a forma elegante de Criticar e marcar posição sem macular ninguém , sem agredir , apenas narrando fatos e expressando sua visão , tenho 56 anos e não sou do elogio fácil , mas parabéns mesmo , e apartir deste momento serei também adepto do seu slogan é comentarei seu trabalho !

  • Rogério Costa

    É isso aí. Não podia esperar outra coisa de você, Marlon. Gente, o Alberto Oliveira é digno, ético, diz e escreve o que pensa. Tem opinião e não engole corda, ou faz média. E isso incomoda muito!

  • Jorge Coutinho

    O tratamento imparcial da informação lhe credita na condição de respeitabilidade e de compromisso com a verdade. Parabéns. O futuro a Deus pertence.

  • Carlos Augusto

    Parabéns Marlon, não só pelo comentário, mas pelo relato da verdade. Pois pessoas de bem como Alberto Oliveira não merecem serem execradas.

  • John Kennedy da Silva

    Parabéns!
    A crônica esportiva de Alagoas estava necessitando dessa oxigenada. Levar ao conhecimento dos apaixonados pelos esportes a informação sem meias palavras e no entanto com respeito é obrigação de quem faz a notícia. Que sirva de exemplo. Parabéns mais uma vez!
    Tive a satisfação de trabalhar com Alberto. E de fato é um profissional sério que merece RESPEITO.