As definições pós clássico – Blog do Marlon
Esperança de mudança tem nome: Vica
A novidade contra a necessidade

Passadas as emoções do clássico e a vitória do CRB sobre o ASA, faço uma análise de algumas definições para as duas equipes.

 

Jogadores do CRB comemoram vitória diante do ASA - Foto: Pei Fon-TNH1

Jogadores do CRB comemoram vitória diante do ASA – Foto: Pei Fon-TNH1

 

Entendo que o CRB vai brigar por uma das quatro vagas. Não vejo facilidade, favoritismo, nem sobra do CRB em busca desta vaga, mas vejo um time competitivo e com boas chances de chegar entre os quatro colocados.

 

Vi no ASA uma evolução, mesmo levando em consideração, o pouco tempo do técnico Francisco Diá. Para mim, o ASA vai lutar com tranquilidade contra o rebaixamento, não mais do que isso.

 

O CRB irá precisar que seus jogadores de mais potencial técnico possam mostrar um bom futebol. O time depende muito da passagem dos laterais, principalmente, o Paulo Sérgio. Não será todo jogo que Magrão fará uma partida tão positiva, no sentido de brigar, incomodar a zaga e ser efetivo dentro da área. É necessário que os meias possam ser mais efetivos e decisivos para o CRB. Também entendo que Ademir Fonseca precisará fazer melhor mudanças na equipe, pois as que fez no dia de ontem, foram ruins.

 

O ASA precisará de tempo para se adaptar as características de Francisco Diá. Ontem ao começar com um 3-5-2, o time mostrou-se atrapalhado. O ASA só cresceu com a entrada do meia Marlon e com a mudança do sistema tático para o 4-4-2. Não entendo como o volante Cal estava fora do time alvinegro. É um jogador operário, que protege a defesa com eficiência, não aparece para o torcedor, mas é fundamental no esquema tático de Diá.

 

Quem venham os próximos jogos. Para o ASA será fundamental vencer Treze e Paysandu em casa. Para o CRB somar pontos mesmo fora de casa, fará diferença para pensar em classificação para próxima fase.

  • Antonio Jacinto da Silva

    Mesmo assim o ASA foi prejudicado com a anulação do gol do Didira. A imagem da TV mostra que ele vem de trás. Se o gol fosse validado o jogo seria outro. Por isso sou a favor de arbitragem de fora pois dessa vez não foi o juiz mas foram os bandeirinhas que prejudicaram o alvinegro. A força politica da capital interferiu… uma pena!

Deixe uma resposta Antonio Jacinto da Silva
Cancelar reply