Nada é tão nosso quanto nossas escolhas e quando entendemos isso passamos a nos relacionar melhor com nossas renúncias e suas consequências. Ao longo da nossa vida vamos sofrendo a interferência de vários fatores externos e influência das pessoas ao nosso redor o que por vezes pode comprometer nossa independência em tomadas de decisões e formulação de escolhas. Então espero ter sua companhia até o fim deste texto, certamente valerá a pena.

Quando somos pequenos queremos escolher a roupa que vestir, nossos brinquedos, nossos amigos e a hora de dormir, essa autonomia nos empodera para a vida adulta. Nossas experiências, frustrações, desilusões e problemas existenciais nos permite amadurecer e fazer escolhas assertivas (na maioria das vezes). Esse treinamento que passamos ao longo da vida nos mostra que ninguém é suficientemente bom para decidir por nós, afinal de contas somos nós mesmos que sabemos o que é melhor para nossa vida. Mas os medos surgem de uma forma tão avassaladora que muitas vezes eles nos convencem que são mais fortes que nossa vontade de ser o que somos e é neste momento que precisamos refletir o que queremos.

Para algumas pessoas é mais fácil colocar o poder de decisão nas mãos de outra pessoal, afinal de contas se algo acontecer de ruim poderemos nos eximir da responsabilidade e culpabilizar aquele que nos ajudou a decidir. Tal atitude um tanto quanto amadora revela o quanto precisamos refletir sobre nosso papel diante da vida. Às vezes sem percebermos nossos relacionamentos, chefes e amigos tiram nosso poder de escolha e quando nos damos conta acabamos nos transformando no que os outros pensam sobre a gente e não no que de fato somos. O que parece ser uma verdadeira tragédia.

Lembre-se e nunca esqueça, você pode escolher o que quiser, o que implica em renúncias e para cada uma delas uma consequência. A vida é muito breve para permitirmos que alguém decida por nós, afinal de contas não podemos sentir orgulho de conquistas obtidas pela escolha de terceiros. Certifique-se do o que necessita e se isso é razoável, caso seja, capriche na coragem e no entusiasmo. Nascemos para ser livres e felizes, não se permita aprisionar em algemas de angustia, sofrimentos e carência.

—————

Se você deseja ficar por dentro de mais dicas como essas, me segue nas redes sociais, Facebook e Instagram, Psicólogo Vítor Luz.

Caso deseje enviar sugestões, relatos e conversar, aguardo seu contato [email protected].

Atualmente não há comentários.