Que o amor possa ser eterno enquanto dure, essa é a máxima que devemos acolher. Desde pequenos ouvimos histórias de amor às quais nos inspiramos e desejamos viver, ou quem sabe você já tenha chegado à conclusão que os contos de fadas pertencem a Disney e ela cumpre muito bem esse papel. Hoje meu propósito é despertar uma reflexão sobre o quanto estamos perdendo tempo com relacionamentos falidos.

Com o passar do tempo vamos observando o jeito como as pessoas se relacionam umas com as outras, isso acontece dentro e fora de nossas casas e em certo momento chega a nosso momento de experimentar, onde conseguimos demonstrar nosso afeto, atenção, cuidado, insegurança, generosidade e amor. Conheço relatos de pessoas que são muito felizes em suas relações afetivas e interpessoais, mas também conheço histórias bastante traumáticas. Cada uma destas possui um valor e merecem ser consideradas como importantes para nossa construção social e amadurecimento.

Os relacionamentos surgiram para proporcionar companhia, apoio, crescimento, expansão de visão, amadurecimento, evolução pessoal e nunca esqueçam, os relacionamentos precisam nos tornar pessoas melhores. Por vezes as circunstâncias da vida nos colocam em posições as quais não sonhamos estar, mas lhe pergunto, porque você está se submetendo a tudo isso? Porque escolhe sofrer quando pode ser livre? Porque insiste em relacionamentos falidos? Na eminência da solidão, nos sentimos obrigados a criar raízes em terras infrutíferas.

O livre arbítrio existe para nos lembrar de que somos livres e isso inclui escolhermos ser felizes. A vida é muito curta para nos aprisionarmos em gaiolas emocionais e correntes de tristeza. Vale reavaliar suas escolhas e por um ponto final em amores não recíprocos, relacionamentos tóxicos e histórias mal acabadas. Estar apegado a pessoas por interesse financeiro, sexual ou carência, além de não te trazer grandes benefícios, revela a necessidade de autoconhecimento.

Portando, avalie suas escolhas e escolha ser feliz, de uma vez por todas!

 

Atualmente não há comentários.