Imagens: Pexels

Esta semana encontrei exposto em um supermercado uma estante cheia de hortaliças “vivas”, cada uma em seu vasinho. Alfaces, tomates-cereja, rúcula (quem me conhece sabe o quanto amo), couve, pimentas…toda sorte de alimentos vivendo em uma pequena porção de terra, que por sua vez poderia ser colocado até no cantinho de uma área de serviço de um pequeno apartamento.

Mais interessante foi observar a reação de outros clientes no comércio, admirados com a ideia de manter os alimentos em um local apropriado, bem longe da geladeira. O olhar, independentemente da idade, era alegria infantil, como se estivessem fascinados.  E estavam.

Me peguei pensando em quando era criança e como ficava feliz quando minha mãe ficava em casa por algum motivo (já citei em outras postagens que ela trabalhou todos os dias da semana por anos, para manter os boletos em dia). Este era o dia em que ficávamos na cozinha, juntas.

Será que as crianças gostam tanto de alimentos ultra processados, como batata frita e hambúrguer, simplesmente por sua composição química ou pelo efeito que causam no organismo? Eu acredito que não só isso, mas também o ambiente no qual as refeições costumam acontecer. Quanto mais solitária for o momento, mais prazer o indivíduo terá de extrair do paladar. E é no excesso que mora o perigo.

Já foi comprovado que quando crianças e adultos se envolvem na cozinha, o resultado é bem mais satisfatório. Se seu filho ou filha ajuda no preparo do prato, ele vai estar mais propenso a desfrutar dele. Se ele cuida do pé de alface e um belo dia colhe suas folhas e faz uma salada simples, ele terá a curiosidade de provar como ficou sua “criação”.  Brincando você pode criar bons hábitos alimentares, mas isso leva tempo. Tempo e esforço.

Leia também: Abandonar o hábito de fazer refeições em família pode trazer sérias consequências

Se você tiver um pequeno espaço em casa, faça sua horta ou compre os vasinhos com as hortaliças vivas e deixe o cuidado delas com as crianças. Se envolva no dia a dia das panelas e aproveite os momentos na cozinha para conversar e fortalecer os vínculos familiares. Doe tempo permeado de aromas que seus filhos vão se lembrar por toda a vida.

É simples: dizer que não tem tempo é o mesmo afirmar não se importar. Nosso tempo é tomado por prioridades. Reavalie com o que você tem dispensado suas horas.  

Use a desculpa de precisar de ajuda para fazer um bolo e fortaleça laços de amor. E se o amor é firmado com ações, nada melhor que o resultado seja ornado pelo perfume de chocolate inundando toda a casa, em uma tarde de domingo.

Atualmente não há comentários.