O governador Renan Filho considera, cada vez mais, a possibilidade de não ser candidato a nada em 2022, mas não quer repetir Téo Vilela, entregando o Palácio para um “adversário”.

Efeito rebote do caso Luciano Barbosa.

Só que ele já está dando um passo adiante: prepara dois candidatos para a sua sucessão.

Ambos são secretários: Rafael Brito e Alexandre Ayres.

O primeiro, da área de Turismo, é apontado como um personagem “alegre e articulado” junto aos setores mais relevantes da economia local.

Ayres teria perfil diferente e carregaria com ele o “troféu” da melhora da Saúde em tempos de pandemia, tirando a pasta, inclusive, das páginas policiais (independentemente da operação da PF no HGE).

Por óbvio, o plano, e seja lá qual for a opção, considera que Luciano Barbosa é carta fora do baralho político da família Calheiros.

E Marcelo Victor?

Ninguém confia em ninguém nessa seara, e os ódios aplacados podem voltar à tona em 2022.

Tracking é o pega-trouxa da campanha eleitoral em Maceió
Quase 40 mil alunos da rede municipal de Maceió não terão mais aula em 2020
  • Há Lagoas

    E Rui Palmeira?!
    O apoio a Alfredo Gaspar foi pro ralo?!

  • Sampaio

    Eu acredito, que o nome mais próximo do caráter dos Calheiros deveria ser o do secretário Santoro. Esse sim tem o sangue frio para fazer qualquer maldade com a população, é dormir tranquilo durante a noite. Veja os exemplos dos funcionários público principalmente os aposentados é pensionista. a maioria perdeu o direito de ter um plano de saúde particular. Eu mesmo perdi o meu. Tive que escolher pág o Al previdência ou ter um plano. A Justiça dos homens é falha é muitas vezes corrupta ,como estamos vivendo com esse presidente do tribunal de justiça. Mais a de Deus essa não falha nunca é chega na hora certa.

  • Tony

    Mais uma vez o governador Renan Filho coloca a “carroça à frente dos bois”. Prever um palanque para 2022 quando ainda não se sabe o quadro eleitoral a partir de 2021. Muita água vai passar por baixo da ponte até o pleito de 2022 e até lá, muita coisa pode mudar no cenário politico partidário em Alagoas, especialmente em Maceió e Arapiraca.

  • DENIO CAVALCANTE

    AS CAPITANIAS HEREDITARIAS NAS ELEIÇÕES DE ALAGOAS
    O sistema de Capitanias Hereditárias foi um modelo administrativo implementado pela Coroa Portuguesa no Brasil em 1534, elas podiam ser passadas de pai pra filho daí vem sua denominação. Hoje temos o fruto de nosso sistema eleitoral que se assemelha muito a esse antigo modelo administrativo. Como se não bastasse a pouca ou quase nenhuma renovação no nosso legislativo, onde parlamentares se agrupam em seguimentos corporativistas como as igrejas, agronegócios, militares e outros… Temos um problema ainda mais grave, a eleição por DNA.
    Isso mesmo os critérios para se eleger um membro do legislativo passa longe da competência e da idoneidade, se baseando muito mais na chamada “hereditariedade politica”. O que mais podemos observar hoje tanto na esfera federal, estadual e municipal é a força do DNA. Só para melhor ilustrar essa situação no Congresso Nacional temos pelo menos 378 parlamentares com laços familiares com outros políticos, de menor ou maior envergadura.
    Imaginem a situação na nossa pequena “Capitania das Alagoas”, onde o exemplo começa já dentro do Executivo, espalhando seus tentáculos para o legislativo estadual e municipal, assim como em menor proporção para o judiciário.
    Circulando pelas ruas da nossa querida Maceió, constatamos com facilidade nos banners, outdoors, bandeiras, faixas e “santinhos”, sobrenomes que se repetem, mostrando a tentativa desesperada das famílias em perpetuarem seu “DNA politico”.
    Vemos as chamadas “figurinhas carimbadas”, tentando eleger na esteira politica familiar, seus filhos, netos, sobrinhos, irmãos, conjugues. Interessante como a carreira politicas desses “mauricinhos e patricinhas” da politica são traçados ainda no útero materno.
    Esse ciclo vicioso torna-se mais gritante na esfera municipal, onde o sobrenome tem um poder quase mágico, parecendo ser esse suficiente para legitimar uma candidatura. A coisa piora ainda mais nos chamados “currais eleitorais”, onde além da hereditariedade politica, surge a influencia do poder econômico. Onde juntos se tornam verdadeiros campeões de votos.
    Pois bem a sociedade tem o poder de acabar com esse sistema de hereditariedade eleitoral, basta buscar candidatos onde o DNA não seja a base primordial para eleger um representante do povo, pois aí sim, deixaremos de eleger único e exclusivamente representante de oligarquias politico familiar para elegermos pessoas compromissadas com os problemas sociais e econômicos da nossa cidade.

    Dênio B. Cavalcante (sem parentes políticos)

  • Tony Frank

    Todos os ex-governadores, por não fazerem uma administração com justiça social e salarial perante as funcionários, perderam as eleições tanto para prefeitura em Maceió, como para eleger o sucessor. E o atual continua neste caminho. Paga-se um dos piores salário do país na Educação, funcionários da saúde, menos os médicos, com salários de miséria, mesmo na pandemia, e os agentes e escrivães da PC de Alagoas entre os três piores salário do país, e o único estado estado da Federação que o Soldado da PM e BM ganha mais que um policial civil.

  • James

    A melhora da saúde kkkkkkkkkkkkkkk essa foi boa! Então o secretário nunca foi no HGE.

  • Jorge

    Totalmente desconectado, esse é o tapia. O verdadeiro, tá guardado! Aguardar prá ver! Talvez, no xilindró!

  • Consigliere Alagoano


    Tem de ser um homem que SAIBA como as PESSOAS FUNCIONAM e seus DESEJOS INCONFESSÁVEIS, que sabe INTEGRAR-SE, tomar a DIANTEIRA ou MISTURAR-SE de acordo com o que lhe for mais VANTAJOSO. É um homem que combina a astúcia com a inteligência ao nível mais alto que se possa imaginar.

    Eu poderia dizer o NOME….
    Não o FAREI… (Ele já está entre eles no palácio de Vidro)

  • Observador

    Ninguém nem sabe o que é que vai acontecer nessa eleição, imagine em 2022!

  • Wellington

    Kkkkk, tá se achando,vai deixar uma herança maldita massacrou os aposentados.

  • janisete da silva souza souza

    rodrigo cunha sim serrar nosso governador

  • Filho

    KKKKKKKKKKKKKK
    KKKKKKKKKKKKKK
    Duas vezes. Uma pra cada nome.
    Profissão de um: irmão do genro.
    Profissão do outro: genro do irmão.

  • Alex

    Candidato a nada, só essa família mesmo largar as tetas do Poder. Ele vai ser candidato ao Senado, suceder ao pai. Só quem acredita em Papai Noel vai na onde dessa história.

  • carlos ferro

    Caro Ricardo!
    Esse governador fez uma péssima administração.Massacrou os servidores estaduais.Para você ter uma idéia,um servidor da saúde nível superior 20 horas recebe 1.500,00.E o pior,jogou uma pá de cal nos aposentados.Como um senhor desse quer eleger o sucessor?

  • Verdadeiro

    Professia de nós tradamos: “o futuro governador será da terra da paixão com o número de ponta esquerda”.

  • Boca da mata

    olhe o candidato ao Governo em 2022,mais forte hoje que o MDB tem, Chama se o Deputado Federal Max Betrao.

  • Paulo César

    Vejo todos os políticos com usura para se manter no poder. Há pouco tempo famílias enlutadas não podiam enterrar os seus mortos, os hospitais sem leitos e médicos negligentes, mandando os pacientes para casa, dizendo que só retornassem quando estivessem com falta de ar…Será que o povo esqueceu ?
    A cada dia novos imóveis apresentam rachaduras, bairros históricos como o de Bebedouro vai sumir do mapa, milhares de pessoas adoeceram, morreram e outras estão sob efeito de medicamentos controlados e nem políticos, nem justiça fazem nada, falam num ‘ acordo ‘ onde quem perdeu sua casa nem participou. Um acordo tramado por apenas uma das partes e empurrado goela a baixo pela outra, e o pior, os que mobilizaram para fazer alguma coisa, agora se lançam a candidatos, por que se acham no direito de ser político, por ter ajudado em algo que era do seu próprio interesse.
    Acordem Maceioenses, façam uma visita no HGE, é um lixo e descaso com o ser humano e esses energúmenos ainda falam que vão melhorar a saúde. Vocês acreditam mesmo ? Porventura se a saúde publica fosse boa os políticos também não a usariam ? Os políticos daqui só se cuidam no Sírio Libanês e Albert Einstein as vossas custas e nem sabem que o HGE existe ! Veja se algum deles fazem suas propagandas lá, mostrando a realidade do caos que é nossa saúde ? Revolucione, mude, use da forma mais coerente a arma que você tem nas mãos; O VOTO !

  • José Silva dos santos

    Eu fico observando e vejo que ninguém presta pra niguem o bom mesmo foi o suruagy ai que saudade da quele tempo

  • Carlos

    Imagine os subprodutos do desnaturado governador Renan Filho!