Uma das conquistas da sociedade brasileira pós-ditadura foi o acesso que as pessoas tiveram às suas fichas nos serviços de informação dos governos militares.

O que se imaginava?

Que essas fichas existiam, ainda que não se conhecesse – na maioria – o seu conteúdo.

Eis que, na semana passada, o UOL revelou que “o Ministério da Justiça colocou em prática, em junho, uma ação sigilosa sobre um grupo de 579 servidores federais e estaduais de segurança identificados como integrantes do ‘movimento antifascismo’ e três professores universitários”.

Ou seja: estavam espionando trabalhadores do serviço público, motivados sabe-se lá por quais motivos (embora dedutíveis), embora já saiba que eles integram movimentos antifascistas.

A ministra Carmem Lucia, do STF, deu 48 horas para que o Ministério da Justiça e Segurança Pública explique o que fazia bisbilhotando a vida de trabalhadores do serviço público. Atendeu a uma Ação da Rede Sustentabilidade.

Mas é pouco.

Assim como aconteceu no pós-ditadura, o governo federal tem a obrigação de apresentar o seu relatório; e as pessoas espionadas têm o direito de saber o que o governo procurava e encontrou (ou não) nas suas condutas que lhe foi tão incômodo -, a ponto de gastar o dinheiro público nesse trabalho subterrâneo.

Isso é muito grave e revela vícios antigos da “nova política”.

Briga eleitoral entre os Beltrão terá outro território além de Coruripe
Militares nas urnas: comandante da Lei Seca quer ser vereador em Maceió
  • Marcelo Silva

    Este é o ministro terrivelmente religioso que o bozo quer colocar no STF.

  • Antonio Carlos Barbosa

    Os serviços de informações do governo, servindo para atender interesses particulares. É a Milicia do Bolsonaro em ação no serviço de informação. O mais preocupante é o fichamento dos defensores da democracia, os Antifas, tornando a ação de fichamento dos democratas, uma confissão que Bolsonaro é fascista. Para fechar o STF e acontecer o sonho do Bolsonaro, que é uma ditadura, basta um Jipe, com um soldado que é o atual ministro da justiça e um cabo que é o atual PGR Aras.
    Aviso ao serviço de informação fascista, que eu sou democrata e antifascista. Vida que segue.

  • QUARENTENA.

    Pois bem, é bem verdade que o ministros do STF estão ou estavam espionando o governo,isso é legal? acho que não, não estou aqui defendendo governo nenhum, apenas divulgando o que é fato.

  • Daniel

    O Brasil virou um banga lelé, poderes exorbitando suas atribuições e desarmônicos. Hoje literalmente vivemos o pior momento jurídico da História.