O deputado federal Arthur Lira chegou ao poderoso posto de líder o Centrão também pela capacidade de assimilar as críticas e acusações de que tem sido alvo – não sem justificativa – desde que ganhou projeção política local.

Ele? Nem aí.

Ainda que não tenha motivos de preocupação com o desfecho objetivo das ações que enfrenta na justiça – inclusive no STF –, serão elas as munições dos adversários que enfrenta na disputa pela presidência da Câmara Federal.

Num rápido resumo: ele é réu no STF em uma das ações da Lava-Jato (do “quadrilhão” do PP) e investigado em duas outras, daquele pacote que vai sendo encoberto pela penumbra do esquecimento.

Ora direis: não é só ele – Collor é o primeiro réu da Lava-Jato no Supremo e sabe que seu julgamento está marcado para o dia do Juízo Final. Calheiros, também senador, deve dar boas gargalhadas ao lembrar de tudo que já foi acusado ou é investigado na mesma e ruidosa operação.

No caso de Lira, ainda tem mais: ele foi condenado em segunda instância pelo TJ na Operação Taturana, o que, em tese – não confirmada – o tornaria inelegível pela finada Lei da Ficha Limpa.

Ora direis (de novo): não é só ele – o deputado Paulão também está condenado pelo TJ e pelo mesmo motivo. Ambos não têm, nesse caso, com o que se preocupar. O que está posto não será deposto.

Mas o líder do PP, escolado nas coisas de Brasília, sabe que o bombardeio ainda vem por aí: ele vai se tornar manchete (s) da imprensa nacional por dias – meses, talvez – seguidos, tão logo for confirmado como potencial sucessor de Rodrigo Maia. E com a ajuda dos aliados, ressalte-se, o que Churchill bem revelou.

Qual a grossura do seu “couro”?

Ele vai ter de descobrir – e responder.

O melhor exemplo de sobrevivência ao bombardeio, ainda que com a renúncia à própria honra, foi José Sarney – o “interminável” ex-presidente, finalmente deposto no Maranhão.

Congresso Nacional é responsável por 92% das ações contra a Covid-19
Chuva ajuda e isolamento social chega ao nível mais alto em 40 dias
  • Mário

    Perguntar não ofende: o que fazem os “grandes” representantes da bancada federal pelo estado? O Poder Judiciário é tão lento que uma tartaruga em seu ciclo natural, em torno de quarenta anos (nascimento/desova na mesma praia), ganha da justiça ou injustiça em julgar um processo. (raras exceções). Triste realidade.

  • Há Lagoas

    Você citou algumas figuras políticas que até hoje compõe – ou nos representa – na República das Bananas. Só gente proba, a mais fina nata da sociedade, pessoas qualificadas para ocupar cargos políticos.
    E é aí que percebemos o quanto o poder judiciário é virulento para o cidadão comum! Sua inércia rouba a nossa esperança.
    Mas, ainda existe aqueles que acreditam no judiciário – o paladino da justiça – que vai nos salvar do atoleiro…
    É por isso que eu insisto, voto em Arthur Lira tão somente pela continuidade do VLT até o bairro da Mangabeira!

  • marcelo

    Infelizmente ladrão de galinha é condenado em 1ª instância. Quantos aos poderosos…

  • Luciano Carvalho

    Pra mim foi surpresa ele tão famoso em Brasília, mas aqui, pouco aparece, ou aparecia… até ontem o Pai tinha mais prestígio. Quanto a lista dos fora-da-lei (nem sei se ainda usa os tracinhos), pra mim o campeão do título nem-nem, é o Collor.

  • Luiz R S Filho

    O maior órgão controlador do País, na atualidade, muito acima de AGU, TCU, CADE, e outros do ramo, está conduzindo o trâmite “bumerangue” do processo que atinge os nobres membros do PP.

    https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/07/supremo-adota-vaivem-burocratico-e-retem-acao-contra-quadrilhao-do-pp-um-ano-apos-aceitar-denuncia.shtml

  • LimaJR

    E o Brasil continua a ser o paraíso dos políticos corruptos!
    Arthur Lira é mais um que se beneficia da impunidade dos poderosos e da má escolha dos eleitores.
    Quem sabe um dia, será uma prática nesse país, promove ações práticas de mobilização para fortalecimento de uma cultura de intolerância à corrupção.
    Quem sabe um dia!

  • Carlos

    O povo tem as informações em que os políticos estão envolvidos em vários processo de corrupção e continua votando neles e muitos anulando ou branco o voto,de certa maneria cooperando com a corrupção e não procura votar em outros candidatos com a ingênua desculpa que todos são iguai e nada muda e o pior quer jogar a culpa na justiça lenta e até alguns caso conivente . Ser corrupto no Brasil ,parece ser compensador. Lei da ficha limpa ou lei da piada limpa. Aqui em Coruripe, o tem um pre-candidato a prefeito que responde processo por desvio da educação do município de Feliz Deserto, não está nem aí…

  • Isaura

    Não só Artur Lira, são tantos e tantos e sempre. Chego a pensar que o errado é você: Ricardo Mota. Ah, e eu também.

  • WAL

    Coisa da oposição, os nobres, são todos Santos, eles nem conhecem dinheiro…

  • Cris Elis

    É triste porém verdade, o simples fato de tê-lo como nosso representante na câmara alta já seria por si só, motivo de vergonha, agora tê-lo como presidente daquele poder, ai já é demais, Arthur Lira é a personificação do mal, a junção do que há de pior na política Alagoana!
    Afasta de nós este cálice…