Na verdade, todos os servidores públicos estaduais, ativos e inativos, saem perdendo com a reforma do AL Previdência (obrigatória, segundo o governo).

Prejuízo maior, entretanto, terão os funcionários públicos  aposentados que recebem acima de um salário mínimo – o “novo teto” de isenção para o AL Previdência.

Eles passam a pagar 14% do que receberem acima deste valor – R$ 998,99, a partir de janeiro do próximo, quando vai vigorar o novo modelo (dentro de três meses).

O teto de isenção até agora era de R$ 5.839,46. Ou seja: o servidor inativo que recebia uma aposentadoria até este valor não pagava nada mais ao AL Previdência. Só quem tinha salários superiores a este teto é que descontava para a Previdência.

Agora, toda a diferença a mais do salário mínimo será tributado em 14%, como explicou ao blog o secretário Fabrício Santos, do Planejamento.

Um exemplo bem simples: o aposentado que recebe hoje R$ 2 mil descontava 0% para o AL Previdência – passará a pagar R$ 140,00/mês (o cálculo serve para os valores acima deste).

O que, na prática, é um corte de salário.

Quem já recebia pouco vai receber menos ainda.

Mal-estar entre Olavo Calheiros e Jó Pereira marca votação do AL Previdência
Governo do R.G. do Norte deu 15 dias para a sociedade debater projeto da Previdência
  • Maceioense

    Vergonhaaaaa…..

  • Erick

    Uma vergonha esse governo hereditário e e$$es Deputados que também são uma vergonha para Alagoas, enquanto o povo não aprender a vota só vamos ter e$$es tipos de políticos e politicagem, infelizmente…

  • Carlos

    14% de 2.000 é R$ 280,00, não?

  • IRAILDE DE OLIVEIRA SILVA

    sem aumento e um salário defasado ficamos agora sem o dinheiro do gás.

  • Mauricio Dias

    Vou lembrar dele na próxima eleição.

    • Pedro

      Por que não lembrou na eleição anterior?

  • De Lima

    Um verdadeiro massacre.

  • Cidadão

    A conta chegou rapaziada, só não vai pagar os bacanas que que nos colocaram nessa sinuca de bico, ou seja, nossos políticos de estimação, esse é o estrago promovido pelos 30 anos de democracia, agravada pelos últimos 16 anos do partido que se dizia dos trabalhadores, O BNDES, PETROBRÁS, vcs acreditam que é do povo brasileiro????kkkkk kkkkk.

  • edvan

    Ninguém ver interesse dos políticos em querer perder privilégios, no entanto, para votar em desfavor da população, não tem oposição só governo.

  • Alessandra

    Vcs estão reclamando de barriga cheia, para quem trabalha em empresa privada é descontado em cima de todos os proventos. Parem de reclamar o governo tá certo.

    • Pedro

      Essa se encher a barriga, apanha sem reclamar kk!

  • Cícero

    Governador enrolão maldita hora em votar nesse cidadão mais as eleições p Senador vem aí p ele levar rasteira…

  • José Barbosa Perdigão Filho

    Voltou neles porque quis, agora tome, volte de novo na próxima eleição.

    • Pedro

      Também acho que deve votar nele mais uma vez. Se votou pensando em benesses, merece o governo que tem. Eu não voto nessas lástimas de modo algum!

  • Gustavo

    Que palhaçada essa mudança. Um absurdo!

  • Carlos A. Toncelli

    Verdadeira miséria, 73% dos servidores recebem entre 1100,00 e 2 mil,reais, já não tem reajuste e ainda se prejudicar. Estado desmoralizado, sem governo, sem saúde, sem educação. Votem mais nessa família miserável.

  • Valdeck

    O AL Previdência nunca foi levado a sério pelas Vossas Excelências, nunca geriram como deveriam até levá-la à míngua. Vivemos sob a égide de um regime democrático, porém autoritário nas três esferas de poder, onde grassa a máxima maquiavélica: “Aos amigos tudo, para os inimigos a lei”. A perseguição ao funcionalismo público, seja não remunerando-os condizentemente, seja ignorando dissídios, seja precarizando as relações e ambiente de trabalho, retirando direitos e sobretaxando-os, é de uma vileza sem tamanho. Governam de costas para quem os elegem, para quem põe a máquina pública para funcionar mesmo que falte insumos, por irresponsabilidade dos gestores públicos. Na outra ponta, vemos perdão de dívidas seculares do empresariado sucroalcooleiro, investimento em clubes de futebol, isenção de alíquota nos combustíveis das empresas aéreas, alto índice de funcionários não concursados, garantia e aumento do custeio para os Tribunais, para a Assembleia Legislativa e Câmara de Vereadores para que a corte bacante palaciana não tenha óbice em seus intentos e desejos, mesmo os mais espúrios. É uma gestão punitiva e que cobra justamente de que é massacrado, o funcionalismo público.

  • JEu

    Por isso falei, em comentário anterior, da necessidade de mobilização séria e grave dos funcionários públicos (inclusive inativos e pensionistas) para colocar como objeto de negociação para a aprovação da reforma previdenciária estadual, os atrasados não pagos relativos aos reajustes constitucionais devidos pelo Estado desde que o governador mininim tomou assento na cadeira do Palácio República dos Palmares… uma seria uma compensação para as perdas com o recolhimento da alíquota para a previdência estadual desejada pelo governo, de 14%.

  • Luciane Bombastt

    Política sacanas corruptos;quando o Ipaseal existia de verdade tiramos médicos etc..,agora só no SUS.

  • Alentado

    Enquanto isso os cabides de empregos perduram, políticos com 100 mil assessores fantasmas, devolvendo o salário para o senhor feudal, se todos os “servidores” daquela assembleia resolverem trabalhar o prédio desaba. Isto é: mais do mesmo. Teve aumento para os abastados, para os pobres, o farelo.

  • José Carlos

    As eleições vêm aí.Vai votar nêles de novo?

  • iraldo

    Votaram em Bolsonaro e se lascaram. A reforma da previdencia estadual foi imposta pelo bozo.

  • Ederaldo

    Apredi votar há muito tempo, aprendam voces também consciência tranquila.

  • Lili

    Bem feito, eu avisei. Vote neles de novo.