Muito dificilmente o Projeto de Reforma do AL Previdência será votado nesta terça-feira.

Os motivos principais: a Nota Técnica da Associação dos Procuradores de Estado e a mobilização dos servidores, mesmo que tardia.

Já está encaminhada uma mudança ao PLC 78/2019, a ser aprovada pelos deputados: O Conselho do AL Previdência manterá sua composição original – e será paritário -, com a volta do TJ, MPE, Defensoria, da Assembleia e até do TCE.

Lembrando que no projeto de Renan Filho apenas o governo Estado estava representado.

E quanto ao aumento da alíquota a ser descontada dos servidores?

Garante o deputado Bruno Toledo, de oposição, será mantido o percentual que consta no PLC, “linearmente”.

Segundo ele, a emenda que foi proposta, de escalonamento de 7% a 16%, “não tem clima para aprovação” na Casa de Tavares Bastos.

O deputado Antônio Albuquerque conseguiu suspender a votação da matéria, mas pode  pedir pauta.

Na nova Previdência do Maranhão, alíquotas vão de 7,5% a 22%
Deputados apostam na Justiça para barrar mudanças na aposentadoria dos servidores
  • JEu

    Quando a pancada atinge o bolso, todos gritam… principalmente os mais “abastados”… como dito na sabedoria popular… agora, creio que cabe ao movimento do funcionalismo público começar a exigir o pagamento dos percentuais do reajuste constitucional negado em vários anos, desde que o mininim tomou assento na cadeira do Palácio República dos Palmares, como forma de “negociação” para aprovação da reforma previdenciária do Estado…

  • Paulo

    O Sinteal estará pagando pela omissão e apoio ao governo do Reinaozinho, pela troca do apoio “Lula livre” sem nenhum reajuste e sem nenhuma reclamação do sindicato, vamos amargar a perda de 3%. Nunca na história desse Estado se viu um desajuste .

  • Pedro

    O que deve ser mudado não é o Al previdência, mas o governador.

  • Cidadão

    A água bateu na bunda dos governadores que estão contra o governo federal, se na época, alegavam que a feia pelo Paulo Guedes era inviável, dêem seus pulos agora.

  • Misael

    Benedito de Lira, lança candidatura a Prefeito de Barra de São Miguel.

  • Carlos Ferro

    Não adianta aumentar aliquotas para 14% se o governo não faz concursos e nem reajusta salários.Quem mantém esses fundos são os servidores da ativa,a matemática é simples se sai mais do que entra a tendência do fundo previdenciário é a falência.

  • jezualdo

    Os senhores de murici nunca pensam em ninguém, não precisa de apoio e muito menos de dinheiro. Tudo são deles e pra eles, nunca pra ninguém, essa historia de apoio já deu. Querem saber quem são, vão a murici e veja a gestão dos mesmos.
    A cidade mesmo dirá.