Em nenhum momento da história recente da instituição, as disputas internas do Ministério Público Estadual conheceram o real sentido de união: a divisão de grupos foi quase sempre uma marca por lá.

Entretanto, o que acontece hoje parece ser o paroxismo de uma situação complexa, que só agora aflora para o grande público.

Ao procurador-geral de Justiça cabe, entre outras importantes missões, apaziguar os ânimos, dando o rumo que o MPE há de trilhar e que a população tanto precisa.

Nesse cenário, o PGJ Alfredo Gaspar de Mendonça se encontra, hoje, mais afastado do que nunca da disputa eleitoral do próximo ano – para a qual tentam arrastá-lo, pela boa imagem que preserva junto à população.

A história tem seus próprios truques e ardis.

"Hoje temos duas seitas atuando no Brasil", diz cientista político
Lessa decidirá sobre prefeitura após pesquisa qualitativa em dezembro
  • Williams Roger

    Procedimento Extrajudicial Nº
    👉 09.2019.00000857-7 👈

    Parabéns Dr. Gaspar. Tá no caminho certo. Também, vamos combater as prevaricações nas instituições e órgãos públicos de Alagoas.
    Diz um ditado: PIOR DO QUE A CORRUPÇÃO DOS POLÍTICOS E AGENTES PÚBLICOS, É A PREVARICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES!
    Tmj!

    https://eassim.net/r-240-milhoes-em-contratos-irregulares-collor-e-denunciado-na-pgr/

    Procedimento Extrajudicial Nº
    👉 09.2019.00000857-7 👈

  • JEu

    Tudo indica que esse é o melhor caminho mesmo para o Alfredo Gaspar… pois nesse meio politiqueiro muita coisa ruim sempre pode ser jogada no ventilador e ele, mesmo não merecendo, poderia ser atingido… porém um fato importante: é que com a retirada do PGJ da disputa, o governador mininim só terá que dar um jeito (de novo) de destruir uma ou duas candidaturas que ameaçam a ganância pelo poder do clã calheirista… e Maceió é e sempre será a cereja do bolo nas eleições municipais, jamais vencidas por essa família gananciosa…

  • Bruno Lins

    Parabéns Alfredo, Maceió hj tem um ótimo nome q deve ter sua chance ( Jhc ) sem Calheiros e sem esse Rui péssimo prefeito.

  • Observador Distante

    Acho que os membros do MP devem ficar afastados da política partidária. A credibilidade do juiz moro se esvaiu completamente, quando ele evidenciou seu projeto de poder político, assumindo um ministério do atual governo federal. Para o bem das instituições, melhor evitar que se lance impressão de parcialidade nas atuações do MP e do Poder Judiciário, sejam quem forem seus membros, mantendo sua imagem de seriedade e de profissionalismo. É minha opinião.