Segundo a pesquisa do Datafolha, que aponta a queda recorde aprovação de Bolsonaro – 38%, a maior entre os presidentes, desde FHC, nos primeiros oito meses de governo -, as declarações do presidente queimam o filme dele cada vez mais – apesar das suas “redes sociais” dizerem o contrário (é a chamada pregação para convertidos).

O mais surpreendente, pelo menos para mim, é que a defesa presidencial do “cocô dia sim, dia não” alcançar a maior rejeição entre os 2.878 eleitores entrevistados pelo instituto.

Ganhou até da indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada dos EUA em Washington, pelo menos quando ele disse: “Pretendo beneficiar um filho meu, sim. Pretendo, está certo. Se puder dar um filé mignon ao meu filho, eu dou”.

Em terceiro lugar ficou a declaração sobre os “paraíba”, rejeitada por 69% dos ouvidos pelo Datafolha.

O presidente terá dez dias, a partir de domingo, para refletir sobre o que diz e o que faz.

Quem sabe, ele não retorna melhor e começa a governar o país com seriedade.

Presidente do TRT/AL suspende demissão de servidores do Tribunal de Contas
JHC tenta avançar no eleitorado de Alfredo Gaspar e Cabo Bebeto nas polícias
  • Carlos

    Falando muita besteira e esquecendo dos avanços do governo e no entanto me parece que não tem o marketing natural do Collor e Lula de liderança das mentiras!

    • Desde Colonia 1500 somos Portugais & RAMALHo$ – loucura!

      Tocou no PONTO, Carlos … publicidade se faz com LUZES e sombras, cheiro de merda?
      > De FATO, a política é movida a PROPAGANDA, maquia e sombreia, ilumina e disfarça a FAVOR do çá BiXão.
      – Às vezes a PATA manca e num $E livra de tropeços, há riscos em EXCESSOS bom p’un$, p’un$ fedidos, gols contra.
      > E há BAJULAS agradando todo podRoZZo’$ irônica e falsamente com argumentos frágeis: m’e$gana q’eu góXto?
      – Assim é o JORNALISMO em divertida prosa diária aferindo e conferem luzes e cheiros de fumaça.
      > Usando LUZES q clareiam fatos sem ofuscar o contexto m jornais e TVs, blogs e quetais robustos.
      – Em particular me apraz o Sistema PAJUÇARA ao redor da Tv Record canal 7, além QUINTAIS e pomares idílicos.

  • Lion

    Pesquisa de quem? Datafolha? Aquele que disse que a Dilma seria a Senadora mais votada em MG? Aquele que disse que o Bolsonaro não ganhava de ninguém no segundo turno? Ah! tá, Minha dúvida: Acredito ou não nesse instituto? Acredito ou não na parcialidade da nossa anazinha imprensa local e nacional? Vou pensar….

  • Adilio Faustini

    Datafalha não vale, disse que o Suplicy já estava eleito senador por São Paulo e que o segundo lugar seria da Mara Gabrilli, Deu Major Olimpio em primeiro e Mara Gabrilli em segundo.Disse que Bolsonaro perderia no segundo turno para qualquer hum.

  • JEu

    O interessante é que esquecem o por quê do dito pelo Bolsonaro sobre o “cocô” dia sim, dia não… é que no dia anterior, ao que parece, teve uma matéria sobre um estudo feito, creio, lá para as bandas da Inglaterra, quando afirmaram que era melhor que as pessoas passassem a comer menos, mas muito menos, carnes vermelhas, o que forçaria a diminuição do rebanho bovino que, segundo o estudo, produz uma quantidade muito grande de gás metano, considerado um dos gases do efeito estufa… aí, um repórter foi perguntar ao Bolsonaro qual era a opinião dele sobre o assunto… e a resposta, segundo seu temperamento e por defender o agronegócio, foi direta e curta: deixem de cagar… ou façam dia sim dia não… afinal, como já o disse aqui, o Bolsonaro não foi eleito por sua “delicadeza” e “bom humor”… e quanto às pesquisas do Datalixo, todo mundo já sabe o que representam, e foi dito em alguns comentários acima… e afirmo que já estou esperando por mais uma “pérola” do Bolsonaro sobre sua cirurgia no próximo domingo…

  • Alabucano

    Um governo desses nem precisa de oposição, são autodestrutiveis.

  • JEu

    Em tempo: daqui à duas semanas o Bolsonaro vai à ONU, para o discurso anual, e já disse que vai falar sobre os direitos inalienáveis do Brasil sobre a Amazônia, e que defendo o desenvolvimento sustentável da área para todos, inclusive o agronegócio para os índios… aí vamos ver qual será a reação de todo o mundo…

  • Maria

    A esperança de dias melhores para o povo brasileiro foi o que elegeu o presidente, mas é nítido que a cada dia fica mais difícil de sustentar sua popularidade. A ficha vai cair mais devagar. Mais cairá.E o governo não sobreviverá a si mesmo. Bolsonaro é o que temos para agora, mas é preciso ver resultados positivos ou caso contrário o que seria a solução…vai se transformar na destruição.

  • Roberto

    Qualquer crítica, até construtiva, O gado muge!!!!Ô, vida de gado!

  • Miral

    Coco, Bolsonaro ou os filhos dele são todos a mesma m…

  • Adilio Faustini

    Agosto foi o melhor nos últimos anos na balança comercial a favor do Brasil.

  • um ALAGOANO

    Incrível a capacidade de atirar no próprio pé, cada dia uma bobagem é falada uma atitude desrespeitosa é praticada e fica difícil vc acreditar que esse cara vai mudar, o compromisso dele com Sérgio Moro não foi comprido e isso vai minando o comprometimento com a verdade e a corrupção, espero que mude.

  • Lucas Farias

    Prezado Ricardo, de fato a falta de decoro e de senso de responsabilidade do presidente Bolsonaro traz incontáveis malefícios à imagem internacional do país, às nossas relações diplomáticas e comerciais e à necessidade de pacificação social e de segurança jurídica para investimentos, desenvolvimento produtivo e proteção ao trabalho. Nem me refiro aos escândalos de corrupção que envolvem vários de seus ministros, seu próprio partido e as supostas relações familiares promíscuas com a máfia das milícias do Rio de Janeiro. São suspeitas que estão sob investigação, apesar das tentativas de aparelhamento do Bolsonaro ao trocar postos de comando da Polícia Federal e da Receita Federal, extinguir o COAF e repreender o ministro Sérgio Moro porque este pediu ao presidente do STF que reconsiderasse a decisão que suspendeu as investigações contra o filho Flávio Bolsonaro. O que me preocupa, Ricardo, é o conjunto de medidas de destruição da soberania nacional, dos direitos sociais e dos serviços públicos. Observe no que diz respeito à Amazônia. Bolsonaro não somente trata com desprezo os incêndios criminosos que devastam a floresta como ignora os cortes nos fundos milionários de auxílio à preservação ambiental. Claro, vindo de alguém que já disse que a Amazônia não é nossa e que deve ser explorada pelos EUA o discurso de Bolsonaro é coerente com seu espírito antinacional e de submissão completa à vontade de Trump https://youtu.be/Kr_Nf0dPJ7Q. O orçamento da Educação para 2020, por exemplo, sofrerá um corte de quase metade dos recursos, afetando inclusive os recursos de apoio a Educação Básica, que é da responsabilidade dos municípios. https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2019/09/orcamento-de-bolsonaro-para-2020-tira-metade-dos-recursos-do-mec-para-pesquisa.shtml. Sem recursos para as universidades públicas e institutos federais, sem investimento na pesquisa científica e no desenvolvimento tecnológico, amargaremos por muito mais tempo o subdesenvolvimento, a dependência econômica e o atraso de sermos um país exportador de produtos agrícolas primários que importa manufaturas e produtos tecnológicos por não ter capacidade de produzir. Some-se a isso o desmonte dos direitos trabalhistas e do sistema contributivo de seguridade social, que penalizará os mais pobres, como manda a cartilha dos darwinistas sociais de que o amigo sempre fala ao se referir a Paulo Guedes. Enfim, Ricardo, tomara que não seja tarde demais até que boa parte da população tome consciência disso e desperte senso crítico para enxergar essa realidade, como gradativamente tem feito, e comece a agir. Quanto aos admiradores incondicionais e ideologicamente apaixonados, que veem o presidente como um messias salvador da moral e dos costumes que é perfeito em palavras e ações, estes são uma minoria fanática, mas só fazem barulho no ambiente corrosivo das redes (anti)sociais, com a disseminação de mentiras e fakenews. Contra o vírus da ignorância, senso crítico e informação continuam sendo bons remédios. Abraço.