Num cálculo aritmético perfeito, a chapa de deputado estadual do PRTB elegeu quatro deputados: Fátima Canuto, Jairzinho Lira, Breno Albuquerque e Flávia Cavalcante.

Este casamento, ao que parece – celebrado por Adeilson Bezerra – chegou ao fim.

Todos os integrantes da bancada da legenda na Casa de Tavares Bastos já sinalizaram que querem mudar de “ideologia” (é brincadeirinha, gente).

Entre outras coisas, porque são obrigados a pagar o “dízimo do Levy” (Fidélix), como eles dizem, informalmente.

Há, também, a dificuldade para que eles montem chapas de vereador nas suas bases pelo partido do iracundo personagem.

Só que não podem: a janela da infidelidade para deputados só será aberta em 2022, e quem quiser pular fora antes disso pode perder o mandato.

Não se pode dizer que Bezerra ou Levy enganou ninguém: quem gostou da frita tem de engolir o caroço.

A mulher do presidente Macron e o conselho de Nietzsche
Esvaziamento da candidatura de JHC é meta comum de Rui e Renan Filho