As ideias defendidas pelos deputados Cabo Bebeto e Antônio Albuquerque não são surpresas para ninguém que os conheça, ainda que o militar reformado cumpra apenas o seu primeiro mandato de deputado estadual.

Inequivocamente, elas representam uma parcela do eleitorado, o que as urnas demonstraram – e temos todos de respeitar.

A posição de ambos em relação ao governador Witzel, de assombrosas manifestações macabras, podem por eles ser apoiadas, ainda que assustadoras nessa quadra da história da Humanidade.

Que fique claro, mais uma vez: discordo veementemente.

Mas ressalto a minha concordância com o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Victor, que, ao fim e ao cabo (sem trocadilho), deu uma demonstração de saber democrático e de civilidade: as críticas fazem parte do pacote para aqueles que se tornam homens públicos, ressaltou com energia (mais uma vez, sem trocadilho).

E olha que ele já apanhou, merecidamente, mais do que pandeiro de chegança. E sem gemer.

Maceió já tem 7 pré-candidatos a prefeito em 2020
Falta de oposição tem feito mal ao governador Renan Filho
  • Hélio

    Vamos falar da corrupção que tira dinheiro dos hospitais matando pessoas diariamente.

    • Desde Colonia 1500 somos Portugais & RAMALHo$ – loucura!

      Sim, Hélio … pois somos humanamente ANIMAIS adoecíveis e hospitalizáveis.
      Em cidades e campos povoados, vivemos em REDES ao redor de pessoas AMIGAS.
      SIM, somos 1 pouco delas e por ELAS responsáveis: crianças e idosXs, bêbados e equilibristas.
      E cultivamos o que temos com o BOM uso da língua PORTUGUESA, com certeza responsável!
      Apois SEM radar nas ruas, crianças SEM cadeirinhas e bêbados SEM noção superlotam hospitais.
      SEM cultura, como idosXs ajudariam sucessivos RE-equilíbrios entre gerações abAStadas e médias?
      Com CENSURA avóvozando pais e filhos em atrito, e sem escolas pra netos BI e tri tatara-Netáveis?

  • JEu

    Não entendi qual a correlação entre o deputado Cabo Bebeto e Antonio Albuquerque… afinal, ninguém tem notícias do mal uso do erário público, ou denúncia e, nem sequer, qualquer comentário de abuso de força ou violência por parte do Cabo Bebeto… agora, apoiar o trabalho de combate à violência da criminalidade, como hoje se vê no Estado do Rio de Janeiro, não vejo como não apoiar… afinal, ninguém quer que tal coisa seja implantada em Alagoas… afinal, por aqui o que se vê mais amiúde são as violências relacionadas com interesses politiqueiros, dominando regiões no Estado…

    • Meu NOME é Gal desejando rapaz: SEM cultura NEM crença OU tradição, AMO igual!

      Nem eu, caro Jeu … Elis () interpreta mas num entêÑdu J Bosco nem Aldir B, pena!
      > Caía a tarde feito um viaduto, bêbado trajando … LUA tal qual dona de bordel
      – Pedia a cada estrela fria um brilho de aluguel … NUVENS no mata-borrão do céu
      > Chupavam manchas torturadas, que sufoco louco, o bêbado com chapéu-côco
      – Irreverência$ a 1.000 pra noite do Brasil … sonhávamos c’a volta de Betinho do mano Henfil
      > Com tOnta gente Q partiu num rabo-de-foguete … Xora a mãe gentil de Xitãozim!
      – Xoram Marias e Clarices no solo do Brasil … uma dor assim pungente, inutilmente?
      > A esperança na corda bamba … a cada passo pode se machucar a esperança equilibrista
      # Sabe que o show de todo artista tem que continuar em o3′ 49″
      https://youtu.be/1g_p4Xcn5CE

  • breno

    Quer dizer que aquele que fez ligação clandestina de energia e ameaçou com uma arma os funcionários da empresa que estavam trabalhando, é um grande exemplo de civilidade?

    Resposta
    A falta de leitura atrapalha: o verbo é dar; ser é outra história.
    Comece pelo dicionário.

    • breno

      Comece pela coerência. Em nenhum momento no meu post colequei nem dar nem ser.

  • FD

    Se esticar mais vai estourar… Bancada 🧨🧨🧨💣💣💣 agora elogiada pelo Blogueiro. Minha mente merece respeito e coerência , afinal “O que é [email protected] companheiro”.🇨🇳 Saudações.

  • Carlos

    Pois é o verbo é dar e ser é outra coisa. Conhecemos ás pessoas pelas sua atitudes e não pelo que fala se assim observamos em nossa relações interpessoais que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Vejamos o atual governador de Alagoas senhor Renan Filho, fala muito em igualdade e no entanto vive na contramão é uma pessoa no microfone e uma fera nos bastidores e tentou esconder o que pode e a fadiga de ser dissimulado começou dar sinais de cansaço é o caso do jornalista mostrou toda suas arrogância tipico dos coronéis da politica da senzala. Bebeto pela sua formação militar está sendo o que aprendeu no quartel e Antônio Albuquerque é um coronel da politica Alagoana. Marcelo Vitor está exercitando a democracia e civilização e pode sim mudar será…

  • Glorioso

    Após oito meses de governo ninguém mais fala em corrupção ou lavagem de dinheiro na administração pública federal, a melhor coisa que poderia acontecer no país que já foi campeão em roubo do erário nos trinta anos de governo do social democratas e dos petistas.

    Resposta

    Fora o Queiroz…

    • Carlos

      Pois é o Queiroz desapareceu o amigo da família Bolsanaro e os maus feitos apareceu quando Eduardo Bolsonaro foi Dep no Rio de Janeiro. Só encontramos os amigos do Lula e ministros sendo condenados Haddad e Guido Mantega… Cadê o Queiroz…

  • Mateus

    O problema da maioria é o ANALFABETISMO POLÍTICO, Alagoas com certeza encontra-se em primeiro lugar.

    O que leva alguém mentir nas redes sociais? Ignorância associada ao ANALFABETISMO POLÍTICOS.

  • Varys

    Bandido, por pior que seja, tem um pai, uma mãe, uma esposa, uma avó, um filho que estão enlutados. O governador Witzel desrespeitou o sentimento dessas pessoas, cidadãos do Rio de Janeiro que talvez tenham até votado nele. Ser discreto era o mínimo que se pede de alguém que está no cargo de governador. O que ele fez não é postura de governante.

  • Maria

    Puro eufemismo???

  • José Pinto de Luna

    Caro Amigo,
    Incrível a banalização da violência no que tange aos crimes contra à Vida.
    Retrocedemos muito no uso da ´única “arma” que pode nos levar a uma sociedade mais justa, igualitária e pacífica: a Educação.
    Assim Penso e Defendo!

    • Afrânio Godoy

      Como desarmar com EDUCAÇÃO um sequestrador desesperado, com 37 reféns dentro de um ônibus, o qual ele jogou gasolina por todos os lados e ameaçava a todo momento “tocar fogo” matando 37 pessoas ? Não um simples jornalista e não manjo segurança pública, mas o nobre delegado Pinto de Luna pode nos explicar como agir com EDUCAÇÃO no caso desse sequestrador.

  • Cidadão

    Espero não ser sensurado.