A mensagem abaixo veio como comentário para a matéria do sarampo, mas optei por publicá-la como texto do blog pela sua relevância:

Vacinar, vacinar, vacinar, vacinar … . É somente isso o que nos cabe.
O sarampo é uma doença que causa complicações graves e pode matar.

É quase incompreensível que, dispondo de uma excelente vacina, estejamos correndo o risco de revermos o cenário dantesco que assistíamos antes da instauração das campanhas de vacinação pelo Programa Nacional de Imunização.

Por sua gravidade e complicações que pode apresentar, guardo tristes recordações do período em que fui o médico responsável pelas duas enfermarias de Sarampo que mantínhamos no Hospital de Doenças Tropicais.

Celso Tavares

Infectologista

Antônio Albuquerque distribui "tabicadas" e acusados silenciam
Collor vai sabatinar Eduardo Bolsonaro em Comissão do Senado
  • JEu

    A vacina existe, porém muitas famílias estão deixando de vacinar seus filhos, acreditando que as vacinas são ruins e podem prejudicar as crianças e as pessoas… então é preciso que a mídia faça seu papel de influenciadores do bem e passem a tocar no assunto da vacinação todos os dias… é lembrar que se fala sempre em proteger as praias, por exemplo, e as pessoas continuam “deixando” lixo quando frequentam a orla, principalmente nos fins de semana… falha na educação… coisas do programa escolar…

  • JEu

    Complementando: casos de sarampo e de outras doenças infecto-contagiosas também estão ocorrendo na Europa e nos Estados Unidos… não é, pois, privilégio do Brasil…

    • Maria

      A boa notícia Jeú é exatamente essa: “Tem vacina em toda rede pública”.E pelas informações dos estudiosos dos primeiros casos em SP o “vírus é importado” da Europa e Ásia. Como a cidade recebe muitos visitantes o vírus se espalha com muita facilidade e rapidez.”Se em um vôo de quatro horas alguém estiver doente,90% dos passageiros serão infectados. Mesmo depois do pouso,o vírus ficará no avião por mais duas horas. Quem voltar na mesma aeronave também pode se infectar”. Rosana Richtmann/ Infectologista. Tenho a caderneta de vacinação rigorosamente em dia e lei um susto quando as peguei para verificar hoje. Na minha não tinha,do meu filho tinha duas doses e do outro só uma dose. Amanhã irei no posto pra tentar entender, pois acreditava que estava rigorosamente em dia.

  • Fernando Tenório Gameleira

    Parabéns ao Celso pelo importante alerta.
    Os responsáveis pela reemergência do sarampo nos países desenvolvidos e também no Brasil são os grupos antivacinação. Esses grupos agem com mais força nos países desenvolvidos, mas também atuam aqui. São compostos por mentes perturbadas, mas com alto poder de convencimento. Eles espalham a ideia estapafúrdia de que as vacinas são antinaturais. E defendem a tese de que as vacinas são produzidas para atender os interesses das poderosas multinacionais farmacêuticas.
    Agora que o sarampo voltou a atacar a população, seria interessante encontrar uma maneira de responsabilizar legalmente esses inconsequentes. As pessoas que morrerem ou que ficarem com sequelas graves não podem ser esquecidas.

    • Maria

      A minha caderneta de vacina era mais atual feita a quase um ano atrás quando fomos colocar em dia a vacinação e que bom que o sistema já estava informatizado. Não tenho como saber se já havia se vacinado anteriormente, mas acredito que na gestação talvez. Meu filho que estava imunizado as vacinas foram pelo plano de saúde e o outro realmente só foi uma dose. Questionei qual o motivo de não ter tomado a um ano atrás como também o meu filho…Em OFF fui informada que eu não era um caso isolado e como já fazia anos que a doença não chegava por essas bandas não era necessário se “preocupar” e não podiam “desperdiçar vacinas” Se eu era mãe e nunca tinha tido não iria pegar mais, pois a um ano atrás estava tudo sob controle. Não sei se a informação dada procede ou tem veracidade, mas foi a resposta que me foi dada. Enfim…tomei a bendita vacina pela manhã, mas infelizmente quando fui vacinar meu filho agora a tarde já estava em falta. Previsão de chegada próxima semana. Não existe culpa, nem culpados e muito menos partidos políticos, mas gostaria que a população verificasse as cadernetas de vacinação para ter realmente a certeza que esta em dia e caso contrario ir tomar, pois com doença não se brinca.

  • JEu

    O interessante é que, quando o assunto é realmente importante para a população, poucos são os comentários… por que será?!!!

  • Lucas Farias

    Prezado Ricardo, importante o registro de que as vacinas contra o sarampo fornecidas gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde são produzidas no Brasil pelo Complexo Tecnológico de Vacinas do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio- Manguinhos) da Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ. Trata-se de uma fundação de direito público voltada à pesquisa científica cujos resultados são ofertados à população pelo SUS. Olha só os valores institucionais da FIOCRUZ, que certamente seriam tidos por “comunistas bolivarianos”: 1 – Compromisso institucional com o caráter público e estatal. 2 – Ciência e inovação como base do desenvolvimento socioeconômico e da promoção da saúde. 3 – Ética e transparência. 4 – Cooperação e integração. 5 – Diversidade étnica, de gênero e sociocultural. 6 – Valorização dos trabalhadores, alunos e colaboradores. 7 – Qualidade e excelência. 8 – Redução das iniquidades. 9 – Compromisso com as principais metas de transformação social do Estado brasileiro. 10 – Compromisso socioambiental. 11 – Democracia participativa. 12 – Democratização do conhecimento. 13 – Educação como processo emancipatório. Infelizmente, com a PEC da MORTE, que congelou o aumento real de investimentos públicos em saúde e educação por 20 anos, e os sucessivos cortes orçamentários em recursos para pesquisas e em programas das universidades públicas que atuam em parceria com a FIOCRUZ, promovidos pelo governo Temer e aprofundados no governo Bolsonaro, a FIOCRUZ tem sido afetada em sua capacidade de atender à demanda do povo brasileiro. https://portal.fiocruz.br/noticia/fiocruz-avalia-consequencias-de-corte-orcamentario e http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/46875