O verso acima é do poeta Sidney Wanderley, que lança na próxima semana 60, o seu mais novo livro.

Seria uma coletânea, mas ficou no quase. Mesmo os “velhos” poemas que estão na obra não são exatamente os mesmos.

O poeta, aliás, é um persistente seguidor de Heráclito, o de Éfeso, “pai da dialética”, que nos ensinou que ninguém se banha duas vezes no mesmo rio.

Mas há, sim, muito de novo em 60um título autoexplicativo: 60 anos, 60 poemas.

De Sidney Wanderley, convidado do Ricardo Mota Entrevista desta semana, disse Carlos Drummond de Andrade:

“Você se afirma, se define, e ao mesmo tempo dá a dimensão geral do homem, na complexidade do ser pensante e sentinte. E compõe um verso forte, provocador, que não deixa o leitor indiferente”.

O poeta mineiro escrevia, então, a um jovem colega de menos de 30 anos, com quem trocou várias correspondências. Não por acaso, foi a maior influência na escrita do viçosense que se tornou um poeta adulto, que não faz concessões.

“Poesia forte e madura – a sua. Você sabe das coisas, tem autocrítica e preparo”, descobriu Affonso Romano de Santana.

Provavelmente por isso, também, Raduan Nassar (Lavoura Arcaica), sempre muito reservado e econômico em elogios, tenha se manifestado com tamanho entusiasmo ao tomar contato com a obra de Sidney Wanderley:

– Gostei muito de conhecê-lo através de seus poemas. Coisa rara hoje (e sempre) a lucidez, daí seu verso incisivo, agudo, com jeito de provocação. A desconfiança do fazer poético, elogio do silêncio, um à-vontade seguro diante dos mitos.

É verdade que os poetas não nasceram – ou vivem – para ganhar concursos de popularidade, mas nos dão a grata sensação de que as palavras podem, sim, dizer bem mais do que imagina a nossa vã filosofia:

Palavras têm cascos

e patas e fúria.

Galopá-las é tão só

Uma remota possibilidade (S.W.).

60 será apresentado ao público na próxima quarta-feira, às 19 horas, no Galpão 422, em Jaraguá.

Já a nossa conversa vai ar antes. É conferir.

Ricardo Mota Entrevista

Domingo, às 10h30, na TV Pajuçara

Convidado: Sidney Wanderley – Poeta

O homem que matou o mandarim
De como Rodrigo Maia se tornou o maior líder político da República