O secretário Fabrício Santos, do Planejamento e Administração, defende que os estados e municípios sejam incluídos na Reforma da Previdência – e o faz com números:

– o déficit anual da Previdência em Alagoas é de R$ 1,3 bilhão – cresceu R$ 200 milhões só em 2018;

– o total de despesas com aposentadorias e pensões chega a R$ 1,9 bilhão;

– o déficit vai crescer principalmente – sem a reforma – no final da década de 2020.

Para Fabrício Santos, os efeitos da reforma para o estado de Alagoas não serão sentidos de imediato, “mas a curva de crescimento do déficit será suavizada, não terá o impacto que existiria sem ela”.

Ele cita dois pontos fundamentais para atenuar o déficit da Previdência no estado:

– o aumento da idade mínima para a aposentadoria dos servidores;

– o aumento da alíquota de contribuição, de 11% para 14%.

Só neste último caso – aumento da contribuição -, haveria até uma redução do déficit, ainda que não de forma significativa.

Lembrando que o quadro de grande gravidade aqui apresentado não vale para os servidores que entraram a partir de 2007, e que estão no Fundo Previdenciário – superavitário em R$ 400 milhões.

Por que Bolsonaro, Dallagnol e outros preferem 'falar' nas redes sociais
Mutange virou a maior dúvida do grupo de trabalho sobre bairros em risco
  • Servidor

    Esse secretário só pode estar brincando, não basta a carga tributária enorme que nós pagamos e ele ainda quer aumenta contribuição da previdência, cadê o reajuste dos nossos salários, a data base dos servidores é no mês de maio e até agora nada.

    • Livre arbítrio

      A mamada dos servidores estão acabando, vocês são responsáveis por grande parte desses débitos que temos, o aumento da contribuição é o mínimo que deve ser feito.
      Apoio totalmente essa reforma.

  • Santos

    Nossos governantes só pensam em resolver o déficit financeiro às custas dos servidores públicos, quando podem reduzir o déficit de outras maneiras. Recentemente, o prefeito de Maceió, Rui Palmeira, fez publicar no Diário Oficial do Município uma série de recomendações para economizar, desde energia elétrica, até combustível, mas o que se vê nas ruas é cada vez mais, veículos da Prefeitura de Maceió circulando. Até nos domingos e feriados se vê carros adesivados da Prefeitura de Maceió circulando. Um domingo desses, um veículo da SIMA estacionou próximo ao Bompreço da Pajuçara e o motorista desceu, de bermuda e chinelo (certamente não estava trabalhando) e se dirigiu ao supermercado. Esse veículo estava gastando combustível pago pela Prefeitura, e assim como esse, vários outros também gastam combustível para tratar de assuntos particulares. Governador e Prefeito se preocupam em aumentar a arrecadação, mas não são eficazes na economia do erário público.

  • breno

    Mas quem causou o rombo não foram os servidores. Ninguém aguenta pagar absolutamente nada Sr. secretário já basta a defasagem salarial.

    • paulino lopes

      Os servidores que se preparem, a pancada vem e é grande, os gestores pouco se preocupam com o servidor público.

  • Evandro

    falou em aumentar em 3% a contribuição previdenciária dos servidores mas não falou nos 3,75% que não deu aos servidores na data base do mês passado referente ao IPCA de 2018. já cortou gratificações e a insalubridade quando das férias, quero ver o que esses camaradas vão achar mais para acabar com os servidores públicos. Por isso os serviços a população estão ficando cada vez pior e o povo não sabe porque.

  • Maria

    “A tranquilidade comprada a custa de uma indiferença culposa é a tranquilidade do mar morto, no fundo de cujas aguas escondem a vasa fétida e a corrupção”

  • JEu

    Creio que o mais viável é que todos os aposentados e pensionistas continuem contribuindo para a previdência, no mesmo patamar quando faziam quando ativos… só aí, geraria um bom caixa para a previdência… agora, é necessário que a reforma seja aprovada e inclua os Estados e Municípios, como na proposta original do governo federal… é bom que fique bem claro…
    e creio, também, que, pelo princípio da sustentabilidade, as idades mínimas para aposentadoria atuais, precisam subir um pouco, já que a média de vida da população brasileira também subiu… já aumentar alíquotas de quem já paga, além dos pesados impostos em tudo o que existe, creio que é ir além do necessário… e concordo com alguém que disse ser necessário os governos se empenharem muito mais do que fazem, começando por praticamente extinguir os cargos comissionados, para reduzir os gastos… precisamos sim, menos governos, mais iniciativa privada, menos gastos com despesas acessórias e mais transparência com o uso do erário público… mais justiça nos salários e menos privilégios também… afinal, tem muita gente que ultrapassa, e muito, o teto salarial, com vantagens e penduricalhos diversos, como auxílios de todas espécies (inclusive auxílio melhoral…) e outras “coisitas” mais… até jantares suntuosos com lagostas e vinhos de marca cara… isso precisa mudar… cada um pode consumir e ter o que quiser, desde que seja com o seu próprio salário… e no serviço público, salário não pode, e nem deve, enriquecer ninguém…

  • EDSON

    É SÓ EXONERAR OS COMISSIONADOS, QUE SOBRA VERBA, O SECRETÁRIO SABE DISSO, TEM MUITA GENTE NA TETA DO ESTADO.

  • Alagoano T

    Qual o problema nisso? Nós da iniciativa privada pagamos até 27,5% de IRPF, os funcionários públicos deveriam pagar o mesmo.

    • Carlos

      kkkkk… Independente de ser ou não servidores públicos ou privados a tabela do imposto de renda é a mesma.

      • Alagoano T

        Kkkkkkk misturei raciocínio de IR com previdência. Burrice danada 👍🏻👍🏻🙈

  • Pedro Paulo

    O governador encontre um melhor caminho para economizar que não seja tirar ainda mais dos servidores que já sofrem diariamente com a falta de condições de trabalho digno, perseguições, defasagem de salário…Que faça igual ao prefeito e peça os envolvidos para mostrar uma proposta para economia. Eu quero dizer humildemente falando…

  • Lúcia Beltrão Sindifisco

    Para afirmar sobre déficit, o governo tem que fazer um cálculo atuarial retroativo , pois nossas contribuições foram efetuadas compulsoriamente durante a vida laboral de cada servidor, e a partir da EC 41 /2003 , mesmo os já aposentados voltaram a contribuir . Pergunta -se: Onde estão as contribuições patronais ? Onde foi parar o dinheiro das nossas contribuições ??? Afirmar déficit nessa situação é uma leviandade , é transferir o ônus das más gestões públicas aos servidores !!!

  • CICERO FREDERICO DA SILVA

    Ricardo TI acompanho há muito tempo, políticos no Brasil só fala em desgraça para os servidores públicos.
    Estados ricos e no nosso estado mais de setenta por cento ganha salários baixos. Já uma raça privilegiada no poder NUNCA quer sair.
    Olhe Getúlio Vargas só saiu morto dentro de um caixote de madeira, o poder sempre foi pra usar os servidores públicos e mais nada.

  • Livre arbítrio

    Sabe porque estão visando os servidores, pois é onde estão os maiores déficits.

  • Carlos

    Cadê que o secretário não coloca nos seus estudos em aumentar a contribuição dos servidores das carreiras jurídicas que são os Marajá e nunca são penalizados em nenhuma crise. Todos os anos o desnaturado governador se antecipa logo num gesto de subserviência e todo apressando anunciou o reajuste dos poderes Legislativo e Judiciário logo no início de dezembro de ,2018, cerca de 9 %, quase três vezes o IPCA de 2018…

  • williams Roger

    Falácia. Não tem rombo algum.
    Se aumentar de 11 pra 14 é apropriação indébita.
    Esse governador só sabe prejudicar os servidores. Mais nada.