A vida política no Brasil – e não apenas a política – tem como referência o que “pensam” as redes sociais. Pensar nessa seara, por óbvio, é uma impossibilidade (uso o verbo para situar os leitores).

Mas elas viraram – as redes – o guia de comportamento e de opinião para a grande maioria de governantes e parlamentares, que agem de acordo com o que ditam essas “maiorias emocionais” (Umberto Eco).

Em seu favor, os redistas afirmam que elas deram voz a quem não tinha voz. Faço uma ressalva: elas deram gritos a quem precisava gritar.

É impressionante como o senso comum, mais do que em qualquer outro momento da nossa história, ganhou ares de autoridade – ou de tirania, se quisermos ser mais honestos.

O líder político de hoje, é o que está posto, perdeu a capacidade de ter opinião e de defendê-la, por medo do linchamento virtual. Não é fácil sobreviver a ele, mas é necessário.

“A multidão não passa de um monstro sem cabeça, que não sabe para onde ir”, alertou Chaplin (Luzes da Ribalta).

As novas multidões se formam nas redes sociais, principalmente, e, como sói acontecer, esses aglomerados humanos, amálgamas anímicos, agem movidos pelas emoções mais urgentes, os impulsos primordiais.

Razão? Zero.

O medo é um sentimento absolutamente natural, e quem está na atividade política pode senti-lo, mas não pode se entregar a ele, ser submisso ao temor que emudece, paralisa,  ainda que a ameaça seja real (eu recebo comentário aqui até de criminoso conhecido).

O caso do senador Rodrigo Cunha, um nome em que os alagoanos depositam grande esperança, é emblemático desses tempos e de comportamentos travados, hipnotizados, à espera das ordens virtuais.

Ele construiu sua – breve – carreira política com base nas redes sociais, é verdade, mas se continuar, como me parece, sendo escravo dessas manifestações emocionais e mutantes nunca crescerá pra valer.

Não pode, o jovem e correto parlamentar, se deixar abater pelo medo de comentários furibundos, em jorros de ódio, das redes sem se manifestar com a necessária veemência sobre temas que imaginamos que devem incomodá-lo – e sobre os quais deveria se pronunciar com clareza e coragem. Falar para fora das tribos!

Cito um exemplo: o decreto de Bolsonaro criando o Armas para Todos (os que podem pagar) exige, me parece, uma posição clara e contundente do senador, que conheceu na alma os efeitos da violência covarde.

Há muito mais a falar, e esperamos que ele o faça.

E para os que creem na “verdade” desse território movediço, sugiro o primeiro episódio da primeira temporada da série Black Mirorr: O Hino Nacional.

Há sempre um porco esperando pelos crédulos dessa seita.

(Fica como dica, também, o livro de Jaron Lanier sobre o tema.)

Choque de realidade faz governador defender Reforma da Previdência
Em nota, Braskem diz que "não há motivo para falar em recuperação judicial"
  • Idosamente MONGE no Sertão: busca SUS sem úi nem Ái!

    BOM dia, Ricardo … melhores DIAS ao Senador Rodrigo CUNHA!
    acredito que ele consiga RAPIDINHO s’adaptar aos novos e velozes TEMPOS atuais.
    Afinal de CONTAS se elegeu com ao menos um mínimo de COERÊNCIA, apois política num é CIÊNCIA.
    Aposto + no Cabo da Boa Esperança dos Conhecimentos SOCIAIS ao redor do Senador, haveria Ciências HUMANAS?
    Como toda caminhada começa no 1o PASSO, haja curvas e tempestades do Cabo das TORMENTAS
    > As 2 NAUS sob tempestades quase naufragam antes do Cabo , onde fizeram manobras de volta.
    – ERA o cabo ligação entre os dois oceanos SARGENTOS: Atlântico e Índico, de olhos nas Índias.
    http://www.historiadeportugal.info/cabo-das-tormentas
    Rodrigo em breve caminhará à São Pedro, sobre as pedras. A conferir com BOA Esperança e FÉ nas águas.
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Cabo_da_Boa_Esperança

  • Marcelo

    O decreto estabelece o direito de você comprar e ter uma arma em sua residência. O que a imprensa (má imprensa) tenta passar para sociedade é que o decreto libera a pessoa comprar e sair portando a arma na rua. Não é isso que foi regulamentado. A frase “conheceu na alma os efeitos da violência covarde” deve ser refletida com as necessárias ponderações de realidade tendo em vista que 99% dos crimes são cometidos por armas irregulares por criminosos sem direito a posse e nem porte que estão à margem da lei e de suas regulamentações.

    • Araujo

      Perfeito. A análise deve ser feita analisando os fatos como são. E não colocando a opinião pessoal acima dos fatos. Da mesma forma que há opiniões contrárias à posse de armas, há aquelas que são favoráveis e não pode-se desprezar nenhuma das duas. Mas os fatos devem ser postos acima dessas opiniões. Colocar um grande número de assassinatos por armas de fogo ou ter sido vítima da mesma como argumento contra a posse não é tão contundente, quando se verifica que esses crimes, em sua maioria, são cometidos com armas irregulares por quem não conseguiria obter a posse legalmente ainda com esse decreto.

      Respeito quem é contrário ao decreto, mas estes não se devem agir como donos da razão ou criminalizar aqueles que defendem e acham correto o direito de ter uma arma em casa.

      Cordialmente.

    • Varys

      O problema é que muito “cidadão/ã de bem” também pode surtar e, em sua própria casa, matar seu companheiro/a em uma crise de ciúmes. Ou o seu filho pode resolver ter uma brincadeira diferente – e letal- com o amiguinho da escola.

      Rodrigo, que perdeu seus pais de maneira trágica, deveria ser a primeira pessoa a se opor à qualquer medida que facilite a circulação de armas de fogo.

  • Há Lagoas

    Além de deixar o muro e se posicionar, o mais novo senador precisa trazer e destravar obras em Alagoas. Já existe um saudosismo inconteste do velho Biu de Lira.
    Rodrigo Cunha precisa visitar mais os gabinetes dos ministérios aí em Brasília.

    • ARMANDO

      Só não concordo com a saudade do Biu.
      Esse, deveria ter ido a mais tempo e levado o filho junto!

  • Marcus Lopes

    O que atrapalha o Senador Rodrigo Cunha, é a sua ligação figadal com João Caldas e sua própria suplente.

  • Déspota esclarecido

    Verdade Marcelo! O veneno que sai das mãos e bocas da mídia e de alguns jornalistas é de espantar. Os bandidos e seus mandantes sempre estão armados, mas o cidadão QUE SE QUISER TER UMA ARMA para proteção de sua família e seu patrimônio antes não tinha este direito hoje as coisas mudaram e quem mais reclama sãos os bandidos mandantes. Em relação ao senador ele mesmo se perdeu com seu silêncio foi um voto de renovação e não de confiança e se não prestar suas contas daqui longos 8 anos será retirado do senado e volta a ser deputado. O nobre repórter sempre puxando para a esquerda. Normal. Bom que apenas um punhado ler.

  • Carlos

    É uma obrigação ou opção o porte de arma ou posse de arma. Os petistas “os mais indignados”,nos 16 anos de poder o que foi feito para o controle e punição do contra bando de armas é tão hediondo quanto o tráfico de drogas. Acho o porte de armas necessário em poucas situações e não do jeito que está sendo posto. Olha os crimes com armas de fogo é na sua maioria cometidos por “marginais pobres” e que não tem condições de comprar uma arma e no entanto possuem arma de fogo…

  • JEu

    Vale lembrar que o Rodrigo Cunha foi eleito não, simplesmente, por ser ativo nas redes sociais, mas, principalmente, porque o povo acreditou em sua honradez, honestidade, clareza e ética no trato da coisa pública… ou seja, o cidadão o elegeu para defender tudo o que for honesto, correto, justo e para ser uma voz limpa no senado… e, por isso, não pode, o senador, começar se “bandear” para o lado da turma da “bandalheira”, pois, se assim acontecer, vai perder seu reduto eleitoral e será o fim de sua, como dito no texto, breve e meteórica carreira política… ele que pense sempre duas vezes (ou mais…) antes de votar a favor de alguma coisa que seu eleitorado não concorda… agora, sobre o decreto de flexibilização da posse (e não porte…) de arma de fogo, gostaria de mencionar os seguintes fatos noticiados na mídia digital: TNH1/28/05/19: “Esfaqueamento em massa nas proximidades de Tóquio”; O GLOBO e outros/27/05/19: “Massacre em penitenciárias de Manaus. Presos matam 55 em rebeliões, em quatro presídios, em menos de 48 horas, usando escovas de dente”. Alagoas24horas/03/06/19: “Dupla armada invade residência, mantém família refém e fez arrastão”. Alagoas24horas/28/05/19: “Jovem é esfaqueada próximo a campo de futebol na parte alta de Maceió”…. e essas são apenas alguns poucos destaques da violência que acontece no país… e fica bem claro que não é especificamente uso de arma de fogo o meio principal para a prática da violência, mas a posse dela em sua residência pode, sim, ser um freio para quem quiser “invadir sua casa”, pois saberá que o cidadão terá um meio de se defender… e mais ainda, não vi, até hoje, ninguém invadir uma casa para roubar que esteja localizada nos bairros menos favorecidos e que pertença a uma família de poucos recursos… e se nesses lugares impera a lei dos traficantes, não creio que as pessoas, por si só, sejam capazes de fazer frente ao domínio daquelas “facções criminosas”, precisando, muito mais, da ação das forças de segurança… então, conceder-lhes “auxílio monetário” para a aquisição de armas será dar mais armas ao criminoso… quanto aos cidadãos que, com seus esforços próprios, conseguiram ter uma vida melhor, e queiram, por que não ter uma arma para a defesa de sua vida, da família e de sua propriedade? Ora, querer que todos sejam exatamente iguais é algo surreal, pois a própria natureza demonstra o contrário… se queremos ser justos, devemos lutar para que os menos socialmente favorecidos sejam dotados das condições de crescerem por si mesmos, e a educação (a verdadeira, aquela que não somente ilustra a inteligência, mas a que forma o caráter pela prevalência dos bons costumes e os bons valores morais e éticos) é a principal vertente… que também lhes sejam garantidas a segurança alimentar, na escola, e de saúde, para que tenham força suficiente para se desenvolverem e, por suas capacidades, conquistem seu lugar ao sol, com seu trabalho e produtividade pessoal e social… e, creio, para que isso seja alcançado (já o temos dito aqui muitas vezes…) é preciso extirpar, de nossa sociedade, a chaga da corrupção, da negação dos bons valores morais e éticos e do incentivo à preguiça e à ociosidade, seja intelectual, seja laborativa… fora disso, creio, é tudo conversa fiada para enganar o povo e querer valorizar o que não tem valor algum…

  • Roger

    É o chamado volksgeit,o espírito do povo,a voz que emana da sociedade. A política nada mais é que a arte de conciliar divergentes em favor do bem comum.O Rodrigo deve se manter na construção de uma comunicação sólida e atuante afinal é o que os seus eleitores esperam. Quem não deve não teme e a democracia e a modernidade está aí pra isso. Viva a liberdade de expressão!

  • breno

    O político que age corretamente que representa o aquele que elegeu e tem seus projetos pautados no interesse da coletividade não deve temer absolutamente nada, inclusive as redes sociais. Qual o receio do senador?

  • Lavici Garbini

    Políticos se mantiveram sem vigilância da sociedade durante toda a nossa história .Precisam se adaptar à nova realidade . Que sobrevivam os bons com a agora tão sonhada participação efetiva e cobrança do povo ! Que caiam os maus ! Que o Brasil ainda tenha solução !

  • Claudio Mcz

    E muito facil mandar o Senador enfrentar as redes sociais mesmo se essas tiverem contra, agora quem fala isso não tem coragem de bater de frente contra as redes sociais, Rodrigo defenda o que é certo sem medo, agora em questões polemicas pense duas vezes, pq quem entra tem que esta preparado para levar pancada, e quem conhece as redes sociais sabe que o ambiente é hostil quando se contraria essas redes. Opinião, não entre em bola dividida, pq sempre sobra pancada para quem entra.

  • Carlos

    Pois é sou de Coruripe, posso afirmar em boa parte como os coronéis da politica do atraso pensam. É um trabalho de desconstrução daqueles que tem a coragem de enfrenta – los e assim eles usam todos os meios escusos para no minimo fazer o povo sem um pouco de discernimento acreditar que todos os políticos são da mesma laia e não adianta mudar e que ruim por ruim é melhor ficar como estar e assim a mesmice vai se perpetuando de pai para filho. Aqui Coruripe acerca de 30 anos os Beltrão faz rodizio na prefeitura local e no entanto o atraso econômico é uma marca perversa e só cresce o nepotismo onde das doze secretarias municipais onze suas ocupadas pelo alto clero familiar e nada acontece de bom para o povo….Deixa para lá as outras coisitas é só procura no sitio da justiça é o resultado do que eles mais sabem fazerem… Rodrigo Cunha e Seu Edinho de Helvio, aqui em Coruripe, estamos juntos. ABAIXO O CORONELISMO DA POLITICA ALAGOANA.

  • Cesar

    Ricardo, faltou citar o título do livro no fim do texto!

    Resposta

    “Dez argumentos para você deletar agora suas redes sociais”

  • Souza

    Já basta termos 2 senadores envolvidos em corrupção até a garganta. Eu votei em um Senador, para mostrar que nem tudo está perdido. Sempre existe a esperança. Agora sinceramente, não sabia que ele era “SURDO E MUDO” Lamentável. Quem avisa amigo é, olha a trajetória da Ex. Senadora Heloísa.

  • Paulo

    Exatamente! É serve também para a mídia estamos de olho em tudo…

  • Marcio Lins

    Inadmissível, em pleno 2019, num pandemônio de violência que vivemos, uma pessoa com todas as prerrogativas não poder portar a sua arma e se defender. Defender! Não é atacar. Atacados já somos todos os dias por bandido que usam armas ilícitas. Ou bandido agora vai comprar arma lícita depois que tirar o porte para poder sair matando por aí?!

    Não podemos mais nos sujeitar ao andarmos nas ruas termos a sensação de sermos animais prontos para o abate e nada podermos fazer pois o poder público não nos dá segura e nem nos deixa nos defender.

    E mesmo que vivêssemos no lugar mais seguro do mundo, entendo que o direito a se defender é tão básico como respirar.

    Aos parlamentares, precisam entender que suas escolhas no parlamento devem refletir o pensamento da maioria de seus eleitores, mesmo que não concorde. Precisa entender que não é ele que está ali em si, mas, sim, seus eleitores, os quais ele apenas representa.

  • Ricardo Ribeiro

    Melhor coisa é a oposição, termina 8 anos e só blá blá blá…….

  • MÁRIO

    Não obstante já termos um deputado federal que não faz e nunca trouxe nada para o nosso estado, bom de mídia, de propaganda , JHC, agora, também, Rodrigo Cunha. Bem que sabia e o estado mais pobre entre os mais pobre continua a naufragar. Deveria mudar essa legislação para podermos votar em políticos virtuais e quem preferisse, que o meu caso, poderia votar em políticos reais, que ajem, que se preocupam com o seu povo de verdade, que trazem recursos para os hospitais, que estão a beira do caos, água para os sertanejos e tivesse compaixão dos miseráveis a quem não podem pedir socorro. Só Deus com a sua infinita Misericórdia.

  • marcelo

    Meu caro Mota, as redes sociais não é nada mais nada menos que a voz do povo que agora tem onde expressar seus pensamentos, coisa que num passadoo não muito distante era impossível, visto que as mídias nunca deram vez e voz ao povo.

  • Lucas Farias

    Prezado Ricardo, você desempenha um papel fundamental na imprensa alagoana quando provoca reflexões que extrapolam as fronteiras do senso comum e da ignorância barulhenta das redes (anti)sociais. A respeito das medidas do governo federal que estimulam o comércio e a proliferação de armas na sociedade, provocando uma corrida armamentista que favorece a Taurus e gigantes do setor bélico, instituições sérias, com base em estudos científicos, já apontaram para o consequente aumento da insegurança, da criminalidade violenta e dos homicídios em decorrência disso, além do efeito perverso de fortalecimento das milícias (talvez o objetivo realmente almejado pelo governo Bolsonaro, dadas as íntimas relações profissionais e pessoais que a família presidencial tem com milicianos). Por todos, fica o registro do Ministério Público Federal, que não pode ser acusado de agir a serviço do “petismo bolivariano” https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/05/24/orgao-do-mpf-diz-que-nova-versao-do-decreto-sobre-armas-e-inconstitucional-e-pode-favorecer-milicias.ghtml. Para além disso, ainda aguardo ansioso por qualquer pronunciamento do senador Rodrigo Cunha sobre as irresponsáveis medidas do presidente que vão resultar no aumento da mortalidade no trânsito, como a suspensão dos radares eletrônicos de velocidade em rodovias federais, o fim da multa para quem não transportar crianças em cadeiras apropriadas, a extensão da validade da CNH de 5 para 10 anos e o aumento do limite de pontos de 20 para 40. Alguém em sã consciência duvidaria do impacto negativo dessas medidas, que ampliam a tolerância com motoristas infratores e inaptos para direção e incentivam a irresponsabilidade sem punição? Claro, exigir o mínimo de racionalidade deste governo é pedir demais. Um abraço, nobre amigo. Obs.: Captei ali no final a referência a Black Mirror. Muito bem lembrado! https://g1.globo.com/carros/noticia/2019/04/01/ministerio-informa-que-suspendeu-instalacao-de-radares-em-rodovias-federais-apos-ordem-de-bolsonaro.ghtml, https://oglobo.globo.com/brasil/projeto-de-bolsonaro-acaba-com-multa-no-transporte-de-crianca-sem-cadeirinha-23717090

  • Sérgio Eduardo

    Voto perdido que eu dei a Rodrigo Cunha. Melhor ter votado no bio de lira pois ao menos estava trazendo coisas boas pra os municípios.

  • Sidney

    Gostaria de saber do Nobre blogueiro, o que tem a dizer sobre as 65.000 vidas perdidas a cada ano , pela violência desenfreada, onde só um lado está armado e não é o lado do cidadão de bem…
    BORA REFLETIR TAMBÉM COM O LADO DIREITO DO CÉREBRO, NÉ?

    Resposta

    Brilhante, Sidney, brilhante!

  • williams Roger

    Dou graças a Deus pelas redes sociais. No entanto, é uma faca de 2 gumes.
    To percebendo que querem “minar” o psdb, teo Vilela, rui e Rodrigo cunha. Pra prejudicar. Espero que eles reajam!!!