O Atlas da Violência 2019, elaborado pelo IPEA e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que o Brasil continua batendo recordes de homicídios.

Com os dados consolidados de 2017, o estudo realizado pelo Ipea e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta que superamos a marca de 65.600 mortes em um único ano – uma taxa de 31,6 mortes violentas para cada 100 habitantes (o tolerável é 10/100 mil).

O crescimento foi de 4,2% em relação ao ano anterior.

Se a posição de Alagoas entre os estados do Norte e Nordeste merece um destaque positivo, pela queda crescente de homicídio, no caso das mortes de pessoas negras – homens e mulheres -, o quadro é desalentador: está no nosso estado a maior desigualdade entre as vítimas quando consideramos a cor das vítimas. A taxa de homicídios de negros é 18,3 vezes maior de que não negros, em Alagoas.

Uma observação feita pelo estudo há de calar fundo na alma dos alagoanos:

“De fato, é estarrecedor notar que a terra de Zumbi dos Palmares é um dos locais mais perigosos do país para indivíduos negros, ao mesmo tempo que ostenta o título do estado mais seguro para indivíduos não negros (em termos das chances de letalidade violenta intencional), onde a taxa de homicídios de não negros é igual a 3,7 mortos a cada 100 mil habitantes deste grupo. Em termos de vulnerabilidade à violência, é como se negros e não negros vivessem em países completamente distintos.”

Seguramente, esta é uma questão que a polícia não resolve.

Em nota, Braskem diz que "não há motivo para falar em recuperação judicial"
Caso Pinheiro: Fábio Farias e Abraão Moura querem reunir Rui e Renan Filho na mesma mesa
  • Há Lagoas

    Há puco mais de meio século, Martin Luther King cunhou a seguinte frase: “A alma não tem cor!”

  • Ariel

    Deveria ser mudado o termo de negro para POBRE, o tratamento para o pobre ,independentemente de ser negro ou pobre, é diferente

  • MUITO PROFUNDO

    Aqui no estado não espera, o negro sempre sofreu da alma ( fé/religião) até sua matéria (cor). Da quebra de xango que foi um dos maior palco de perseguição religiosa do país até os dias atuais onde se mata mais negro do país. ALAGOAS ME DEIXE EU VIVER.

  • JEu

    Há de se notar que a pesquisa se refere ao ano de 2017, quando, neste ano, no primeiro trimestre, sabe-se que houve uma redução de quase 30% nos assassinatos… uma outra coisa que se deve perceber é que, apesar de apresentar as estatísticas (no caso o destaque do percentual de mortes de pessoas negras em Alagoas), não foram apresentados os fatores e os motivos que mais influenciam nas causas dos acontecimentos fúnebres… isso porque, com a apresentação das causas, o povo pode começar a demandar dos governos as ações de base para reduzir os fatores que levam aos (maus) resultados destacados… afinal, apontar os problemas não deve ser a tônica de qualquer ação, e sim identificar as soluções, os caminhos que devem ser trilhados para, senão a erradicação, pelo menos a melhoria da situação… porque todos hão de convir que ninguém sai por aí simplesmente “matando” pessoas porque têm a pele negra…

    • Acontecimentos fúnebres

      “Ninguém sai por aí matando pessoas porque têm a pele negra…” Certamente elas morrem 18,3 vezes mais que as pessoas brancas, em Alagoas, por obra e graça das infelizes coincidências da vida.

  • williams Roger

    Nessa conta, estão inseridos os autos de resistência?

  • Johann Sebastian Bach

    Oooohhh, RM, Darcy Ribeiro, concluiu em seus estudos, que no Brasil devido à grande mistura de raças, somos considerados MORENOS!!!
    Quando não está na cor, está no sangue!!!

  • Carlos

    Gostaria de saber alguns indicadores como: A população considerado os negros e de quantos % e os negros são mortos em que circunstâncias… Por branco, Negros entre negros, em operações policiais entre outros fatores.

  • Afrânio Godoy

    O percentual de negros mortos é devido o fato da maioria da população alagoana ser constituída por pessoas negras e pardas.

  • Carlos

    É a indústria das estatísticas, que são usadas arbitrariamente para embasar qualquer teoria.

    1. Qual o percentual de negros e brancos em AL?
    2. Sob que circunstâncias morreram?
    3. Quem os matou foram outros negros ou brancos?
    4. Por que usam os pardos para engordar estatísticas de pretos, mas os excluem quando a pauta é reclamar que uma minoria negra ocupa determinado espaço na sociedade?

    • Carlos

      Exatamente
      Carlos,
      Outra questão quando é assassinado um homossexual, logo entra nas estatísticas do crime de ódio dos preconceitos e sem olhar o causa o porque foi assassinado e que circunstâncias…É como alguns interesses de se tirar algum proveito das estatísticas do quanto pior melhor. Os motivos muitos bodem serem banais desses assassinatos de qualquer pessoa.

  • Adilio Faustini

    Só uma pergunta, Pardo é Preto, Branco, Vermelho (índios) ou Amarelo(descendentes de asiáticos )?Como bom observador em programas policiais, os que mais são presos ou mortos são jovens de cor pardacom idade ente 17 a 25 anos. Pretos presos são pouquíssimos .Algo está errado e muito errado nessa pesquisa.