Pode parecer uma iniciativa quixotesca, mas não é: MPE e Defensoria Pública protocolaram hoje à tarde a Ação Principal contra a Braskem na 2ª Vara Cível da Capital.

As duas instituições pedem o bloqueio dos R$ 2,7 bilhões referentes aos lucros da empresa mais R$ 1 bilhão – em caráter liminar -, além da imediata transferência do dinheiro para uma conta judicial para pagamento dos danos materiais à população prejudicada.

O juiz Pedro Ivens, titular da vara, deve encaminhar a Ação para que a Justiça Federal decida a questão.

O pedido foi protocolado hoje, mesmo após a decisão do magistrado estadual, para que não haja perda de prazo.

Ou seja: Defensoria e MPE não jogaram a toalha.

Santoro: "Participação da Braskem na arrecadação é muito pequena"
União e Agência Nacional de Mineração não quiseram entrar na ação do Pinheiro
  • Paulo Chen

    Parabens MP!!! Orgulho!!

  • JEu

    Parabéns, mais uma vez, ao MP/AL e à Defensoria Pública do Estado… ambos têm sido coerentes em suas ações neste escabroso caso que, mais uma vez, atinge em cheio o lado mais fraco: o cidadão alagoano… são louváveis seus esforços em manter acesa a chama da esperança no coração daqueles que se viram, de uma hora para outra, privados de seus imóveis e negócios nas áreas atingidas pela famigerada atividade de extração do sal-gema sem as necessárias medidas de segurança para a estrutura geológica dos locais… e, quem sabe, com mais essa ação a justiça federal não devolve ou, pelo menos, não fatia a parte da ação que fala dos direitos dos cidadãos atingidos e reencaminha para a justiça estadual… é esperar para ver o desfecho do imbróglio jurídico… e espero que as decisões sejam rápidas, como foi a do juiz que “encaminhou” o caso para a justiça federal…!!!