Quem esperava que após a divulgação do laudo da CPRM a prefeitura de Maceió e o governo do Estado fossem se unir para encaminhar as soluções conjuntas para os moradores do Pinheiro, de novo, frustrou-se.

Com exceção da área de Comunicação, nada ainda foi anunciado ou discutido concretamente em tabelinha pelas duas instâncias de poder.

As mágoas de campanha entre Rui Palmeira e Renan Filho têm prevalecido ante o que parece ser bom senso e a maturidade política.

Uma pena.

Foram incompetentes os professores 'marxistas' das universidades brasileiras?
Agência Nacional de Mineração não quer entrar na ação contra a Braskem no TJ
  • Eduardo Lopes

    Os interesses pessoais são maiores do que os interesses coletivos!

  • JEu

    Infelizmente, creio que nada diferente se poderia esperar quando a “briga politiqueira”, o orgulho, a vaidade e os interesses pessoais e familiares estão envolvidos… esse é o “caráter” de nossos politiqueiros: nada mais importa senão seus próprios interesses… e isso sem lembrar do silêncio “sepulcral” dos ditos “representantes do povo”, seja na ALE/AL; seja na câmara de vereadores; seja os que se encontram no congresso nacional: senadores e deputados federais… só resta ao povo sofrido fazer valer o dito constitucional: “Todo poder emana do povo”… afinal, a sede da Brasken fica logo ali…

  • Luiz Henrique

    Bom dia Nobre Jornalista. Melhor assim. Se separados já não são bons, imagine se estivessem juntos ?

  • breno

    E desde quando eles estão preocupados com essa questão?

  • Carlos

    Há uma diferença o prefeito Rui Palmeira, tem em algumas ocasiões se manifestado já o governador Renan Filho,pouco ou quase nada em relação esse tema e quem acompanha o comportamento do governador de como se comporta nada surpreende a sua frieza de se colocar diante dos desprotegidos ,que sempre são as maiorias ele tem compromisso com as grandes construtoras onde recebeu contias generosas para às campanhas politicas. Assim ela trata com carinho os grandes dos poderes judiciário e legislativo, com os seus poupudos duodécimos e os servidores públicos os “pobres entre os pobres’ com a indiferença de que os pobres é para sofrer… O povo de Alagoas,deve se unir pelos os bairros atingidos. FORA CORONÉIS DA POLITICA ALAGOANA.

  • INDIGNADO

    Nosso governador não esta preocupado com a população e sim de perder o dinheiro da Braskem, vamos eleger para o senado em 2022 ele merece. kkkkkkk

  • Carlos ferreira

    Quem é Rui Palmeira?

  • MARCELO

    São dois canalhas que só pensam nesses empresariados que só prejudicam o país e a população! Tem mais é que sair do estado mesmo. Manda essa BRASKEM foder com outro estado pra lá!

  • Zé MCZ

    Tais pais, tais filhos!
    São herdeiros em todos os aspectos. Na política é vital ter a astúcia, se não a dos camondongos, mas expertise (não é parônimo…). Chega primeiro quem tiver mais!
    Um bom motivo para a ciumeira é programa de melhoramento nas grotas. Se foi artimanha pro Ciço vencer a prefeitura de Maceió, ao menos, o governador está dando prosseguimento. Hei Renan! Tem também a beira da lagoa e outros mais…
    Entendo que deveria ser atribuição do prefeito correr, buscar financiamento até no exterior (se tá tentando, até agora não vimos resultado), ser persistente até viabilizar! Não é o que eu vejo…
    Quanto ao buraco negro do Pinheiro ao Coqueiro, é momento de juntar as forças, antes que os dois juntos(e quem sabe, abraçados) sejam sugados politicamente.
    A única possibilidade que Rui tem para destronar o clã muriciense é lançar o Rodrigo(se aceitar). Que faça hoje o ano de 2022.

  • Carlos

    De um assunto para outro, o esportivo… Quanto foi mesmo o valor da venda do mando de campo do jogo CSA X Flamengo. Com a palavra Rafael Tenório ou é segredo de justiça ou do futebol dos cartolas!

  • FEIJÓ

    RUI E RENAN FILHO, CADA UM OLHANDO PARA SEU UMBIGO

  • André Sandes Moura

    Ricardo,
    Pensava exatamente nisso. Depois de expostas todas as causas, bom como as possíveis soluções, cabe por obrigação dos cargos, ao prefeito e governador unirem forças para refazer o bairro do Pinheiro. Não se pode imaginar ou admitir que ele se transforme em um bairro fantasma.
    Ambos devem buscar verbas, linhas de crédito a fundo perdido (ou pelo menos a juros simbólicos), direcionados a quem queira investir e/ou permanecer no Pinheiro.
    Por exemplo, os moradores do Pinheiro poderiam ter acesso a linhas de crédito para implantação de micro geração de energia solar nos telhados das suas residências. As PJ para modernização dos seus negócios. Entre tantas outras possibilidades.