Citado como a “quarta evidência” (na ação na Justiça) da responsabilidade da Braskem nos eventos do Pinheiro, Mutange  e Bebedoruo, o cientista José Geraldo Marques previu, há mais de 40 anos, que isso poderia acontecer.

Ele era o secretário do Meio Ambiente – o primeiro de Alagoas – quando da implantação da Salgema.

Negou aval para o funcionamento da indústria porque, entre outras coisas, os técnicos da pasta apontavam para a possibilidade de rebaixamento – subsidência – futuro das áreas onde o sal-gema seria (e foi) extraído:

– Nós não falamos em subsidência do Pinheiro. Nós falamos que um dia poderiam acontecer subsidências (rebaixamentos) em Maceió, decorrentes da operação da Salgema.

Eis uma das principais razões para que ele não concedesse o aval para o funcionamento da então mineradora. O que, está claro, não foi suficiente para evitar o que se constata hoje.

“O que fizemos não foi uma previsão. A ciência trabalha com aproximação, com probabilidade, e a probabilidade de acontecer algo sério era muita alta”.

Em uma ótima entrevista à TV Pajuçara (Ricardo Mota Entrevista), disponível aqui no TNH1, o biólogo deixa claro que “sal-gema é sal de cozinha, cloreto de sódio, só que em forma de minério sólido, profundo”.

Ele ressalta que se bem explorado, bem protegido, bem planejado, “teria rendido muito para o estado de Alagoas”.

Na questão da falha geológica, o cientista é esclarecedor:

– A Braskem perfurou cavernas em cima da falha geológica, que já estava lá há milhões de anos. Ela foi despertada pela ação da empresa.

Braskem: não é tempo de meia-verdade ou de chantagem
Empresa acena para longa batalha jurídica
  • Morador de Bebedouro

    BRASKEM PARALISA SUAS ATIVIDADES NO ESTADO DE ALAGOAS. Que noticia maravilhosa, melhor noticias do ano, para nós dos 3 bairros atingidos por ela. Agora que a justiça cai pesado, em cima dessa empresa, que causou todo esse mau a todas as pessoas. Todos terão que ser indenizados individualmente. Porque os danos, foram os mais variados possíveis. Afinal de contas são mais de 40.000 pessoas sofrendo. Fora Desgraça de Braskem.
    Agora é esperar que a poderosa natureza, recomponha sua parte e Deus nos proteja. Vamos reunir os 3 bairros e fazer uma grande comemoração.

  • Zé MCZ

    Subsidência: peço desculpa pela ignorância, mas foi a primeira vez que ouvi essa palavra. É certo que durante a apresentação do laudo tinha que ser na linguagem técnica, para não dizer afundamento ou outro sinônimo de significado catastrófico. E é o que ocorreu!
    O ex secretário ficou na sinuca de bico. Como naquela época (revolução popular de 1964) não se podia botar a boca no trombone, então a população teve que pagar a conta. Que conta! Unicamente para encher os bolsos do miserável (em todos os níveis) interesse econômico, seja qual bandeira for. Nosso país(acho que podemos achar) está sendo escoado, agora de forma intensiva, rumo à América…
    Melhor que para a China né…
    Então, um brinde!
    Viva Mariana, Brumadinho e Pinheiro!

  • amorim

    Meu querido Ricardo Mota, infelizmente nós somos os cientistas reconhecidos depois da tragédia. Tudo bem, o cientista José Geraldo, apontou para um serio problema futuro, mas quem deu ouvidos a seu estudo ou previsão do que poderia ocorrer? Se ele como autoridade da época, não permitiu a tal extração , conforme o texto, alguém que mandava mais, permitiu. A preocupação era de que o estado ganhasse o bonus e, a população, o onus, aí está o resultado, não sei quanto o estado levou, mas a Salgema, antes, e hoje a Braskem, por certo levaram muito. Como sempre o onus para a população. Fazer o que? Juntar leite derramado, não é tarefa fácil.

  • WAL

    EM 1987, QUANDO EU CURSAVA 0 3º CIÊNTICO, hoje com outro nome, ( TAMBÉM NO ANTIGO – CEPA- UM PROFESSOR, NA ÉPOCA, DOUTORADO EM: FÍSICA, QUÍMICA , MATEMÁTICA e ainda dava aulas de BIOLOGIA, formado UFRJ, ele chamado para também colaborar com o projeto da fábria, ( não participou ) ( prefiro não dizer o nome dele ), quando a BRASKEM ( ANTIGA SALGEMA ), ESTAVA BEM NOVINHA EM MACEIÓ, ELE JÁ FALAVA EM SALA DE AULAS, DOS PROBLEMAS QUE A INSTALAÇÃO DA EMPRESA, PODERIA TRAZER. PARA NOSSA CIDADE; Mas parece; Ricardo, que só as novas autordades, digo; os RESPONSÁVEIS PELO ( IMA ), foram os únicos que não previram isso. 32 ANOS PASSADOS.
    .
    DEUS SEJA LOUVADO.

  • JEu

    Alguém o disse bem, acima: não adianta chorar o leite derramado… preciso é que se adotem as medidas competentes para que os cidadãos atingidos sejam devidamente ressarcidos e indenizados em seus prejuízos… que tanto as esferas governamentais, sejam da União, do Estado ou do Município e a empresa sejam devidamente responsabilizadas por suas parcelas de culpa no sinistro e que, no mais curto espaço de tempo, os moradores da região possam receber o que lhes é devido e possam recomeçar suas vidas em outro local… que a justiça, então, bloqueie os valores julgados necessários e autorize, de imediato, o início das negociações individualizadas para o pagamento aos cidadãos… que a empresa compre todo o espaço já atingido e promova as ações para garantir a estabilidade dos locais e, então, possa continuar com sua atividade extrativista, em condições mais seguras, garantindo a continuidade do recolhimento dos impostos aos governos… creio que, tudo isso acontecendo, então a tendência é que toda a crise seja superada…

  • Alagoano

    Braskem, Ima, município, estado, todos culpados?! Liberam mineração depois liberam construções a cima? O caos vai além do pinheiro e etc, lembremos também que além dos moradores agora com o fechamento das fábricas teremos demissões provavelmente, não fechamento apenas da Braskem mas de dezenas de terceirizadas ligadas à Braskem e creio eu que 80% das empresas do polo de marechal e do Distrito industrial no tabuleiro sofram ou fechem as portas logo em seguida a paralisação da Braskem, pra que não sabe ela fornece matéria prima para um dos maiores setores produtivos no estado. Entao o caos vai alem do pinheiro e etc, e enquanto o estado afunda junto com a braskem, pinheiro e demais empresas dos polos industriais onde anda nosso governador? Não deu nenhuma declaração por mais inútil que fosse.

  • Solon

    Caros Alagoanos,
    Diante da crise que assola este estado, bem como todo os demais, acredito piamente que temos três saídas, de forma factível e concreta, assim sendo:
    O PORTO
    O AEROPORTO E
    A RODOVIÁRIA
    Tenham todos boa sorte na sua escolha

  • Pedra Noventa

    São demais os perigos dessa vida prá quem tem razão. (Já cantava o poetinha Vinicius de Moraes).

  • Nelson

    E agora José ? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, as usinas fechou, a comércio quebrou, a Braskem afundou !!!!
    Salvem- se quem poder……o último a sair, apague a luz e feche a porta…..e não esperem muito da Justiça, pois ela fria, e por si própria se congelará.

  • Adson Freire

    A Braskem está com os dias contados em Alagoas. Isso é mais do que evidente. O salgema se encontra sob boa parte da cidade de Maceió, logo, deixem ele quietinho lá.