A deputada federal Tereza Nelma tem mantido a mesma postura incisiva que imprimiu em seus mandatos como vereadora.

Ontem, após retornar de encontro na ONU, onde representou o parlamento brasileiro, a parlamentar – que é professora – mostrou sua posição sobre a discussão torno do uso de armas pelos professores nas escolas.

É claro, com base nos acontecimentos trágicos de Suzano, em São Paulo:

– Professora não precisa de armas, nem de mordaça, mas de condições de liberdade e segurança para realizar a educação do bem. Sempre me dediquei à humanização, que deve ser difundida pelas escolas.

Não há de ser fácil o enfrentamento ao populismo belicista.

Alexandre Ayres já sente nos ombros o peso da Secretaria de Saúde
Fábio Farias volta ao Gabinete Civil do governo de Renan Filho
  • JEu

    O interessante é que ninguém fala que os dois assassinos foram alunos naqueles escola de Suzano… então quem errou?!!! será que foram os professores?!!! concordo com Tereza Nelma quando diz que os professores precisam de segurança e liberdade (aqui, creio o de ir e vir em segurança…) para desenvolver o seu trabalho que, também creio, deve ser o de formar o caráter além de instruir a inteligência…

  • breno

    Qual trabalho para melhorar a educação e valorizar os professores Tereza Nelma fez?

    • Dyary Farias

      Acho graça a pessoa fazer um comentário desse sem a menor base, procure saber o que a Deputada Tereza Nelma fez nesses mais de 35 anos de trabalhos prestados ao povo de Alagoas. @terezanelmaal , Tereza Nelma – Facebook .

    • Bruno Melo

      Tereza Nelma iniciou seu trabalho na educação especial, temos como fruto o Centro de educação Especial Wandete de Gomes de Castro, esteve a frente da Associação Pestalozzi de Maceió, que acaba de formar 10(dez) jovens com deficiência no ensino fundamental, encaminhados ao ensino médio da rede municipal, feito inédito no nosso estado.

    • Narelle

      Oi Breno.
      Pra sua informação:

      1. Tereza Nelma, quando dirigiu a Educação Especial de Alagoas, criou o Centro de Educação Especial Wandete Gomes de Castro, que deveria preparar pessoal para o ensino às crianças com deficiência;
      2. Tereza Nelma implantou a Gerência de Educação Especial na Secretaria de Educação de Maceió;
      3. Tereza Nelma é professora e psicóloga. E jovem, quando ia dar aulas, tomava o ônibus muito cedo com uma sacola com os brinquedos da filha, para suprir a falta de material pedagógico na escola;
      4. Tereza Nelma sempre defendeu as mulheres, inclusive as professoras, com várias leis aprovadas na Câmara de Vereadores de Maceió. Seria impróprio para este espaço detalhar muito;
      5. Tereza Nelma já apresentou 19 emendas à Medida Provisória 871, em defesa de aposentadoria digna, o que não é preocupação desse governo federal;
      6. Há duas semanas, reuniu-se com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas (Sinteal), comprometendo-se, uma vez mais a defender as professoras das agressões do governo federal;
      7. Antes de ir participar de Seminário da ONU sobre o Estatuto da Mulher, Tereza Nelma participou nas ruas de Maceió da grande caminhada contra a violência e em defesa dos direitos das mulheres, no dia 8 de março. Onde, inclusive, o Sinteal estava presente.;
      8. Talvez você não saiba das dificuldades de enfrentar as propostas atrasadas e grosseiras desse Governo Federal em Brasília, mas Tereza Nelma se mantem firme contra elas. Para isso, já fez três conferências livres, do seu programa de mandato participativo, para ouvir dirigentes de movimentos sociais de Alagoas.

  • Pedro

    Os professores, não precisamos de armas. Vejam que absurdo seria um professor entrar, armado, em uma sala para conviver com crianças e jovens adolescentes durante anos. Isso não faz nenhum sentido. Um ataque como esse é um ponto fora da curva. Precisamos agir para evitar novos casos, mas a solução não será tentado armar professores. E tem mais, a maioria dos professores não querem esse troço de arma de fogo. Deixem as armas para os abutres. Essa defesa veemente feita por alguns figurões é apenas para facilitar o aumento de seus arsenais bélicos. Significa dizer que um coitado compra um revólver 32 e os políticos, cujas mãos estão machadas de sangue desde sempre, podem comprar fuzis, metralhadora etc. Só um besta embarca nessa de liberar arma.

    • Adilio Faustini

      Quer dizer que todo Suíço, digo todos, são abutres por manter um Fuzil em sua casa?O Suíço é um eterno soldado de sua Patria, no Brasil estamos formando homens medrosos, e disso se aproveita os desonestos, minoria, que estão mais atrevidos,principalmente menores. Vai chegar o dia que teremos homens que não usarão um cortador de unha com medo de cortar o dedo.

      Resposta

      Acho que ela não sabia que o senhor era suíço ou mora na Suíça Tropical.

      • Pedro

        Colega, o que nós temos a ver com os suíços? Se eles dormem com fuzil é problema deles. Estou me referindo à realidade brasileira. Emiti a minha opinião quanto à liberação de armas. Considero abutres àqueles que possuem armas e estão à disposição da morte. Os que gosto de armão têm todo direito de considerar tolos, idiotas, ovelhas os que não querem armas.

        • Adilio Faustini

          Temos a ver a discussão sobre o cidadão ter o direito de possuir uma arma, entendeu?

  • Adilio Faustini

    Palavras bonitas jogadas ao vento sem efeito prático. Vai ai minha sugestão, colocar em cada Escola do Brasil, Professores, no mínimo 2 em cada Escola, militares reformados ou afastados do Serviço por algum motivo que não possa servir como Militar, mas possa e tem condições para Lecionar, esses Militares do Exercito, PM ou Policia Civil portariam armas, manteriam seus treinamentos em suas Áreas de atuação como se tivesse na Ativa.Temos muitos Militares na reserva muito bem preparados e que foram ainda jovens para reserva.

  • Antonio Moreira

    Eram dois alunos(irmãos).
    O conselho escolar se reuniu para tomar uma decisão sobre os dois meninos que tinham mais 920 volts(energia).
    A mãe dos meninos, disse: se prejudicarem os meus filhos, eu não mando matar, eu mesma mato!!!

    Eu fui o primeiro a votar.
    Meu voto(os meninos ficam!).
    Lembro-me que me chamaram de frouxo.
    Achei que não era justo transferir o problema para outra escola.
    Infelizmente, a mãe dos meninos morreu de doença.
    Ainda tenho a imagem daquela mãe jovem …

  • Roberto

    Precisamos entender quê professor professor é para contribuir no desenvolvimento e aprendizagem de Pessoas. O que a Deputada Tereza Nelma tem dialogado é que não é necessário armar a sociedade para se defender. Lembro a cada um aqui que tem o desejo abominável de armamento da sociedade que esse papel de proteção é do Estado Brasileiro. Lembro também que um Legislador é um educado que promove cidadania e direito a pessoas humanas. Tereza Nelma, tem sua trajetória pautada na defesa e na educação da sociedade Maceioense, não se pode desconstruir alguém do ponto de vista comum. Quem mais produziu matéria direcionada a população Maceioense foi Tereza, desde a educação especial, ao nome Social, a lei da Parada Segura, tornando espaços público cada dia mais livres de discriminação. Educação, não é só quadro, lápis e livro, educação, e promover cidadania a todas as pessoas sem distinção de cor, ou gênero.

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    O Busílis não reside no professor (com ou sem armas) na sala-de-aula e/ou na escola, embora sejam espancados, esmurrados, agredidos e ameaçados de mortes, por crianças e adolescentes, que podem tudo e de tudo, menos que se lhes exigir ordem, disciplina e respeito aos professores, aos mais velhos e às escolas ou aos colegas.
    Concordo que o professor não queira estar armado, para autoproteção e de seus alunos ou dos alunos; é um direito deles! Mas, também, não é admissível que deixem de ser professores para serem doutrinadores!
    O Brasil, desde Paulo Freire e, notada e especialmente, após a tal “pátria educadora”, ocupa a 119ª posição dentre os países, no Ranking de qualidade na Educação, segundo o World Economic Forum! Fato!
    Abr
    *JG
    P.S.: Melhor ser abutres que carniças; ou não?