O senador Rodrigo Cunha deixou evidente a sua posição sobre o episódio trágico de ontem, em Suzano.

Em um debate com o também senador Major Olímpio, do PSL de São Paulo, que defendia que um professor armado poderia evitar o massacre dos estudantes e funcionários da escola, Cunha afirmou que “escola não é lugar de armas”.

Para ele, “um professor armado não teria evitado a tragédia e poderia até ter aumentado as mortes”.

Bingo!

 

Fábio Farias volta ao Gabinete Civil do governo de Renan Filho
Jó Pereira vai se consolidando como líder informal da oposição na Assembleia
  • SH.

    Desculpe senador, mas os caras mataram quem queriam, não ia aumentar nada, até não concordo com professor com arma, acho mais eficaz segurança profissional.

  • Há Lagoas

    Gosto de uma máxima de um grande militar – que na Era Vargas – foi levado ao ostracismo.
    O velho marechal Rondon nos deixou o seguinte provérbio: “morrer se preciso for, matar nunca”.
    Se todo o cristão se comportasse como ovelha para o matadouro, como Cristo assim pediu…
    A questão é que em uma democracia, a uma pluralidade de pensamentos, inclusive, daqueles que desejam usar armas para se defender.
    Com relação as escolas, no máximo, seguranças armados, professores não!

    • ROTARY

      Muito bonito o proverbio citado pelo Sr. então na hora de morrer coloque o seu na reta e desde hj já deixe encomendado o caixão.
      Eu quero exercer o direito de preservar a minha vida em qualquer situação, se o Sr. amante da paz não quer “mora ser for o caso” tenha paciência.

      • Há Lagoas

        Caro Rotary,
        Foi apenas uma observação pessoal, eu respeito a sua.
        O que me angustia é ver no púlpito de nossas igrejas, pastores tomando partido entre prós e contra o armamento, quando um militar – parece irónico – utilizou-se de um pensamento defendido pelo próprio Cristo.
        “Como está escrito: ‘Por amor de ti somos entregues à morte todos os dias; fomos considerados como ovelhas para o matadouro’”. Romanos 8:36

    • Adilio Faustini

      Marechal Rondon se referia aos indios, pois era covardia o Exército com armas de fogo atacar indios com arcos e flechas, seria um massacre.Marechal Rondon era descendente de Indios assim como o General Mourão Vice Presidente atual também é descendente de índios.

      • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

        REENVIANDO. Por favor, não o CENSURES!
        Muito bem destacado pelo leitor Audílio Faustini sobre o nosso inolvidável Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, que ampliou nossas fronteiras e território: “integrar para não entregar”! Rondon, o marechal da integração nacional!
        Sobre Suzano:
        Enfim, a atual “flexibilização de armas não obriga a ninguém ter uma arma em casa, quem é contra basta não comprar” e contar com a “segunda chance dada pelo algoz”; claro! “Ninguém é obrigado a ter uma arma em casa, mas é preciso respeitar a opinião de quem acha que precisa ter uma para se sentir mais seguro” – Sérgio Moro.
        Ora, “se você não quer ter uma arma para se defender o problema é seu! Se você acha que não deve reagir para se defender, direito seu! Se você acha que o seu direito de escolha deve se sobrepor aos dos outros, aí o problema é nosso. Sem Liberdade não há democracia”.
        O guarda-chuvas não acaba com elas nem com o inverno, apenas protege ao seu usuário de se molhar e contrair um simples resfriado, por exemplo!
        Eis, pois, a “lógica” de esquerdistas de esquerda e à esquerda:
        a) Se liberar a maconha e as drogas o consumo diminuirá;
        b) Se liberar ou “legalizar o aborto” reduzirá seus números;
        c) Mas se liberar o porte ou a posse de arma vai ter tiroteios todos os dias e o dia todo.
        Abr
        *JG – Na íntegra em nosso Blog: D’Artagnan Juris.

  • Bel

    Concordo não!

  • JEu

    Concordo que professores não devem estar armados nas escolas… agora, alguma coisa precisa ser feita para aumentar a segurança nas mesmas… assim, pergunto: que tal contratar empresas de segurança para as escolas? uma outra saída seria implantar o modelo das escolas militares das polícias em todas as escolas públicas de ensino fundamental, com a participação de policiais militares da reserva… agora, ficar só criticando e sem oferecer nenhuma solução é muito fácil… Bingo!!!

  • Pedro

    Concordo com o Rodrigo Cunha e o Há Lagoas. Acho um absurdo querer armar professores e demais pessoas. Professor é Professor, não um militar. Um bom professor é aquele que sabe, alem de ministrar sua disciplina, evitar mortes, mas com outras armas: preparar os jovens para enfrentar dificuldades sem retirar deles a esperança e o otimismo. Armas letais devem ficar nas mãos de quem tem como profissão cuidar da segurança: o Estado. Treinamento para utilização de armas é coisa muito séria, não envolve apenas saber dar tiros. Por isso, deve ficar a cargo dos militares e seguranças. Nosso presidente cérebro de “peru novo” tem tudo a ver com o que aconteceu aos jovens inocentes da escola de Suzano. Não digo com isso que ele tenha culpa, mas um presidente, assim como um jornalista ou professor, por exemplo, não podem fazer, gratuitamente, gestinhos com armas de fogo.

    • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

      Urge, pois, aqui relembrar que “o maior massacre havido no Brasil, deu-se em Realengo/RJ, em 2011, com o advento, vigência e vigor do “rigoroso” Estatuto do Desarmamento, no desgoverno de petistas, quando não havia “gestinhos e arma de fogo”! Ou não?
      Abr
      *JG

  • Wallace

    Segurança armada na portaria da escola, vigilantes dando o suporte, aí sim poderia ter evitado essa tragédia. A arma do professor é o LIVRO!! A escola precisa de estrutura para seu pleno funcionamento e segurança de todos. Prezado Ricardo Mota, está cada vez mais difícil ter a escola como ambiente de trabalho. Ass: Um simples professor que preza pela educação de qualidade para todos.

  • Consigliere Alagoano

    […]

    Uma escola com CONTROLE de ENTRADA e SAÍDA, com VIGILÂNCIA **, Postaria com mais Níveis para se chegar ao administração da mesmo, Patrulha Escola E-F-I-C-I-Ê-N-T-E, não aquela VOLTINHA NO BAIRRO e beber água na escola e XAU XAU!, poderia ter minimizado ou ser frustrado logo na ENTRADA da ESCOLA.

    AGORA …. colocar a tragédia na “CONTA” dos VÍDEOS GAMES… é desafiar a inteligência e se livrar do problema. MENOS MOURÃO, MENOS!

    ** AQUI EM ALAGOAS JÁ FOI ASSIM, TINHA VIGILÂNCIA NA ESCOLA, E OS ÍNDICES DE VIOLÊNCIA NA ESCOLA E NOS ARREDORES DIMINUÍRAM, COM A CHEGADA DE RENAN FILHO E LÚ CIANO… ISSO A-C-A-B-O-U , E OS ÍNDICES DE VIOLENCIA NA ESCOLA E NOS ARREDORES AUMENTARAM , a GUARDA ESCOLAR tem ESTES números…

    ;-/

    .

  • wal

    Uma tremenda babaquice, só seria possível se os professor que estivesse armado, fosse também um advinhão, para esse caso, o professor e armado, o que diz o Rodrigo Cunha e o sr. Olímpio psol, o professor, iria evitar o massacre, tinha que ter matado os assassinos, quando eles foram alugar o carro para planejar o crime, aí sim.
    SANTA BABAQUICE
    FALA SÉRIO…

  • Lucas Farias

    Prezado Ricardo, qualquer estudo científico minimamente sério demonstra a correlação entre a quantidade de armas à disposição da população e a ocorrência de mais assassinatos. Por sinal, embora o aumento do número de homicídios continue em crescimento por conta de múltiplos fatores estruturais, houve redução no ritmo de crescimento de homicídios por armas de fogo após o advento do Estatuto do Desarmamento e das campanhas de entrega de armas, segundo os anuários do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O fato é que o ambiente cultural e social contaminado pelo ideário da violência, do armamentismo, do desrespeito aos direitos humanos, do autoritarismo e da repulsa à solidariedade é nascedouro de tragédias. É por isso que toda a retórica baseada na pregação da violência e na eliminação do diferente e do divergente deve ser repudiada porque legitima e estimula ações violentas. Não demora a que o discurso de ódio se traduza em atitudes. Interessante reportagem da revista Época revela o comportamento de um dos adolescentes assassinos nas redes sociais: https://epoca.globo.com/o-que-as-redes-sociais-dizem-sobre-um-dos-atiradores-de-suzano-23518545. Aí se nota o envolvimento do jovem com o culto às armas e seu apoio às ideias de integrantes da família presidencial, que pregam sem cerimônia a violência e o uso de armas. Basta lembrar que o presidente, em discurso durante campanha eleitoral, defendeu “fuzilar a petralhada”, ensinou uma criança a fazer gesto de arma, defendeu a tortura e o exílio de adversários. Curiosamente, os mesmos que imaginam que essas ações e palavras não influenciam as pessoas são os que temem o comportamento de professores em salas de uma. Isso também demonstra que é a internet, especialmente as redes sociais, o grande locus de doutrinação e de formação de consciências da juventude (e não só dela) na atualidade, e não a escola e a universidade, tão injustamente atacadas pelos adeptos do espantalho de ignorância chamado Escola Livre. Isso também reforça a preocupação que a sociedade, os pais, as escolas e o Estado devem ter, preventivamente, com jovens que portam sérios distúrbios e problemas de natureza psiquiátrica, bem como o maior e mais rígido controle de armas, e não sua flexibilização. Um abraço.

  • Pedro

    Discordo mais uma vez do Senador, o qual ajudei a eleger. Realmente escola não é lugar de armas, mas na atual conjectura que se encontra nosso país, de devaneios políticos generalizados, a causa de todos os males sociais, há de se buscar paliativos, enquanto a solução não chega (e não virá a galope). Se não professores armados, mas pelo menos agentes de segurança nos colégios é sim, de fato, necessário. E se mais mortes os menos mortes houvessem, essa é somente uma questão de número na tragédia toda, pois temos que tentar a todo custo é evitá-la, e não a diminuir. De toda sorte, respeito o ponto de vista falho do Exmo. Sr. Senador, e torço para que ele não apenas comente fatos como esse, mas aja para fazer com que não mais aconteça. Acho que o foco do debate está pífio.

  • Rodrigo Esteves da Costa

    Estudos sérios, há algo de verdadeiro nestas alocuções? A população tem e deve exercer o seu direito de defesa. Nada de fazer ilações infundadas para entorpecer uma sociedade fragilizada com tantas farsa mostradas como verdade. Se defesa significa está amparado pelo poder público, então far-se-a necessário que cada cidadão se encorporem as forças policiais de seus estados. Com essa mudança sim o estado dará o aparato legal para o desarmamento.

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    “ATUAL CONJECTURA”? :O
    Abr
    *JG

  • Varys

    Até agora não vi ninguém questionar onde, como e com quem os dois jovens conseguiram tanta munição. Como um menor de 17 anos já era um atirador exímio? As polícias civis e federal, nunca investigaram esses fóruns armamentistas e disseminadores de ódio? E a disseminação dessa cultura de ódio e intolerância? Até quando vamos observar esse vírus contaminar mais pessoas?