A prisão pela PF (na Operação Fantoche) do presidente da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas, José Carlos Lyra – que já foi liberado -, é um acontecimento importante e inesperado para muitos aqui no estado.

Mas a investigação precisa ir até o fim, apurando se houve, de fato, desvio de dinheiro público (os contratos totalizam R$ 400 milhões em todo o Brasil).

Que há abusos nas entidades que compõem o Sistema S – Sesi, Senai, Sesc, Senac, Sebrae, Senar, Sest, Senat -, isto é notório (e não combatido) há muito tempo. Mordomias, ostentação, nepotismo, desperdício, tudo está no pacote que já é do conhecimento da população desde quando o modelo foi criado (na década de 1940).

E tudo precisa ser apurado e punido – onde houver culpados.

O ministro Paulo Guedes, ainda em dezembro, afirmou que vai “passar a faca” no dinheiro repassado pelo governo federal ao Sistema S.

O economista Joaquim Levy, ministro da Fazenda de Dilma, tentou fazer o mesmo – o corte pretendido era de 30% -, mas voltou atrás. Não aguentou a pressão da CNI, principalmente.

É inegável, porém, que o Sistema S cumpre, sim, um papel social importante, oferecendo serviços à comunidade – nas áreas de Educação (profissional ou não), Cultura, Saúde e Lazer. E de qualidade acima daquilo que o serviço público em geral entrega.

Não dá para ignorar este mérito, assim como não se pode apagar tudo o que aconteceu e acontece de abuso com os recursos públicos que essas entidades privadas administram.

No ano passado, foram R$ 16,5 bilhões repassados pela Receita Federal às entidades beneficiadas: dinheiro arrecadado das contribuições pagas pelas empresas com base nas suas folhas de pessoal. As alíquotas variam de 0,2% a 2,5%.

O principal mal de que sofre o Sistema S?

Talvez, o mesmo que atinge desde sempre o Estado Brasileiro: o patrimonialismo – a falta de distinção entre o público e o privado.

Eis um mal que precisamos extirpar.

 

Medo e forte policiamento marcam audiência do caso Neguinho Boiadeiro em Batalha
Conselho Regional de Medicina vai apurar mortes por meningite em hospitais públicos
  • RICARDO

    Nepotismo, corrupção , uma entidade sem limites.. Filhos e parentes de diretores da FIEA empregados no sitema S, Diretores que não tem indústria alguma ! Basta de tanta bandalheira!

    • Marcos

      Realmente o presidente nem empresário é. Vive das mamatas do poder que o cargo lhe confere. E os empresários alagoanos todos calados. Vergonha.

  • Gustavo

    Deveria ser investigado também o Senac.

  • Marc Jose

    Isso é mais um vergonha de Alagoas.Mais um exemplo de podridão.

  • Não são nem da diretoria do Sebrae

    Além de se sentirem os donos do mundo. No Sebrae existem algumas pessoas que nem da diretoria são e andam com o nariz mais empinando que pipa dos morros

  • RICARDO

    Impressionante o silêncio da imprensa nesse caso da prisão do Presidente da FIEA. Esse presidente parece o Maduro, o chaves, está há cerca de 25 anos na presidência da federação das indústrias! Cadê a renovação na FIEA?

  • Josafá

    EITA! MAIS PODRIDÃO DE ALAGOANOS… TAMOS BEM REPRESENTADOS NO QUESITO: CORRUPÇÃO, DESVIOS DE DINHEIRO PÚBLICO E VIOLÊNCIA.

  • Consigliere Alagoano

    SISTEMA “S”….

    Vamos olhar pra trás e ver quantos do sistema ” S ” , tiveram auditorias e intervenções em ALAGOAS?

    Ha lembrou? claro são recentes, bem recentes, nos anos 90, foram várias….

    Existe um FETICHE dos GESTORES pelo “S”: Sesi, Senai, Sesc, Senac, Sebrae, Senar, Sest, Senat
    Por que será??

    SENAC – AL.. Sua Hora vai chegar…. DENOVO

  • João Neto

    A caSa caiu.

  • Daniela Pires

    Não podemos ignorar o trabalho realizado pelo Sistema S em Alagoas e no Brasil, mas também não podemos ignorar dirigentes corruptos seja lá quem for, se deve que pague. Infelizmente mais um entre tantos escândalos a nível nacional em que um alagoano ou alagoanos estão envolvidos. Como diria Boris Casoy ” ISSO É UMA VERGONHA”

  • JEu

    O principal problema é a corrupção… lógico que se transformaram, também, em cabides de emprego e nepotismo… porém a corrupção, em anos recentes, ficou sem qualquer controle… eis aí o por quê da operação Fantoche da PF… e vale, aqui, lembrar uma lista divulgada nas redes sociais, há pouco tempo, com o nome de pessoas conhecidas (parlamentares, jornalistas, e outros) que receberam R$ 100 mil, 150 mil, 200 mil por uma “palestra” em um desses “S”… e isso só pode ser uma coisa: “Safadeza”…

  • Neílton de Albuquerque Vasconcelos

    Infelizmente, no sangue do brasileiro tem um gen da corrupção, isto vem acontecendo em todos os setores da sociedade, e principalmente de pessoas que ganham bem e não precisam desviar dinheiro público. No Brasil briga-se por cargos não para fazer o bem comum, mas sim seu próprio bem.

  • Ze Bouquet

    O sistema S,por está ligado ao turismo não que dizer que o ministro do turismo do atual governo e o recente daqui de Alagoas,tenha alguma culpa. Confio principalmente no ex- ministro do turismo que foi um alagoano sério aqui da região sul,que sempre prezou pela lisura dos recursos públicos.

  • Bel

    O silêncio sobre o caso é total.

  • Marcos

    É incrível como a imprensa se calou no caso da prisão do presidente da federação das indústrias do estado, envolvido em denúncias de falcatruas pesadas. Os empresários tem que exigir uma explicação e apuração sobre o assunto. Mas tá todo mundo calado. Até nos grupos de WhatsApp o assunto ficou em off.
    Nepotismo, tirinetas, licitações fraudulentas, contratos fictícios e enriquecimento ilícito. Investiguem!

  • CABRAL

    E ainda vão homenagear o presidente preso.

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    “Peninha”, por que CENSURAS aos meus comentários?
    A ver: http://gouveiacel.blogspot.com/2019/02/os-abusos-ou-erros-historicos-sobre-o.html
    Abr
    *JG

  • RICARDO

    A maioria dos diretores da FIEA não possuem indústria nenhuma, vivem fazendo loby para as empresas e ganhando comissão.

  • Emanuell

    Ah entendi, é tipo: Prisão de Lula não pode manchar os serviços prestados a população brasileira… run run, craru, çei, é iço msm!