O secretário da Fazenda George Santoro lamentou a decisão do governo Temer de privatizar a CEAL, cujo leilão está marcado para o próximo dia 19.

A boa notícia?

Ele está convencido que isso não impedira o estado de Alagoas de receber o que deve pela transferência da empresa para a União, em 1997.

Santoro disse que não acredita que novas medidas judiciais impeçam o leilão, mas ele ressalta que a decisão do ministro Ricardo Lewandowski (o do avião), liberando a privatização, separou as duas questões: a venda da empresa e a compensação financeira do estado de Alagoas.

Quanto?

Nem os fantasmas do Planalto Central, tão pródigo em relação ao sobrenatural, saberiam responder.

 

TJ vai julgar Mandado de Segurança preventivo sobre eleição no TC
JHC fecha acordo com 4 candidatos a presidente da Câmara, mas apoio de Eduardo Bolsonaro pode atrapalhar
  • Apareceu a margarida, MOROu? – Olê, olê, olá! – ÁS na manga ou cavalo de Troia?

    É cuma se diz no Sertão … Ceal de bêbo num tem dono!
    E depois do NATAL vem o carnaval … ‘Eu já fiz um orçamento: 2 mil real’
    > Essa pessoa que eu procuro, a racha vai comigo na despesa por igual
    – Vou entrar com mil, com mil teu, vai dar dois mil … 2 mil real (R$ 2 mil)
    https://www.vagalume.com.br/banda-rodeio/mil-meu-com-mil-teu.html

  • Eleitor

    Vão vender a maior empresa do Estado!

    • Pimpolho

      Pode até ser a maior do estado. mas péssima na prestação de serviços.

      privatização neles!!

  • breno

    Espero que em breve seja a famigerada CASAL, DETRAN uma tal de SLUM e outras que só servem pra arrecadar e nada fazem em troca.

  • JEu

    Realmente, a fazenda estadual vai continuar recebendo o ICMS pelo comércio de energia… quanto à diferença que o Estado diz que o União deve pela venda da CEAL, ninguém poderá dizer se será paga… afinal, se o Estado apresenta uma conta, a União apresenta outra, ou seja, que o Estado já recebeu tudo o que merecia pela finada estatal… agora é só esperar pela nova política de energia do país, que espero abra o campo para a competitividade de energia eólica e solar, permitindo que os cidadãos possam, a custos mais baixos, ter acesso aos painéis solares de produção residencial de energia… e quem sabe, logo, logo, poderemos ter acesso a carros elétricos, híbridos ou de célula de hidrogênio… tudo pelo bem do meio ambiente e do bolso do contribuinte…

  • Larissa

    Vender uma empresa tão grande por 50 mil reais… Tá na cara que isso é falcatrua e que esse negócio não vai ser bom para o povo!

  • Carlos

    O estado deixou de pagar a divida ao tesouro nacional e nada aconteceu de bom para o desenvolvimento dos pobres entre os pobres . Na realidade o governador só pensa se perpetuar no poder e tem mais governa para os ricos e se acha um deles e se o pai foi pobre um dia ele não lembra . Reajuste só para os poderosos e muito sossego junto com os deputados da base do toma lá um pedaço do estado pobre e faça tudo o que eu quero.

  • WAL

    Já vende TARDE. Agora falta: O DETRAN, a FAMIGERADA CASAL, aquela que manda a conta e água nada…

  • jezualdo

    Privatizar tudo e o povo acha certo. Deveria na verdade mudar Leis e banir ladrão do erário.
    Privatização não trás nenhum beneficio para a população.
    Acabar com privilégios do legislativo e judiciário, acabar com perpetuação dos políticos e seus mandatos e penas duras para quem for pego com falcatruas nos três poderes.
    Chega de roubo.

  • Raphael

    Os Pobres querem tudo privatizado para enriquecer os mais poderosos. Éstranho, não?

  • Claudio Mcz

    Claro que recebe, qualquer debito que seja provado na justiça será recebido, ate pq o Estado deve Bilhoes a União a questão é provar o credito. Quanto a privatização é tendencia mundial, ate a propria Dilma privatizou as distribuidoras de Santa Catarina e Goias, e todas outras ja foram privatizadas, a de Alagoas será ultima. Temos que ir acabando o corporativismo Estatal que so faz mal a população brasileira..

    • Carlos

      Pois é Claudio…Já o PT,esquece que privatizou e tripudia no esquecimento do povo de memória curta.