É mais do que evidente que há um embate político que foge aos limites físicos do palácio de vidro da Fernandes Lima – na eleição para presidente do Tribunal de Contas.

Por mais de uma vez, o governador Renan Filho foi procurado para intervir, mas agiu – assim me parece – como deveria, na base do “me incluam fora dessa”.

De um lado, a família Albuquerque, comandada pelo deputado Antônio Albuquerque, cuja irmã é a atual presidente do TC (aonde ela chegou graças à articulação dele).

AA saiu mais forte das eleições deste ano: conseguiu eleger o filho Nivaldo deputado federal – ele era suplente.

Ainda tem um filho que é secretário estadual, mesmo que de uma pasta pouco expressiva dentro do governo. Por óbvio, AA deve almejar mais no segundo mandato de Renan Filho.

Já Otávio Lessa, adversário de Albuquerque, é irmão do (ainda) deputado federal Ronaldo Lessa, a quem deve o cargo vitalício que ocupa.

E tem mais: o genro dele, Rafael Brito, é secretário estadual e muito ligado, pessoalmente, a Renan Filho.

É interessante observar que o conselheiro Anselmo Brito agregou-se a Albuquerque, assim como o mais novo conselheiro, Rodrigo Cavalcante, formando num dos polos políticos internos do TC, já sem qualquer relação com as funções técnicas que ocuparam – de auditor e de procurador do MP.

A turma de Lessa, por sua vez, é formada por conselheiros que têm origem e se mantém fieis à atividade política – que sempre exerceram.

A questão da mudança das regras (Regimento Interno e Lei Orgânica) em cima da hora, como sói acontecer, é uma atitude política – puramente casuística. Seja qual for o argumento usado.

Até sábado, ninguém por lá poderá dormir com os dois olhos fechados.

O que está em jogo é o poder, além de um orçamento de mais de R$ 101 milhões para 2019.

JHC fecha acordo com 4 candidatos a presidente da Câmara, mas apoio de Eduardo Bolsonaro pode atrapalhar
Veja as mudanças aguardadas na equipe de Rui Palmeira
  • JEu

    Será que se trocar um pelo outro, tem algum troco?!!! pois, com qual dos dois no poder (um representado pela irmã, o outro concorrendo diretamente…) vai mudar a maneira de “apreciar” as contas públicas daquela corte?!!! assim, seja quem for que, será sempre mais do mesmo… já a briga pelo poder e pelo direito de “dirigir” o orçamento da casa, aí é onde está o que realmente interessa aos concorrentes… já o povo e a lisura na administração pública são meros detalhes… pobre Alagoas, triste país…

  • Adalgisa

    Com certeza Otávio Lessa é o menos pior.

  • Cidadão observador

    Caro Ricardo, vc só esqueceu de colocar que a turma do Lessa é formada por Toledo e por Celso Luiz. Estranho é ver que os concursados (inclusive a Conselheira Substituta, ao que parece) pendem para o outro lado. É… acho que não há o que questionar qdo de um lado tá a turma conhecimento (mesmo tendo nele o AA) e do outro lado tá a velha política. Que vença o melhor para os funcionários e para sociedade!

  • Antonio Carlos Barbosa

    Velho Mota, o comentário do JEu é o que basta!

  • De ALAGOAS para o BRASIL!

    De ALAGOAS para o BRASIL, vejam os resultados da falta de seriedade no trato da coisa pública!!! No BRASIL entre os dias 07/11 a 11/12/2018 (43 dias) foi arrecadado tributos (CONTRIBUIÇÕES + TAXAS + IMPOSTOS + CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA) no valor de R$ 1,301 BILHÃO e no mesmo período foi tomado empréstimos (OPERAÇÕES DE CRÉDITO) no valor de R$ 82,472 BILHÕES!!! O pior é que ñ se pode fazer AUDITORIA na ‘CIRANDA FINANCEIRA DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL’ porque a então presidente DILMA vetou no ‘PPA – 2016/2019’ a participação das entidades da sociedade civil organizada (COFECON, CONFEA, CFC, ANFIP & D++++) em auditorias na DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL!!! DILMA pq. vetou? Porque entre 1995 a 2018 foram tomados empréstimos de ++++ de R$ 8,5 TRILHÕES para PAGAR E PAGARAM a imoral ‘CIRANDA FINANCEIRA’!!! Só na gestação do Meirelles ‘JBS’ nos Governos LULA & TEMER, foi de sua responsabilidade o pagamento de ++++ de R$ 4,1 TRILHÕES!!! E ñ se apura, ñ se faz nada para auditar um dos maiores rombos no BRASIL!!!

  • Tá difícil

    Infelizmente o tribunal de contas vai ser presidido por Otávio Lessa e sua turma, e os cargos comissionados ficarao distribuídos entre Fernando Toledo e Celso Luiz, com tornozeleira eletrônica a tira colo. O difícil é encontrar um indicado por estes que goste de trabalhar.

  • Carlos

    A casa de plumagem de pavão nada tem de positivo para ser orgulho dos Alagoanos. É orgão que serve de chocata. Já o governo Renan Filho, que é sucessego e a medida que foi tomada para os poderosos do poder judiciário e assembleia legislativa foi o anúncio do duodécimo de 7,60% para 2018 e assim não ter problema com quem pode lhe dá dor de cabeça. Já os demais no caso os servidores públicos tome dentada de cachorro louco.

  • Diego

    Otávio Lessa é menos pior. Não sei como AA consegue se reeleger nas eleições… O povo é muito trouxa.

  • ROBERTO PAIVA

    rRICARDO
    E MUITO PODER PARA UM DEPUTADO ESTADUAL

  • Sérgio Eduardo

    Isso tudo quem está por trás é Celso Luiz q apesar de ter votado em Nivaldo Albuquerque pra deputado federal em inhapi e canapi nunca se deu bem com Antônio Albuquerque. Aí é briga antiga vem des de 2002 na eleição de Ronaldo lessa pra governador